Boneca do café

De origem humilde, morava na casa dos fundos

de uma borracharia, no bairro da Chácara Santo Antonio.

Mulata alta, sorridente, simpática,

no desfile de samba ela empolgava.

Rebolava, dançava, jogava seu charme e beleza

nas passarelas e bailes da cidade.

Brincos enormes, corpo escultural,

atraia olhares intermitentes,

era a alegria do pedaço.

Todos queriam chegar perto daquela beleza.

Sempre bem arrumada, impecável.

De personalidade firme, não passava despercebida.

Premiada, virou boneca do café.

Espalhou encanto, sedução

e muitos suspiros da multidão.