Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Tucuruvi e arrebaldes Autor(a): Marco Antonio (Marcolino) - Conheça esse autor
História publicada em 21/01/2008

Pouco se fala no Tucuruvi, bairro situado na zona norte da Capital, entre Santana e Jaçanã. Posso falar que, depois de Santana, o Tucuruvi é, ou era, o bairro mais importante da zona norte. Oferecia de tudo aos seus moradores e freqüentadores. Uma ida ao centro da cidade se fazia necessária só em último caso.
A grata surpresa de ler sobre o Tucuruvi veio com o Edson Menezes, no seu “Cine Valparaiso – a maior sala de projeção da América Latina” de 09.10.2007. Não conheço outra crônica que fale deste interessante bairro. Se alguém conhece, por favor...
Ao ler o Edson Menezes e o seu “Cine Valparaiso...”, é impossível, para a gente que freqüentou o Tucuruvi, ficar alheio, frio e não sentir a emoção da nostalgia daqueles anos 60, vividos naquele lugar de São Paulo...
Não morava no Tucuruvi, mas no Parque Edu Chaves. Assim o Tucuruvi era passagem obrigatória para quem precisasse comprar alguma coisa mais elaborada ou um serviço mais raro, ou mesmo para quem ia a Santana ou ao Centro da Cidade. O fato é que os dois bairros onde mais vivi foram o Jaçanã e o Tucuruvi. O Tucuruvi tinha seus encantos. Sempre gostei de cinema, assim os meus refúgios eram o Coliseu, os cinemas do Tucuruvi e os de Santana. Era gostoso, sábado a tarde, pegar o ônibus (Viação Brasiluso) e descer num desses bairros, como também causava um prazer enorme ir a pé ao Coliseu, era perto.
No Tucuruvi existiam 3 cinemas. Começando pelo Valparaiso, que era um cinema independente, às vezes passava filmes lançados pelo Circuito São Paulo Sul (Olido-Rivoli-Marabá-República), por exemplo: El Cid – Ben Hur – Cleópatra – Spártacus -Suplício de uma Saudade – Imitação da Vida, e mais a perder a conta.. Descendo a Avenida Tucuruvi, na altura da Avenida Mazzei, havia outro cinema (Cine Tucuruvi? - não me lembro o nome); nunca entrei neste cinema; por não pertencer a nenhum circuito, exibia filmes antigos. Bobagem minha, tempos depois descobri que filmes como”Casablanca” e “A Marca da Maldade” passaram por lá. Depois, no inicio da Guapira, havia o Cine Fidalgo, que pertencia ao Circuito Serrador (Ipiranga-Rio Branco-Ouro-Astor-Paissandu) e por lá passaram, entre outros: Laurence da Arábia - A Face Oculta - Bonequinha de Luxo - Duelo de Titãs - Matar ou Morrer - My Fair Lady - O Professor Aloprado (o original com Jerry Lewis) - O Meninão - O Cardeal - Candelabro Italiano e tantos outros.
Quanto à polêmica de ser ou não o maior cinema da América do Sul, não vou entrar nessa. Só acho que tanto o Valpa como o meu querido Coliseu eram, sim, os maiores, pois abrigaram milhares de corações e mentes emocionados e encantados. Estes cinemas eram como estrelas de magnitude tal que, mesmo mortas, têm brilhos que ainda chegam até nós. Esta é a grandeza deles.
O prédio do Valparaiso era meio arredondado, a enorme sala de projeção ficava no meio e, em volta, existiam vários tipos de comércios e serviços: auto-escola – farmácia –lavanderia – lanchonete e uma papelaria, que a gente não esquece jamais, era a Papelaria Valparaiso, quanto material escolar não comprei ali?
Existia no Tucuruvi uma das melhores escolas públicas de São Paulo: o Colégio Albino Cezar (Ginásio-Escola Normal-Clássico e Científico). Uma escola de primeira. Meu irmão fez o Cientifico lá. Neste Colégio havia um grupo de Teatro Amador, gente competente e premiadíssima. Lembro da menina que fazia “A Dama das Camélias”, era uma atriz nata. O Albino também patrocinava esportes, campeonatos, atividades mil.
Gastronomia? Ao longo da Avenida Nova Cantareira, havia, em algumas mansões, casas noturnas, o Fred ou Fred era uma delas. Até hoje, não sei se eram restaurantes ou boites. A coisa ficava por conta da nossa fértil imaginação. Os mais puros afirmavam ser restaurantes chiques de comida internacional, proibidos para nós, misteriosos, e que os fondues e flambados eram servidos à luz de velas.Outros, menos ingênuos e com alguns Carlos Zéfiros a mais na cabeça, juravam ser boites e que, lá pelas tantas, as mulheres dançavam um estranha dança e iam tirando a roupa, peça por peça, até ficarem nuas e pulavam na piscina e os homens, com roupa e tudo, pulavam também. Um delírio total!
