Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Tucuruvi e arrebaldes Autor(a): Marco Antonio (Marcolino) - Conheça esse autor
História publicada em 21/01/2008

Pouco se fala no Tucuruvi, bairro situado na zona norte da Capital, entre Santana e Jaçanã. Posso falar que, depois de Santana, o Tucuruvi é, ou era, o bairro mais importante da zona norte. Oferecia de tudo aos seus moradores e freqüentadores. Uma ida ao centro da cidade se fazia necessária só em último caso.
A grata surpresa de ler sobre o Tucuruvi veio com o Edson Menezes, no seu “Cine Valparaiso – a maior sala de projeção da América Latina” de 09.10.2007. Não conheço outra crônica que fale deste interessante bairro. Se alguém conhece, por favor...
Ao ler o Edson Menezes e o seu “Cine Valparaiso...”, é impossível, para a gente que freqüentou o Tucuruvi, ficar alheio, frio e não sentir a emoção da nostalgia daqueles anos 60, vividos naquele lugar de São Paulo...
Não morava no Tucuruvi, mas no Parque Edu Chaves. Assim o Tucuruvi era passagem obrigatória para quem precisasse comprar alguma coisa mais elaborada ou um serviço mais raro, ou mesmo para quem ia a Santana ou ao Centro da Cidade. O fato é que os dois bairros onde mais vivi foram o Jaçanã e o Tucuruvi. O Tucuruvi tinha seus encantos. Sempre gostei de cinema, assim os meus refúgios eram o Coliseu, os cinemas do Tucuruvi e os de Santana. Era gostoso, sábado a tarde, pegar o ônibus (Viação Brasiluso) e descer num desses bairros, como também causava um prazer enorme ir a pé ao Coliseu, era perto.
No Tucuruvi existiam 3 cinemas. Começando pelo Valparaiso, que era um cinema independente, às vezes passava filmes lançados pelo Circuito São Paulo Sul (Olido-Rivoli-Marabá-República), por exemplo: El Cid – Ben Hur – Cleópatra – Spártacus -Suplício de uma Saudade – Imitação da Vida, e mais a perder a conta.. Descendo a Avenida Tucuruvi, na altura da Avenida Mazzei, havia outro cinema (Cine Tucuruvi? - não me lembro o nome); nunca entrei neste cinema; por não pertencer a nenhum circuito, exibia filmes antigos. Bobagem minha, tempos depois descobri que filmes como”Casablanca” e “A Marca da Maldade” passaram por lá. Depois, no inicio da Guapira, havia o Cine Fidalgo, que pertencia ao Circuito Serrador (Ipiranga-Rio Branco-Ouro-Astor-Paissandu) e por lá passaram, entre outros: Laurence da Arábia - A Face Oculta - Bonequinha de Luxo - Duelo de Titãs - Matar ou Morrer - My Fair Lady - O Professor Aloprado (o original com Jerry Lewis) - O Meninão - O Cardeal - Candelabro Italiano e tantos outros.
Quanto à polêmica de ser ou não o maior cinema da América do Sul, não vou entrar nessa. Só acho que tanto o Valpa como o meu querido Coliseu eram, sim, os maiores, pois abrigaram milhares de corações e mentes emocionados e encantados. Estes cinemas eram como estrelas de magnitude tal que, mesmo mortas, têm brilhos que ainda chegam até nós. Esta é a grandeza deles.
O prédio do Valparaiso era meio arredondado, a enorme sala de projeção ficava no meio e, em volta, existiam vários tipos de comércios e serviços: auto-escola – farmácia –lavanderia – lanchonete e uma papelaria, que a gente não esquece jamais, era a Papelaria Valparaiso, quanto material escolar não comprei ali?
Existia no Tucuruvi uma das melhores escolas públicas de São Paulo: o Colégio Albino Cezar (Ginásio-Escola Normal-Clássico e Científico). Uma escola de primeira. Meu irmão fez o Cientifico lá. Neste Colégio havia um grupo de Teatro Amador, gente competente e premiadíssima. Lembro da menina que fazia “A Dama das Camélias”, era uma atriz nata. O Albino também patrocinava esportes, campeonatos, atividades mil.
Gastronomia? Ao longo da Avenida Nova Cantareira, havia, em algumas mansões, casas noturnas, o Fred ou Fred era uma delas. Até hoje, não sei se eram restaurantes ou boites. A coisa ficava por conta da nossa fértil imaginação. Os mais puros afirmavam ser restaurantes chiques de comida internacional, proibidos para nós, misteriosos, e que os fondues e flambados eram servidos à luz de velas.Outros, menos ingênuos e com alguns Carlos Zéfiros a mais na cabeça, juravam ser boites e que, lá pelas tantas, as mulheres dançavam um estranha dança e iam tirando a roupa, peça por peça, até ficarem nuas e pulavam na piscina e os homens, com roupa e tudo, pulavam também. Um delírio total!
Havia também o Mercado Municipal que oferecia qualidade nas carnes, verduras, queijos, azeitonas, frutas e flores. Uma maravilha!
Este era o Tucuruvi dos anos 60 e 70. Hoje está tudo mudado. Há anos não vou lá, moro no interior. Tenho certeza que está bem descaracterizado, irreconhecível.
Faço um apelo ao pessoal do Tucuruvi: escrevam sobre o bairro, contem uma história de (des)amor, daquelas que incendeiam o pessoal todo. O Jaçanã... aliás, o pessoal do Tucuruvi esnobava o pessoal do Jaçanã, pois bem, o Jaçanã tem uma turminha que, quase sempre, escreve sobre o bairro. Vamos lá, gente.

e-mail do autor: [email protected]

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/06/2010 ..oi sou eu de novo...rrsrs, o espaço foi pequeno pra eu falar mais...morei na rua aragão por sete anos e frequentei muito as quermesses da igreja Jose Menino? ali na mazzei com correio elegante, cadeia..tempos maravilhosos! Silvana e Marta minhas amigas de adolescencia KD Vcs ?!! Hoje moro em Guarulhos e amei ler os comentários sobre essa época inesquecível. Bjos à tds !! Enviado por Márcia - [email protected]
Publicado em 07/06/2010 Li um comentario de Miguel Ruiz, também morei no tucuruvi e tinha um amigo com esse nome. Será ...? Enviado por Luiz Marchetti - [email protected]
Publicado em 03/06/2010 Nossa que saudades senti lendo tudo isso nasci em Tucuruvi em 1960, vivi la ate 1985, mas sempre estou por la, pois ainda tinho amigos.muitas saudades Enviado por Simone - [email protected]
Publicado em 03/06/2010 Marcolino, que saudades, ao ler os depoimentos abaixo, nossa me lembrei de muita gente, estudei almenaide Braga de Queiroz 1967, fui para Silva Jardim fiquei la ate 1976 e fui para ESAG, lembro-me casarão, Valparaiso, a Turma do Canal, os bailinhos de garagem....que saudades dos meus amigos, cada um seguiu seu destino,mas fica a lembranca, saudade o carinho, gostaria muito de me comunicar com pessoas que lembrarem de mim, fiz parte C.Civico com João Kleber tb.toquei fanfarra Silva, mandem notic Enviado por Simone - [email protected]
Publicado em 24/05/2010 Marco Antonio, vc tem razão, eu também morei na Rua Borges (final da Av. Tucuruvi c/ inicio da Guapira ) e mudei para Sorocaba em 1974 e nunca mais voltei lá. Que tempo bom !!! Enviado por Arlindo Fidencio - [email protected]
Publicado em 17/05/2010 tucuruvi tudo de bom pena k acabou osdesfile das escolas de samba na mazzei adorava tudo nen precisava pagar pra ver pra ve o povo samba Enviado por micimeide b .silva - [email protected]
Publicado em 17/05/2010 tenho saudade de grandes amigos que conheci do no querido bairro do tucuruvi,douglas neves brandao,margarido antonio,canhoto as vezes nos encotramos no mercado distrital do tucuruvi,walter martelota,gostaria de saber como vao todos voces.um forte abraço a todos. Enviado por pedro f.oliveira - [email protected]
Publicado em 17/05/2010 tenho saudade de grandes amigos que conheci do no querido bairro do tucuruvi,douglas neves brandao,margarido antonio,canhoto as vezes nos encotramos no mercado distrital do tucuruvi,walter martelota,gostaria de saber como vao todos voces.um forte abraço a todos. Enviado por pedro f.oliveira - [email protected]
Publicado em 09/05/2010 eu moro no tucuruvi Enviado por silvana serio silva - [email protected]
Publicado em 05/05/2010 Teria muito o que comentar. Tive o prazer de morar na Rua Rosa Maria por catorze anos, de 1966 a 1980. Tenho 52 anos, e muitas lembranças maravilhosas do Bairro. Que Bairro. Muita nostalgia. Enviado por Saulo Dias - [email protected]