Leia as Histórias

Categoria - Personagens Impossível esquecê-los Autor(a): Arnaldo Martinez Capel - Conheça esse autor
História publicada em 01/04/2008

Creio que poucos, pouquíssimos, sabiam o seu nome, a sua idade, onde e do que vivia. Mas muitos a viam todos os dias, sempre no mesmo lugar, e dedicavam alguns minutos contemplando-a. Era, se não me engano, final dos anos 1960 ou início da década de 1970. A "velhinha dos gatos" ou "a vovó dos gatos", era como se referiam a ela. Sentava-se nas escadarias do Viaduto do Chá, próximas ao Teatro Municipal ou nos gramados dos jardins próximos à Rua Formosa. Ao seu redor, dezenas de gatos esperavam a recompensa por sua fiel companhia à idosa: pedaços de algum alimento que ela lhes atirava. Parecia, contudo, que, por parte da senhora, havia mais do que um simples lançar de comida aos bichanos. Às vezes ela os olhava um a um, demoradamente, como se os analisasse, procurando adivinhar o que pensavam ou sentiam. Quando ela se levantava para ir embora, eles também partiam. E isso me trazia a lembrança do conto do tocador de flauta de Hamelin, que, tocando seu instrumento,
livrou a pequena cidade alemã dos ratos que a infestavam. Houve até um jornal que, na época, dedicou uma reportagem àquela senhora e seus incontáveis seguidores. Infelizmente não a li.
Os olhares dos que paravam para contemplar aquela curiosa figura deixavam transparecer os mais variados sentimentos, e quando os observadores estavam em grupos, comentavam entre si: "que loucura", "que legal", "que bonito" e, por causa do odor provocado pelo grande número de gatos, não raro alguém exclamava: "que
nojo!".
A poucos metros dali, uma outra figura era alvo da atenção do público. Na esquina da Rua Xavier de Toledo com a Praça Ramos, um policial do trânsito arrebatou, durante anos, a atenção de todos que passavam por ali. Sua presença ali nem era tão necessária, pois havia o semáforo, ou melhor, os luminosos com as palavras Pare e Siga, dispostos um em cada lado. Mas ninguém prestava muita atenção a esse equipamento. Todos os olhares permaneciam voltados para o policial, que com movimentos salpicados de bom
humor e que as vezes lembravam uma coreografia, regia o movimento dos pedestres, fazendo-os caminhar ou parar. Quando ia para o meio da rua interromper o fluxo de veículos para que os pedestres pudessem atravessar, dirigia simpáticos cumprimentos a muitos dos que atravessavam. Cultivava especial atenção aos idosos. Certa vez, quando eu atravessava aquela esquina sob o alegre comando do policial, uma senhora que vinha atrás de mim disse à sua acompanhante: "Viu como foi bom termos vindo por aqui? Esse guarda é um anjo!".
Tanto a velhinha dos gatos quanto o policial (se não me engano era chamado de guarda Toninho) não estão mais nos lugares onde se tornaram conhecidos pelo público. Quero crer que ainda estejam vivos. Contudo, se já não estiverem mais entre nós, certamente não serão esquecidos por aqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-los.

e-mail do autor: [email protected]

E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 15/10/2008 conheci este policial,gostaria de contactar com ele,fui ofice-boy na década de 70 e 80.não seria luizinho? alguém poderia localizálo?,espero resposta e deixo grande abraço.estou em porto velho-ro. Enviado por célio cabral - [email protected]
Publicado em 18/07/2008 Caro Arnaldo.
Eu também conheci a velhinha dos gatos.
Trabalhava como Boy na Rua Formosa, 367 e tinha também o prédio que dava para a Praça Ramos em frente aos gatos e à Light.
Eu tinha treze anos e nos anos de 1963 e 1964 trabalhei lá (Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo).
Tenho algumas fotos com os colegas de serviço que batemos na hora do almoço na Praça dos Gatos.
Gostei de ler a história e hoje aos 59 anos anos voltei aos meus tempinhos bons de garoto bonitinho.
Valeu Amigo.
Waldevir Bernardo.
Enviado por WALDEVIR BERNARDO - [email protected]
Publicado em 18/04/2008 Arnaldo, bem lembrado!!!!!
A praça conhecida popularmente como a dos gatos, eu mesmo na decada de 60 cheguei a contar mais de 70 gatos que ali perambulavam e esta senhora realmente aparecia para alimentá-los.
O guarda de transito era o Luizinho, ficou famoso por sua intervenções de transito, em uma oportunidade vi que um motorista avançou sobre a faixa de pedestre e o guarda Luizinho fez ele descer do carro e fez com que pessoas passasem por dentro de seu automóvel. Foi hiláriante,o cara era uma figura carimbada.
Meu bons tempos.............
Enviado por lourenço camargo - [email protected]
Publicado em 02/04/2008 Arnaldo, adorava aquela esquina. Passava sempre por lá, meu pai tinha escritório na Xavier de Toledo. O Guarda Luisinho era o máximo! Ótima lembrança. abs Jussara Enviado por Jussara Xavier - [email protected]
Publicado em 02/04/2008 Arnaldo, se você quizer saber mais sobre o guarda Luizinho. leia o texto "UM ANJO DA GUARDA" datado de 7.12.2006, de autoria do Ivan Castelo Branco. Abraços - Flavio Rocha Enviado por Flavio Rocha - [email protected]
Publicado em 02/04/2008 Arnaldo,
o nome do guarda era Luisinho, e ainda me lembro bem da velhinha alimentando os gatinhos, na época era office boy de uma empresa e diariamente ia ao centro.
Era muito melhor o cheiro dos gatos dos que o fedor que exala os malandros que ocupam a velha pracinha.

abraços.

manoel
Enviado por MANOEL RODRIGUES - [email protected]
Publicado em 01/04/2008 Arnaldo, tanto a velhinha dos gatos como o guarda, estavam adormecido num cantinho de minha memória. Foram acordados por v. Nessa época mencinada, 60\70, eu trabalhava no Matarazzo e, do 6º andar, via a velhinha. Bonito texto, parabens e obrigado por sacudir meus neurônios.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 01/04/2008 Amigo Arnaldo longe de mim corrigi-lo, mas o nome do policial era Luizinho, foi candidato a vereador, não me recordo, se conseguiu se eleger.
Certa vez, um carro parou em cima da faixa de pedestres e ele fez varias pessoas passarem por dentro do veiculo e era um fusca. Disso não vou esquecer nunca, porque fui dos que passaram, tudo na gazação é claro.
Abraços valeu a lembrança.
Carlos R.T.Trindade.
carlã[email protected]
Enviado por Carlos Roberto Teixeira Trindade - [email protected]
Publicado em 01/04/2008 Arnaldo, o nome daquela senhora eu não sei. Sei apenas que ela conseguiu infestar aquelas paragens com centenas de gatos que procriavanm e se multiplicavam com enorme facilidade. Sei tambem, que deu muito trabalho limpar aquela gataiada toda.
Agora o nome do guarda lembrado em seu texto eu sei: Guarda Luizinho, figura cativante e muito querida de todos.
Enviado por Miguel - [email protected]
Publicado em 01/04/2008 Figuras famosas, mesmo entre tanta gente, na grande cidade. O guarda ao lado do Mappin era o Luizinho. Creio estar vivo até hoje, e foi foco de vários textos dêste site. Boa lembrança, Arnaldo. Enviado por Luiz S. Saidenberg - [email protected]
« Anterior 1 2 Próxima »