Havia também o Mercado Municipal que oferecia qualidade nas carnes, verduras, queijos, azeitonas, frutas e flores. Uma maravilha!
Este era o Tucuruvi dos anos 60 e 70. Hoje está tudo mudado. Há anos não vou lá, moro no interior. Tenho certeza que está bem descaracterizado, irreconhecível.
Faço um apelo ao pessoal do Tucuruvi: escrevam sobre o bairro, contem uma história de (des)amor, daquelas que incendeiam o pessoal todo. O Jaçanã... aliás, o pessoal do Tucuruvi esnobava o pessoal do Jaçanã, pois bem, o Jaçanã tem uma turminha que, quase sempre, escreve sobre o bairro. Vamos lá, gente.

e-mail do autor: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/11/2008 gostei muito dos comentários, pois vivi grande parte de minha vida no Jaçanã e atualmente moro no bairro do Tucuruvi e gostaria de saber a respeito de outros fatos desses bairros Enviado por Maria - [email protected]
Publicado em 13/10/2008 Ai gente,q saudade!Tb estudei no Albino,fui ao cine Valparaiso,pulei carnaval lá...nasci e moro até hj no Tucuruvi,na esquina do Albino.Bom saber q estão cuidando do teatro,anotei a data da peça p/ver se vou assisti-la. E aquela piscina...tão esquecida!Quem sabe o Albino um dia volte a ser um dos melhores da zona norte.Estudei no França tb e fazia educação física no Acre Clube,td de bom.Bailinhos no Willian Harding...tanta coisa boa! Felicidade a todos que nos leem. Enviado por Elaine Barroso - [email protected]
Publicado em 10/10/2008 Amigos, gostei muito de ler as histórias de vocês todos. Moro na região há cerca de 25 anos e de algumas coisas me lembro, como a capela abandonada na cofluência da Nova Cantareira com a Água Fria (ela não existe mais, depois que caiu de vez foi construída uma agência bancária e uma farmácia ali).
Quando fui para a zona norte, morava no Horto Florestal, depois fui para a Vila Nova Mazzei e agora vou morar bem próximo ao Metrô Tucuruvi.
Muito bom saber a história do lugar onde se vive.
Parabéns a todos!
Enviado por Maria Aparecida Mariano - [email protected]
Publicado em 08/10/2008 TUCURUVÍ/ALBINO CESAR: lembro-me,exatamente de 1965, quando eu estudava no até então INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ALBINO CÉSAR (COLÉGIO ESTADUAL)colégio mais famoso do bairro que possuia três cinemas VALPARAISO (famoso pelos seus bailes de carnaval), TUCURUVÍ e FIDALGO.O colégio Albino César por motivo de reformas, na época (+ ou -)1968 teve que transferir seus alunos noturnos para o Colégio Jardim França.Tinhamos grupos que alem de trabalhos escolares se reunião para festas/etc com a finalidade tambem de angariar fundos para formaturas (um dos grupos eu, ODAIR, ROBERTO, JAIR, SONIA,MANOEL,GERSON, ETC...).Hoje a maioria possuim, até netos.Lembro-me que um dos professores do colégio, o mais querido por todos era o de História, frof.ROMAS, de matemátia, prof. LAMANA, nas áreas de educação física era mantida por CAIEIRAS que morava no local (antigo jogador de futebol. Nossos prof de educação física eram WALDIR PAGAN e PAIANO.
tenho saudades.
odair
Enviado por Odair de Jesus Santiago - [email protected]
Publicado em 04/10/2008 Olá! pessoal parei de estudar no Albino a um ano e meio, e ainda faço parte do grupo de teatro de lá, que é dirigido pela professora Neusinha Palhone Pinto.
E venho convida-los para assistir uma peça, que irá acontecer nos dias 11 e 18 as 16hs.Assim vocês poderão matar um pouco de saudades da escola ou até mesmo do bairro.
Gostaria de ressaltar que o nosso grupo resgatou, o anfiteatro que já era conhecido como “casa de cupim”, lutamos como paladinos, somos ainda todos jovens e esfomeados pela cultura, estamos tentando levantar a alto estima de nossa querida escola e amado teatro. e gostaríamos de ter cada vez mais aliados que tiveram alguma história boa e não queira que ela morra, com a falta de vontade dos atuais alunos e dirigentes da mesma.
Desde já agradeço! A peça se chama os físicos as apresentações serão nos dias 11 e 18 as 16hs espero todos lá! Ah ! O grupo antídoto é formado por alunos e ex-alunos. Muito grata!
Enviado por JAQUELINE - [email protected]
Publicado em 27/09/2008 Então...
tanto fui aluna do Albino Cesar como minha mãe foi professora de português do referido colégio.
