Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares O Castelo da Rua Apa, esquina com a Avenida São João Autor(a): Ana Maria Lisbôa Mortari - Conheça esse autor
História publicada em 02/06/2008

Quando pequena, eu caminhava de mãos dadas com minha mãe a caminho de uma conhecida tricoteira do bairro de Santa Cecília, chamada Dona Aretusa, e costumávamos passar em frente de um castelo, igualzinho àqueles que eu via nos contos de fada.
Na época, muitas vezes parávamos na frente para observar melhor, pois eu ficava encantada com aquela construção, apesar de seu aspecto tétrico, num misto de mágico e encantador que provocava arrepios aos que por ali passavam.
Isso não me impedia de querer conhecer a sua história, de entrar e sentir o clima interior que, para mim, se mesclava às histórias de castelos e fadas que minha avó sempre me contava.
Foi assim que certo dia minha curiosidade despertou para aquele castelo, que sempre esteve fechado e onde nunca se via ninguém.
Foi nesse dia que mamãe me contou que aquele lindo castelo fora outrora o palácio onde morou uma rica e tradicional família de conceituados milionários da cidade. Porém, uma fatalidade o havia transformado em palco de um dos crimes mais famosos de São Paulo, na década de 1930.
A mansão foi construída entre 1912 e 1917, por um arquiteto francês, trazido diretamente de Paris, para executar essa inusitada réplica de um castelo medieval francês, com seus vitrais pintados por renomados pintores da época e seus tapetes todos indianos.
Uma escadaria de mármore importado subia para o primeiro andar da mansão.
Pelas características de sua construção, tornou-se imediatamente conhecida como o Castelinho da Rua Apa, situado no nº. 236, esquina com Avenida São João, bairro de Santa Cecília, em São Paulo.
Ali morava Dona Maria Cândida Guimarães Reis, de 73 anos – Dona Candinha - dedicada à prática religiosa e viúva há dois meses do médico Vicente César dos Reis e seus dois filhos: Armando César dos Reis, um tipo bastante discreto e pacato, de 43 anos e Álvaro Reis desportista, de 45 anos, sempre cercado de belas mulheres, playboy excêntrico, arrojado e boêmio, com manias de patinar pela Avenida São João inteira e de fazer malabarismos em cima de uma motocicleta, a primeira que apareceu na Paulicéia, além de viver se exibindo para as mulheres da alta sociedade local.
Apesar de ambos haverem se formado advogados no mesmo dia pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, eram tipos completamente diferentes como normalmente acontece com irmãos.
Os jantares e as festas concorridíssimas levavam a burguesia paulistana todas as semanas ao castelo, pois estar nos badalados eventos do castelo era o que havia de mais chique na época, o que logo o transformou num marco da vida e da paisagem paulistana.
A família também era proprietária do Cine Teatro Broadway, na Avenida São João, 566 - em frente ao Cine Ritz - inaugurado em 1934 com uma grande cúpula de cristal, onde em 1935 foi lançada a grande novidade do ar condicionado em São Paulo.
A princípio ali apresentavam filmes da UFA, depois se especializaram em produções latino-americanas, principalmente os dramalhões mexicanos, alguns baseados em boleros do famoso Augustin Lara: Perdida, Hipócrita, Perversa, além de apresentações de astros e estrelas da época, nos chamados “Coquetéis Broadway”.
Um dia, a grande cúpula de cristal rachou, provocando um grande ruído, e assustando os espectadores, talvez também pela mudança de temperatura provocada pelo ar condicionado.
Pelas suas telas, rebolaram as rumbeiras Maria Antonieta Pons e sua tenaz rival, Ninon Sevilha, que esteve no 1º Festival Internacional de São Paulo em 1954, além do mexicano Tin-Tan, que tentou competir certa época com o cômico Cantinflas, mas perdeu parada.
Ao retornar de uma viagem à Europa, Álvaro estava entusiasmado, com novos e arriscados projetos na cabeça: alimentava ambições grandiosas, de transformar o imóvel que estava arrendado para o luxuoso Cine Broadway na Avenida São João, 566, num grande centro de diversões, com rinque de patinação no gelo, que seria o primeiro do Brasil, coisa que Armando, por pensar mais modestamente, era contra, pois já havia um rinque de patinação na cidade, além de sua mãe negar-se a dar o dinheiro para o empreendimento. Aí começaram os desentendimentos, até que um dia, numa discussão mais acesa, os dois chegaram às vias de fato, apelando para as armas. A mãe correu para tentar separá-los, mas, os três morreram.
Como? Escolha as versões apresentadas:
Na noite de 12 de maio de 1937, dentro do castelinho até hoje existente, a cozinheira da família Elza Lengfelder, que morava no anexo da mansão, ao ouvir tiros no interior do castelinho, saiu às ruas para chamar um policial. Ao retornarem à casa, o policial viu os três corpos estendidos entre o escritório e a sala: dos irmãos Armando e Álvaro, e de sua mãe, Dona Candinha.
