Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Piscina Particular Autor(a): Davi Rodrigues Martins - Conheça esse autor
História publicada em 03/01/2006
Nasci no bairro do Cambuci, mais especificamente nos prédios do IAPI, sendo que o prédio que eu residia era o número 7 bem em frente a extinta Mesbla onde me deliciava vendo a chegada de muitos carros importados que ali eram levados para consertos ou revisões, pois ali estavam ótimos profissionais especializados para tal serviço. Mas vamos ao que interessa, como este local ficava perto do rio Tamanduatei e da qual a freqüência de transbordamento era uma rotina, ali encontrei um ótimo local para adotar estas enchentes como minha piscina particular onde aprendi a nadar e ótimos momentos passei e muitas amizades cativei. Como era encantador ver e nadar naquela imensa piscina da qual não sabia até onde ela ia mas que muito marcou a minha infância.
Em relação as amizades gostaria de localizar o meu melhor amigo daquela época que se chama Luis Roberto Graciotti, sendo sua mãe a Donata e suas irmãs Lilian e Liliane. Caso alguém saiba do paradeiro deste amigo favor me informar.
Obrigado

Davi
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/09/2011 Davi, meu marido Igor também foi morador do IAPI - prédio 22 - e com seus irmãos Cláudio e Tché (mais todos os amigos: Manoel, Ivan, Ivaí, Juanito, Beto, Chumbrega, e muitos mais que não lembro o nome) curtiam demais as famosas enchentes do IAPI. Inclusive, neste site tem uma crônica chamada "As enchentes do IAPI" escritas pelo Rubinho, em que ele comenta sobre a cadela Laika, famosa no conjunto.
A mãe dele, a Dª Bia, fazia com que eles, ao voltarem da enchente, tomassem um bom banho de mangueira com um sabonete para toda a molecada e, depois disso entravam e tomavam um bom banho quente,seguido de uma xícara de café com leite bem quente. Só assim ela ficava sossegada e os deixava nadar na próxima e certa enchente.
Abraço
Célia
Enviado por Regina Célia de Carvalho Simonato - [email protected]
Publicado em 26/01/2006 Caros,

Eu sou o Luiz Roberto Graciotti, que o Davi Rodrigues Martins escreveu no texto. Gostaria de deixar o meu email

[email protected]
Enviado por Luiz - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »