Leia as Histórias

Categoria - Personagens São Paulo década de 50: as meninas de azul Autor(a): Dayse Seyssel Piro Barreto - Conheça esse autor
História publicada em 01/12/2005
A cidade de São Paulo foi a pioneira a implantar uma corporação militar feminina, a "Polícia Feminina de São Paulo". Inicialmente com treze policiais. A segunda turma, da qual fui integrante, formou-se com vinte e duas jovens, direcionadas (como as treze anteriores),ao trato com mulheres e crianças.
Na realidade, essa segunda turma foi a primeira a se expor fardada pelas ruas de São Paulo. O idealista da Corporação, o então governador do Estado e futuro presidente da República, Jânio Quadros, não escondia o orgulho das "meninas de azul", garbosas duplas denominadas "Marta e Maria".
"Atitude serena, porém altiva e resoluta", era a orientação da então comandante, Dra. Hilda Macedo, figura marcante no cenário jurídico e policial de nosso país, a quem desejo prestar reverência nesta homenagem póstuma.
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/02/2013 “Nós juramos ser guias do bem, E nas leis ter o nosso Brasão! Este sonho que é vida, contém. A semente do amor, da oração!
Hierarquia e Disciplina
Espírito de corpo
Será que a nova geração de policiais conhecem e praticam estes fundamentos?
Ainda sonho com Ordem Unida e com minha linda e elegante farda 8a.
Agora vivo do outro lado do mundo.
Apenas minhas memórias e algumas fotos...
Enviado por Ana Claudia P.Matsuoka - [email protected]
Publicado em 26/06/2012 Sra Deyse, minha mãe Maria Bernadete Fumis também fez parte da 2ª turma e conta de seu trabalho na Rodoviaria da cidade, acolhendo familias que chegavam do norte e nordeste, sem muita informação sobre onde deveriam ficar e fala que, penalizada com a situação dessas familias, muitas vezes comprava alimentos e leite para as crianças, num verdadeiro serviço de assistencia social.Minha mãe e toda familia temos orgulho de sua participação nesse momento histórico. Enviado por Ligia Gonçalves - [email protected]
Publicado em 06/04/2012 Sra. Dayse. Conheci a Dra. Hilda, comandante da recem formada polícia feminina, quando ainda era uma menina de 11 anos e a Dra. Hilda almoçava com o seu staff num restaurante vegetariano na Rua Sete de Abril 341, um dos primeiros do estilo, pertencente a uma família alemã: Kreutstein. O prédio no número 341, onde eu residia com meus pais, foi Delegacia de Polícia, porém, não consigo encontrar referencia alguma sobre este antigo prédio que foi derrubado e não tombado como deveria ter sido. Dra. Hilda almoçava com frequencia neste local. Como a sra. faz referencia a ela, eu lhe pergunto se conheceu o referido local e onde posso encontrar referência sobre ele, pois faz parte da memória de sao Paulo e eu tenho apenas, poucas fotos do magnífico prédio que pertenceu à família Lara. Agradeço se tiver alguma informaçao a respeito. Obrigada. Enviado por Jozelia Regina Segabinazzi - [email protected]
Publicado em 16/10/2011 Sou Policial Militar à 23 anos e tenho duas paixões na vida! minha Família e a Polícia Militar! Parabéns p tdas nós mulheres combatentes!!! Enviado por Sirlei - [email protected]
Publicado em 26/03/2010 É uma pena que hoje em dia não tenhamos corporações tão garbosas quanto eram a Guarda Civil e o Corpo Especial de Polícia Feminina.
Além disso quantas histórias a Senhora não deve ter sendo sobrinha do saudoso Arrelia!
Enviado por Ricardo Della Rosa - [email protected]
Publicado em 15/09/2009 Senhora dayse, seu tempo foram brilhantes, hoje, não parece ser o mesmo, nviei um ofício ao governo de sp para que as pms fem. sejam tiradas das ruas e exerçam suas atividades dentro dos quartéis, no lugar dos homens intendentes, lá elas são mais eficientes.acredito. Enviado por julio aparecido lopes - [email protected]
Publicado em 14/09/2009 Acredito que todos os policiais militares, independentes de homens ou mulheres são heróis de nossa sociedade.Todavia, presencio nas mulheres de minha região um certo descontentamento quanto ao policiamento feminino existente aqui, pois, elas reclamam a falta de um programa de prevenção a violência domestica que atinge principalmente as mulheres, todavia, não se vê nenhuma iniciativa das pms femininas em desenvolver um trabalho comunitário junto a própria comunidade das mulheres. Enviado por julio aparecido lopes - [email protected]
Publicado em 28/08/2009 Considero importante o trabalho do policiamento feminino principalmente no atendimento dos casos de violência contra mulher e a família, quando fui escrever meu livro Manual de Deontologia Policial Militar Comentado, um das regras éticas da corporação contidas no R.I. da PMESP diz que "todo policial militar deve ser um bom chefe de família", talvez o comando da PM precisa-se dar melhor redação ao texto, porque deve haver muitas mulheres pms que devem ser também chefes de família, como os homen. Enviado por julio aparecido lopes - [email protected]
Publicado em 06/08/2009 Sra. Dayse, gostaria de seu e-mail para perguntar-lhe sobre sua experiencia na segunda turma de Policiais Femininas. Sua colaboracao seria importantíssima em minha tese de doutoramento sobre a Policia Feminina de Sao Paulo. Att. rosemeri moreira Enviado por Rosemeri Moreira - [email protected]
Publicado em 17/06/2009 UMA HISTÓRIA LINDA, QUE PENA QUE TEMOS POUCAS VAGAS,PARA A PROFISSÃO DE SOLDADO FEMININO.
QUEREMOS MAIS VAGAS,NÓS MULHERS TEMOS MUITA CAPACIDADE E FORÇA DE VONTADE PARA ATUAR NESTA PROFISSÃO.
Enviado por Catia Avelino de Souza - [email protected]