Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Tucuruvi e arrebaldes Autor(a): Marco Antonio (Marcolino) - Conheça esse autor
História publicada em 21/01/2008

Pouco se fala no Tucuruvi, bairro situado na zona norte da Capital, entre Santana e Jaçanã. Posso falar que, depois de Santana, o Tucuruvi é, ou era, o bairro mais importante da zona norte. Oferecia de tudo aos seus moradores e freqüentadores. Uma ida ao centro da cidade se fazia necessária só em último caso.
A grata surpresa de ler sobre o Tucuruvi veio com o Edson Menezes, no seu “Cine Valparaiso – a maior sala de projeção da América Latina” de 09.10.2007. Não conheço outra crônica que fale deste interessante bairro. Se alguém conhece, por favor...
Ao ler o Edson Menezes e o seu “Cine Valparaiso...”, é impossível, para a gente que freqüentou o Tucuruvi, ficar alheio, frio e não sentir a emoção da nostalgia daqueles anos 60, vividos naquele lugar de São Paulo...
Não morava no Tucuruvi, mas no Parque Edu Chaves. Assim o Tucuruvi era passagem obrigatória para quem precisasse comprar alguma coisa mais elaborada ou um serviço mais raro, ou mesmo para quem ia a Santana ou ao Centro da Cidade. O fato é que os dois bairros onde mais vivi foram o Jaçanã e o Tucuruvi. O Tucuruvi tinha seus encantos. Sempre gostei de cinema, assim os meus refúgios eram o Coliseu, os cinemas do Tucuruvi e os de Santana. Era gostoso, sábado a tarde, pegar o ônibus (Viação Brasiluso) e descer num desses bairros, como também causava um prazer enorme ir a pé ao Coliseu, era perto.
No Tucuruvi existiam 3 cinemas. Começando pelo Valparaiso, que era um cinema independente, às vezes passava filmes lançados pelo Circuito São Paulo Sul (Olido-Rivoli-Marabá-República), por exemplo: El Cid – Ben Hur – Cleópatra – Spártacus -Suplício de uma Saudade – Imitação da Vida, e mais a perder a conta.. Descendo a Avenida Tucuruvi, na altura da Avenida Mazzei, havia outro cinema (Cine Tucuruvi? - não me lembro o nome); nunca entrei neste cinema; por não pertencer a nenhum circuito, exibia filmes antigos. Bobagem minha, tempos depois descobri que filmes como”Casablanca” e “A Marca da Maldade” passaram por lá. Depois, no inicio da Guapira, havia o Cine Fidalgo, que pertencia ao Circuito Serrador (Ipiranga-Rio Branco-Ouro-Astor-Paissandu) e por lá passaram, entre outros: Laurence da Arábia - A Face Oculta - Bonequinha de Luxo - Duelo de Titãs - Matar ou Morrer - My Fair Lady - O Professor Aloprado (o original com Jerry Lewis) - O Meninão - O Cardeal - Candelabro Italiano e tantos outros.
Quanto à polêmica de ser ou não o maior cinema da América do Sul, não vou entrar nessa. Só acho que tanto o Valpa como o meu querido Coliseu eram, sim, os maiores, pois abrigaram milhares de corações e mentes emocionados e encantados. Estes cinemas eram como estrelas de magnitude tal que, mesmo mortas, têm brilhos que ainda chegam até nós. Esta é a grandeza deles.
O prédio do Valparaiso era meio arredondado, a enorme sala de projeção ficava no meio e, em volta, existiam vários tipos de comércios e serviços: auto-escola – farmácia –lavanderia – lanchonete e uma papelaria, que a gente não esquece jamais, era a Papelaria Valparaiso, quanto material escolar não comprei ali?
Existia no Tucuruvi uma das melhores escolas públicas de São Paulo: o Colégio Albino Cezar (Ginásio-Escola Normal-Clássico e Científico). Uma escola de primeira. Meu irmão fez o Cientifico lá. Neste Colégio havia um grupo de Teatro Amador, gente competente e premiadíssima. Lembro da menina que fazia “A Dama das Camélias”, era uma atriz nata. O Albino também patrocinava esportes, campeonatos, atividades mil.
Gastronomia? Ao longo da Avenida Nova Cantareira, havia, em algumas mansões, casas noturnas, o Fred ou Fred era uma delas. Até hoje, não sei se eram restaurantes ou boites. A coisa ficava por conta da nossa fértil imaginação. Os mais puros afirmavam ser restaurantes chiques de comida internacional, proibidos para nós, misteriosos, e que os fondues e flambados eram servidos à luz de velas.Outros, menos ingênuos e com alguns Carlos Zéfiros a mais na cabeça, juravam ser boites e que, lá pelas tantas, as mulheres dançavam um estranha dança e iam tirando a roupa, peça por peça, até ficarem nuas e pulavam na piscina e os homens, com roupa e tudo, pulavam também. Um delírio total!
Havia também o Mercado Municipal que oferecia qualidade nas carnes, verduras, queijos, azeitonas, frutas e flores. Uma maravilha!
Este era o Tucuruvi dos anos 60 e 70. Hoje está tudo mudado. Há anos não vou lá, moro no interior. Tenho certeza que está bem descaracterizado, irreconhecível.
Faço um apelo ao pessoal do Tucuruvi: escrevam sobre o bairro, contem uma história de (des)amor, daquelas que incendeiam o pessoal todo. O Jaçanã... aliás, o pessoal do Tucuruvi esnobava o pessoal do Jaçanã, pois bem, o Jaçanã tem uma turminha que, quase sempre, escreve sobre o bairro. Vamos lá, gente.

e-mail do autor: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/09/2009 nasci na Conego Ladeira, adoro o meu bairro estudei no Silva Jardim, lembro de tudo o que foi; dito nos comentarios abaixo casei com escrevente do cartorio de Tucuruvi, e trabalhei no escritorio do Abreu, que ficava na av Tucuruvi em frente a estação do trem.
Tem também a nossa querida Escola de Samba Tucuruvi, Criei meus filhos em Tucuruvi estudaram no Sao Paulo da Cruz. Amo este bairro
Enviado por Mariza Faccin - [email protected]
Publicado em 28/09/2009 nasci na Conego Ladeira, adoro o meu bairro estudei no Silva Jardim, lembro de tudo o que foi; dito nos comentarios abaixo casei com escrevente do cartorio de Tucuruvi, e trabalhei no escritorio do Abreu, que ficava na av Tucuruvi em frente a estação do trem.
Tem também a nossa querida Escola de Samba Tucuruvi, Criei meus filhos em Tucuruvi estudaram no Sao Paulo da Cruz. Amo este bairro
Enviado por Mariza Faccin - [email protected]
Publicado em 28/09/2009 nasci na Conego Ladeira, adoro o meu bairro estudei no Silva Jardim, lembro de tudo o que foi; dito nos comentarios abaixo casei com escrevente do cartorio de Tucuruvi, e trabalhei no escritorio do Abreu, que ficava na av Tucuruvi em frente a estação do trem.
Tem também a nossa querida Escola de Samba Tucuruvi, Criei meus filhos em Tucuruvi estudaram no Sao Paulo da Cruz. Amo este bairro
Enviado por Mariza Faccin - [email protected]
Publicado em 11/09/2009 ola tudo bem gostei dessa historia estou agora na europa mais gostaria de volta um dia a tucuruvi passei la bons momentos de infancia grato pela historia dessa cidade maravilhosa Enviado por Basilio Araujo - [email protected]
Publicado em 04/09/2009 Moro no Tucuruvi há décadas e estudei no Colegio Albino Cesar, onde inclusiva praticava natação e vôley. Eram tempos maravilhosos. Eu tinha um professor chamado "Roma", era muito rígido com todos....saudades. Fui sócia do ACRE CLUBE, localizado no que é hoje o Bairro Jardim França, e andei muito a pé pelo Tucuruvi, Cine Valparaizo, Papelaria Valparaízo, e no Colegio Silva Jardim (Av. Tucuruvi) minha mãe foi professora primária e secundária durante muitos anos. Fiz muitos amigos. Saudades.... Enviado por Rosanna - [email protected]
Publicado em 17/05/2009 Peco licenca a todos para escrever neste blog, eu nao sou paulistano nem sequer brasileiro, aproveito para pedir desculpas pelos erros de escrita que possa cometer. Acontece que estudei um ano no Celegio Albino Cesar no 1992, no Centro de Linguas que ali tinham nao no ginasial e foi um momento luminoso na minha vida. Gracas a maravilha da internet fico sabendo que o Albino é ou era um colegio muito prestigioso em Sao Paulo. Sou uruguaio morei em Sampa e faz muitos anos voltei a Enviado por Favio Fernández - [email protected]
Publicado em 02/05/2009 nasci no bairro do tucuruvi 1965, no hospital santo antonio, morava na rua william harding 449, onde vivi lá até 1977, quando meu pai faleceu e nossa família mudou para guarulhos onde vivo até hoje. Tenho muitas saudades do bairro, da venda do seu armando na william harding, da venda do seu tola, do campinho de futebol, do terreno da casa da adelaide, dos amigos e amigas de infancia, do centro espírita onde nós éramos lobinhos e escoteiros. Enfim, uma página bonita da minha vida. Enviado por luiz carlos - [email protected]
Publicado em 02/05/2009 ola marco, tudo bem? gostaria de saber se o seu tcc esta publicado em algum lugar na internet, gostei da historia e gostaria de saber mais sobre a transformacao na rua harding... Enviado por pedro - [email protected]
Publicado em 14/04/2009 Eu Marli nasci no Tucuruvi foi criada nesse cidade , dancei no valparaiso o carnaval,estudei no Silva Jardim, no Hospital Sto.Antonio, hoje na onde e `Prefeitura era um casarão do Fidalgo e tinha um Coreto e a Banda tocava eu dançava, estudei e minha mae Lourdes morava desde solteira e Casou na Igreja da Av.Mazzen, tenho saudades do Carnaval de Rua no Tucuruvi o Trem , gostaria muito que o Tucuruvi voce como era antes, tinha Fábrica do Café Tiradentes e outras coisas, hoje moro em Guarulhos Enviado por marli godoy - [email protected]
Publicado em 10/04/2009 tenho 32 anos sei que nao tenho muita coisa para falar mas guardo lembranças inesqueciveis do tucuruvi quando brincava no parquinho da avenida nova e do famoso silva jardim alias morro de saudades de uma professora de ingles Clara e Railda de matematica e dos famosos desfiles do 07 de setembro na avenida beijos vane Enviado por vanessa - [email protected]