E, procurando a turma do Néo Latino, encontrei esse texto, que me bateu uma saudade danada da minha época de Albino.Morei no jardim São Paulo,ía na matinê do cine Valparaizo, comprava material escolar na Livraria Valparaizo, meu primeiro beijo foi na descida da Rua Cajamar, encostada no muro como boa paulistana da época de 60/70, cabulava aula e ninguém via...rsrs
Lembro-me dos bailes do Albino, quermeses,palestras, peças de teatro, competições tendo como professor o Sr.Waldir Peres, assim como do Prof Laureno do Prof Lamana de geografia e do Prof Roma, Prof Ovídeo, a professora de canto que ora me foge o nome!!!,
Por falar nisso, alguém sabe algo do professor Roma???Voto no Albino, desde a primeira vez...
já votei prá Presidente da república lá, mas me recuso em votar na Marta Suplício, crédo!!!!
Também me lembro dos bailes, dos rapazes, das minhas amigas que nunca mais ví...Suelí Leonardi, Tereza Scarpelini, Iliada P da Silva, minha grande amiga, onde anda será?
Saudade disso tudo e de todos...
Beijos
Leila
Enviado por leila - [email protected]
Publicado em 27/09/2008 Então...
tanto fui aluna do Albino Cesar como minha mãe foi professora de português do referido colégio.
E, procurando a turma do Néo Latino, encontrei esse texto, que me bateu uma saudade danada da minha época de Albino.Morei no jardim São Paulo,ía na matinê do cine Valparaizo, comprava material escolar na Livraria Valparaizo, meu primeiro beijo foi na descida da Rua Cajamar, encostada no muro como boa paulistana da época de 60/70, cabulava aula e ninguém via...rsrs
Lembro-me dos bailes do Albino, quermeses,palestras, peças de teatro, competições tendo como professor o Sr.Waldir Peres, assim como do Prof Laureano do Prof Lamana de geografia e do Prof Roma, Prof Ovídeo, a professora de canto que ora me foge o nome!!!,
Por falar nisso, alguém sabe algo do professor Roma???Voto no Albino, desde a primeira vez...
já votei prá Presidente da república lá, mas me recuso em votar na Marta Suplício, crédo!!!!
Também me lembro dos bailes, dos rapazes, das minhas amigas que nunca mais ví...Suelí Leonardi, Tereza Scarpelini, Iliada P da Silva, minha grande amiga, onde anda será?
Saudade disso tudo e de todos...
Beijos
Leila
Enviado por leila - [email protected]
Publicado em 23/09/2008 Moro no parque Edu Chaves, e trabalhei durante cinco anos no Big Tucuruvi atual Carrefour Tucuruvi e não sabia a respeito de que antes era o cine Valparaízo, adorei saber dessas histórias,parabéns pela excelente matéria. Enviado por Kátia Regina da Silva - [email protected]
Publicado em 25/07/2008 Marco Antonio: Apreciei muito o seu artigo de memorável lembrança do bairro do Tucuruvi, Jaçanã,e que coloca também nas lembranças e felizes recordações a boa e velha Parada Inglesa de William Hardin. Voce sabia que o rei da juventude, Roberto Carlos cantou para o público lá no cine Valparaíso nos anos de 64 ,65 ou 66? -Fico feliz por encontrar pessoas de espírito crítico e estético, e por que não filosófico...-, dias atrás, passei pela avenida N. Cantareira, av. Tucuruvi, Av.Gal. Ataliba Leonel, e o meu coração partiu ao meio.Tudo está mudado: a mansão do Fidalgo, onde o meu avô nos levava para tomar sorvete, próximo ao Silva Jardim. Quantas vezes não frequentei na infância o cine Valparaíso? Verticalizaram São Paulo, os bairros estão horrorosos! - Ernesto Sábato, escritor argentino, fala numa de suas crônicas sobre a volta aos bairros, às boas e velhas tradicções clássicas, os velhos, o padre que não caminha mais pelas ruas e avenidas. Desculpe a minha insolência saudosista, mas a verdade é: quem não tem um passado de memórias jamais entenderá um escritor sdo porte de um Pedro Nava!-, um Sábato, grandes memorialistas do homem, das casas, dos bairros e das recordações da infância e adolesência. Escreva-me, pois estou tentando fazer um artigo para saudar a velha Parada Inglesa... abraços em prêto e branco e de todos os filmes clássicos de um Douglas, de um Bogart, de um Curtis etc...,abraços irmão. Enviado por william hoberg mattos - [email protected]
Publicado em 10/07/2008 olá esqueci de comentar sobre os bailes de carnaval no valparaiso onde eu pude levar os meus filhos para brincar lá tenho as fotinhas deles até hoje é uma pena os nossos filhos não poderem reviver conosco alguns lugares que nós frequentavamos com tanta alegria, ah não podia tb esquecer da pedra grande lá do horto florestal onde a vista da cidade de são paulo é tão bela conheci esse lugar por volta de 1971 tambem com a minha querida família. Mais uma vez parabéns Marcolino e muito obrigado por nos proporcionar esse regresso a tantas recordções maravilhosas Enviado por Maria Aparecida - [email protected]