Foto: Jose Cordeiro/SPTuris

Brás

No centrão da terra da garoa

De janelas para a rua

Velhos na praça, à toa

Casarões no tempo tatua

Desta ou aquela pessoa

A história… e a vida continua

Os moleques, descalço o pé

De juventude nua

O boteco de seu Josephe

De outrora, tão fugaz!

O ambulante vende leque

A italianada em cartaz

Nas cantinas, nos bares

Aqui é o Brás!

Terra de todos os lugares…

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado

02/04/2020, 12’58” – Brás, São Paulo