Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Vivi intensamente cada segundo e pretendo voltar! Autor(a): Ana Luiza Pereira de Lacerda - Conheça esse autor
História publicada em 05/05/2008
Desde que me conheci por gente, vivo o que me foi ensinado do orgulho que é ser paulistana. Por meus avós maternos, que muito contribuíram para esta cidade, participantes ativos da campanha Doe Ouro Por São Paulo, na década de 30, quanto das histórias e exemplos, vindos de minha mãe, que sempre foi uma fiel defensora e escudeira da metrópole.
Eu herdei o sentimento e a compreensão deste amor incomensurável e incondicional.
Porque a meu ver, se é ou não se é paulistano. Há os que amam e os que odeiam.
Eu, sempre preferi estar do lado dos que amam.
Também por guardar somente ótimas lembranças, até aos dezessete anos, quando vim para Curitiba, de onde nunca mais saí.
Alimento o desejo de voltar e resgatar, com a experiência que só a idade traz, o prazer de estar novamente incluída, inserida e definitivamente tatuada nesta minha amada cidade.
Tenho a mais absoluta certeza que dela meus pais não sairiam, não fosse a necessidade que papai teve de voltar às suas origens. Ele era paranaense, da cidade da Lapa, mas paulistano de coração, porque esta cidade que o encantou, que encontrou seu grande e único amor (minha mãe), que o recebeu e prosperou. Muito.
Há latente comigo essa "missão" de voltar. Não só para realizar meu desejo, mas pelo de minha mãe, avó e pai.
O que a mídia mostra é só as mazelas. A violência, a pobreza, o caos, como de qualquer outra cidade, inclusive - pasmem - a de Curitiba!
O lado positivo, o desenvolvimento, a preservação da cultura e da história, o progresso, as pessoas, o trabalho, a luta, são sumariamente descartados. Por quê?
Como jornalista, nunca compactuei com o item do ser imparcial. Não há como ser frio ao transcrever, redigir e emitir qualquer opinião, sem deixar escapar senão com gestos, algum sinal de expressão e entonação de voz, uma alegria, tristeza e descontentamento. Falo isso porque o jornalismo que pratiquei em toda minha experiência foi o de opinião.
Comecei também com máquinas elétricas, sem computador, nas redações. Onde ir a campo era sinônimo de suor e adrenalina na veia o tempo que fosse necessário pra se trazer uma boa notícia e, onde os furos eram realmente batalhados e uma conseqüência desta mesma busca por fatos novos. Hoje, apesar de toda a facilidade, qualquer pessoa pode exercer o papel do jornalista, sem nenhum sacrifício. Encontra-se tudo pronto na web. Copia-se e cola-se sem o menor constrangimento, o que o editor menos experiente e desavisado corre o risco de deixar passar.
Mas fechando esse enorme parênteses que abri, não sei direito ainda porque razão, reafirmo meu amor por esta cidade e não sossegarei até o dia em que conseguir retornar. É como se tivesse deixado algo por fazer. Um ciclo para completar. Devo isso a mim. Devo isso a São Paulo!

e-mail da autora: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/05/2008 OI Ana Luiza! O convite já foi feito há dias e torno a fazê-lo: venha matar a saudade de SAMPA e conhecer os amigos escritores na " noite da
pizzada"! Tem um quarto aqui esperando por você!
Um abraçãooooooooooo!
Enviado por marciaovando - [email protected]
Publicado em 06/05/2008 Agradável e sincero manifesto de uma alma paulistana. Parabens, Lacerda e não desanime, v. vai chegar lá... Abraços.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 06/05/2008 E que a divida seja paga se já não foi com esta linda homenagem. Enviado por Miguel - [email protected]
Publicado em 05/05/2008 Prezada Ana Luíza, gostei muito de seu texto.
Me fez refletir um pouco sobre minha própria relação com a cidade. Uma das coisas que mais me irrita é ver alguém falando mal de São Paulo, costumo até dizer que prefiro que falem mal de mim do que da cidade! Talvez porque as críticas têm lá seu fundo de verdade, mas precisa lembrar a todo momento? De fato, concordo com você, a mídia deveria mostrar os inúmeros aspectos positivos de nossa querida cidade, que muitos de fora desconhecem. Acho até que é o "preço da fama". São Paulo é a maior cidade do país, muitas vezes o centro das atenções, pagando o preço de não passar desapercebida. Fenômeno semelhante ocorre com a cidade do Rio, também vítima de estereótipos de toda a sorte. As cidades médias e pequenas acabam não aparecendo tanto, o que lhes garante certa vantagem neste aspecto. Há quem ame e quem odeie São Paulo, mas duvido que alguém a ela fique indiferente. Forte abraço. Igor Nitsch
Enviado por Igor Nitsch - [email protected]
Publicado em 05/05/2008 Mesmo morando em S. Paulo, nosso ciclo nunca está completo, e vivemos retornando. Eis aí a razão dêste site ! Enviado por Luiz S. Saidenberg - [email protected]
Publicado em 05/05/2008 Ana Luiza, para amar São Paulo, não precisa muita coisa, basta conhece-la. Caetano Veloso a conheceu e que aocnteceu? Nos deu Sampa. Uma das musicas mais lindas que já ouvi, falando de amor por esta cidade. E, ainda mais que fala da esquina da Ipiranga com São João. Precisa mais?
Quando voltar, estaremos de braços abertos para espera-la. E o Miguel promove mais uma rodada de pizzas.
Parabéns pela história.
[email protected]
Enviado por Carlos Roberto Teixeira Trindade - [email protected]
Publicado em 05/05/2008 Sempre que posso retorno ao centro, dias atraz NO LARGO DO CAFÉ, encontrei o WALDEMAR que trabalha ali com sua banca a muitos anos, FAZ BEM PARA NOSSA ALMA!!!!!! abraços Alceu Enviado por ALCEU MENDES - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »