Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Carrocinha de Sorvete e Carrinho de Raspadinha Autor(a): Agostynho - Conheça esse autor
História publicada em 10/12/2007
Não tinha jeito, toda sexta-feira era a mesma coisa, quando garoto, com 9 a 11 anos, mais ou menos, a diversão era trabalhar na feira. Logo cedo ia carregando água para o moço que vendia peixinhos ornamentais que enchiam nossos olhos de admiração, devido à variedade de cores e formas, carregava água tirada no registro de umas das casas da Rua Sergipe, próximo ao Cemitério da Consolação, que sufoco carregar água naquela lata retangular, onde eram vendidos os biscoitos Jacareí, lembram-se desta marca? Das 8:00 até as 11:30 o trabalho era carregar as sacolas das senhoras que faziam compras na feira, na época não havia tabela, as pessoas davam quanto elas achavam que deviam e podiam pagar, as vezes saía uma ou outra discussão em relação ao pagamento, mas nada que não tivesse boa solução. Parte do dinheiro conseguido com nosso suor era guardado para o cinema de domingo nos Cines Trianon, Ritz, Rio e Astor, os dois no Conjunto Nacional, e outra parte era para comprar sorvete depois da feira.
Quem não se lembra do homem que vendia sorvete na carrocinha, aquele que vendia sorvete em uma carrocinha puxada a cavalo, carrocinha que tinha cobertura de proteção do sol, bege com acabamento vermelho, que ficava na porta do Mackenzie e nos dias de feira da Rua Mato Grosso, ao lado da barraca de peixes? Acho que era Roberto o nome dele, na época não havia pastel de feira, então nós íamos gastar parte de nosso dinheiro na carrocinha de sorvete, detalhe: o sorvete era de massa e com casquinha, por sinal, muito gostoso. Quem não tinha a grana para o sorvete ia choramingar com o homem que vendia raspadinha, era um carrinho caindo aos pedaços. Tinha uma bancada onde ficava a barra de gelo e acima da banca havia um suporte onde ficavam os litrões de boca para baixo com os sabores da raspadinha que junto com o gelo fizeram parte da minha infância e da de muita gente.

e-mail do autor: [email protected] E-mail: [email protected]
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/12/2007 Olá seu Agostinho!!!! eu me lembro muito bem dessa carrocinha de sorvetes, ele andava tambem lá na Vilinha Canto do Rio , na Brigadeiro Luiz Antonio 3552, aparecia lá uma vez por semana e era uma tremenda alegria para a molecada que alí morava.Todo mundo tinha uma notinha amarela de CR$ 2,00 para pagar o sorvete. Eu mesmo cercava meu avô,na volta do almoço dele, para lhe pedir essa graninha para comprar o tal sorvete de massa, que o cara vendia .
Minha turminha , só não gostava quando o cavalo dele ``descarregava os tanques´´e deichava o local todo sujo e cheirando mal, pois alí era o lugar que a gente se encontrava diariamente para bater uma bolinha de tarde, a famosa ``PELADA´´
Enviado por Celso - [email protected]
Publicado em 11/12/2007 Um bom começo de vida, Agostynho, defender uns cobres na feira livre. Também a mim deu bons resultados onde conheci minha eterna namorada que está casada comigo até hoje, 51 anos depois.
Parabens
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - [email protected]
Publicado em 11/12/2007 Agostynho
No meu tempo lá no Largo do Rosário na Penha,havia um carrinho que vendia uma raspadinha deliciosa! Era parada obrigatória nos finais de semana.
Lembro tb que um dos meus irmãos começou como ajudante de feira e hoje é um empresário.
Um abraço / Bernadete
Enviado por Bernadete P Souza - [email protected]
Publicado em 10/12/2007 AlÕ Agostynho, eu também fui um bom consumidor das famosas "raspadinhas, no meu bairro o vendedor tinha um carrinho até bem arrumado, ficava na porta da escola, boas lembranças da nossa infância, abraços, Leonello.- Enviado por Leonello Tesse (Nelinho) - [email protected]
« Anterior 1 Próxima »