Por tratar-se de gente muito importante na cidade, no dia seguinte "o crime da Rua Apa" ganhou as manchetes dos jornais e a polícia encontraria aí uma primeira pista para a sua versão do crime: os desentendimentos entre os irmãos levara Álvaro a matar Armando e a mãe de ambos para suicidar-se em seguida.
Perto dos corpos foi encontrada uma pistola Mauser, calibre 9 mm, de fabricação alemã, registrada em nome de Álvaro, o que veio reforçar a hipótese da polícia.
A circunstância que atrapalhava esta tese é que Álvaro fora morto com dois tiros, fato pouco comum no caso de suicídio e, em investigações posteriores, foram descobertas promissórias assinadas por Álvaro, que levaram a polícia a dar por concluído o caso, apontando-o definitivamente como o autor dos disparos.
Amigos de Álvaro, no intuito de preservar sua imagem, encarregaram-se de uma versão mais amena: que ele teria empunhado a arma, talvez sem mesmo pretender usá-la contra Armando, porém a mãe apavorada, quando tentava separar os filhos, fizera-o acionar o gatilho, provocando também sua própria morte. Diante dessa tragédia, Álvaro não teria cogitado outra alternativa senão o suicídio.
O caso de glamour e sangue da aristocracia paulistana rendeu manchetes durante vários dias nos principais jornais de São Paulo:
Quem matou quem na família Guimarães dos Reis? - o mistério eletrizava a população da cidade.
Segundo a versão da polícia, o boêmio e aventureiro Álvaro, com idéia de transformar o Cine Broadway, de propriedade da família, em rinque de patinação, discutiu com sua mãe, que não concordava em dar o dinheiro para o caro empreendimento, e com seu irmão, Armando, que também era contra, o que gerou um forte desentendimento... Um dos irmãos sacou uma arma e disparou contra o outro. A mãe, ao se dar conta do perigo, correu para se interpor entre os dois e também foi atingida. O atirador, desesperado, resolveu dar fim à própria vida.
Uma das contradições é que disseram que Dona Candinha a princípio havia sido assassinada por dois tiros, e depois falaram ser três, sendo um pelas costas e dois deles de calibres diferentes da arma Parabellum, não mais de uma Mauser, apresentada no crime, o que incorreria numa quarta pessoa e talvez num tríplice assassinato. Porém, nunca foram encontradas nem a segunda arma nem a quarta pessoa.
O Dr. Costa Júnior, advogado que estudou profundamente o caso, acha que Álvaro matou a mãe e o irmão a tiros, para suicidar-se em seguida.
A polícia nunca descobriu qual dos irmãos seria o assassino e a população nunca se convenceu da história dos policiais.
A polícia deu por encerrado o inquérito considerando Álvaro o culpado em virtude de se tratar de um tipo aventureiro, embora os legistas considerassem Armando, por haverem encontrado vestígios de pólvora em suas mãos, o que significaria que ele tinha manuseado a arma.
Tempos depois o governo reivindicou a herança pela falta de herdeiros, de acordo com a nova legislação do ditador Getulio Vargas, que não reconhecia sobrinhos como herdeiros, apesar de atualmente apresentarem-se: Doreen Carré, Leda Kiehl e Jorge de Castro Kiehl... Por ser herança vacante, o imóvel passou a ser propriedade da União, assim como o Cine Broadway.
O Cine Broadway foi demolido e hoje existe um prédio de apartamentos de militares no local.
Porém, na época em que minha mãe me contou o caso, D. Maria Cândida Cunha Bueno, a Baby, uma mulher liberal, culta, muito a frente de sua época, namorada apaixonada do Álvaro desde seus tempos de juventude ainda vivia e ia religiosamente nos dias 12 de cada mês ao cemitério da Consolação para homenagear a memória do seu namorado, autor do crime para a polícia, e vítima para ela, de um crime batizado pelos jornais de "O crime do castelinho da Rua Apa".
Pouco tempo antes de sua morte, no dia 23 de julho de 1988, ainda se via a velha senhora Maria Cândida Cunha Bueno - a Baby dos seus tempos de jovem - caminhar até o cemitério para homenagear a memória do seu querido, durante grande parte dos seus 97 anos.
Ninguém sabe o que realmente aconteceu naquela noite, pois a polícia técnica e os legistas de São Paulo apresentaram laudos contraditórios.
Depois da tragédia, desencadeou-se uma série de contos e de lendas de assombrações, inclusive dos vizinhos, afirmando terem começado a ver vultos na residência da família Reis, ouvirem gemidos, gargalhadas, choros e gritos de horror, objetos caindo, móveis mudando de lugar, apavorantes rangidos... Outras alegam passar mal ao entrar no local e desde o crime, dizem que ninguém conseguiu morar mais ali, pois seu endereço ficou ligado ao acontecimento trágico do passado, como cenário de um crime chocante até hoje não esclarecido.
Essas histórias colocaram o castelinho no “Circuito do outro mundo” de "São Paulo além dos túmulos", juntamente com outros locais considerados mal assombrados.
Mas para dona Baby, nenhuma das duas hipóteses correspondia aos fatos. Ela tinha certeza que Armando era o verdadeiro vilão da história e morreu defendendo a inocência de Álvaro.
Levada para uma casa de repouso, devido a uma fratura na bacia, ocasionada por queda, ela pediu a um parente que continuasse a cuidar do túmulo de Álvaro, após a sua morte.
Ela faleceu aos 97 anos, sem esquecer do seu grande amor da juventude, nem descuidar de seu túmulo, levando mensalmente flores, durante 51 anos.
Eu passei por lá muitas vezes durante todos esses anos e nunca ouvi e nem vi nada, apenas a grande tristeza pela deterioração de um prédio histórico da nossa cidade.
As agruras do Castelinho começaram com a construção do Minhocão (Elevado Costa e Silva) em 1971, que levou à desocupação do imóvel por seus inquilinos e o governo, seu proprietário, se desinteressou completamente pelo imóvel, levando-o à rápida e total deterioração em que se encontra.
Lamentavelmente inúmeras iniciativas para tentar salvar o Castelinho até agora não tiveram sucesso. Existe até abaixo-assinado para tentar salva-lo no site: “http://www.PetitionOnline.com/castelin/petition.html” com o objetivo de evitar a destruição total, como aconteceu com outros edifícios importantes em São Paulo.
Hoje, nas ruínas do Castelinho funciona a Associação de Mães do Brasil, entidade que tenta localizar crianças desaparecidas, mas que infelizmente não tem condições financeiras para a sua reforma. Uma época, chegaram a aventar de ali fazerem o Museu do Crime.
Como o Castelinho é um patrimônio histórico da Cidade de São Paulo, acho que os governantes deveriam tomar uma providência para fazer seu tombamento e restauração. É a história de nossa cidade!

e-mail da autora: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 17/12/2012 tenho 9 anos e achei muito interessante essa história, meus avós vieram da espanha, eu imprimi esta história e eles disseram em espanhol:-Nuestro León historia iteresante que en España nunca sucedió o ha pasado!- des de que vi o caso no jornal da Record [Balanço Geral] despertei minha curiosidade no mistério, o que sera que aconteceu? acho que esse caso nunca sera resolvido; como o que vou ganhar de Natal da tia Joaquina e do tio German! Enviado por Leon Leopoldo Montijo - [email protected]
Publicado em 24/11/2012 Pena que os governos não tenham interesse pelo patrimônio nacional, poderiam ceder esses imóveis a empresários com condições financeiras de restaura-los e quem sabe, utilizá-los por alguns anos para ressarcimento do investimento realizado. Enviado por Maria das Graças - [email protected]
Publicado em 24/10/2012 nossa que tistre isso vai fika bem marcante Enviado por mayara - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 Eu nunca tinha ficado sabendo desta historia nos meus 37 anos ,depois da repotagem na record no progama de Geraldo meio dia q assistir como peguei a história no meio decidir pesquisar aqi na google, e li o enredo ,quando eu estava assistindo a reportagem ficou um ponto de ? no meu cerêbro ,qem foi ? porq?, veio no pensamento como uma mensagem "dinheiro", aí foi q fui pesqisar e entendi tudo, qem matou foi um membro da casa numa calorosa descussão,nao tinha ninguém além deles, e o governo devia reformar esse imóvel pois é uma história tm um passado, nosso futuro tm q tr um passado pois não somos animais q não tm alma ,e tudo acaba ali. Enviado por Rosemeire - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 SE NA ÉPOCA ELES ERA RICO, CADE A HERANÇA DELES,AGORA SERVIRIA PARA REFORMA DO CASTELINHO. Enviado por CLAUDENICE BARBOSA - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 vi hj natevisão e mi chamou muito a atenção , por que existem lendas mais não sabem descrever se é mito ou não , mais mesmo assim não foi desvendado ainda quem matou a familia depois de tantos anos vcade a lei do brasil ? Enviado por samuel belleti snatana - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 hoje assistindo ao balanço geral,vi uma reportagem sobre o castelinho e corri para internet para pesquisar o caso achei muito interessante a história da familia,infelizmente não consegui ver nenhuma foto da familia,gostaria de conhecer os rostos da família que abalou as estruturas da cúpula da sociedade paulistana. Enviado por renata - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 que triste ocorrencia,espero que nossos governantes possam ver a necessidade do tombamento deste castelo e façam uma reforma urgente do mesmo pois ja perdemos muitas obras historicas neste Brasil. Enviado por ANTONIO COELHO - [email protected]
Publicado em 23/10/2012 É UMA PENA VER TÃO LINDA OBRA ASSIM DETERIORANDO COM O TEMPO.AS PESSOAS RESPONSAVEIS POR ELE QUE DEVE SER O ESTADO PODERIA OU MELHOR DEVERIA RESTAURAR,POIS É UMA PARTE DE NOSSA HISTÓRIA. Enviado por MARIA REGINA MARCUCIO PARRELA - [email protected]
Publicado em 15/10/2012 Moro próximo do local e sempre que passeio pelo minhocão aos finais de semana vejo que há moradores ou invasores no local. Apesar de trágica a história os governantes deveriam restaura-lo pois já não existentem imóveis como aquele para preservarmos a história de São Paulo. Enviado por Cassia Regina Gennari - [email protected]