Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Rua Anchieta - Dr. Antônio Bento Autor(a): Carioca - Conheça esse autor
História publicada em 17/04/2015
Entre as ruas Anchieta e Dr. Antônio Bento...
 
Ali minha Adolescência ficou registrada.
 
Estudei meu primário na Escola Agrupada Municipal Prof. Linneu Prestes. Foi na década de 60, em que vivi junto a pequenos amigos, como o Bráz. 
 
Recebemos a nossa educação estudantil com a Professora Maria Aparecida de Fátima Bernades. A Dona Cida, como era chamada, era quem zelava por nosso comportamento na formatura e recreio.
 
Tinha lá um pequeno palco onde montei e dirigi uma peça, fiz dublagens (onde me apelidaram de Rita Pavone dos pobres), porém a imitação foi da Millie Small - My Boy Lollipop (1964).
 
Muito nos divertíamos... Ganhei fãs e distribuí autógrafos...
 
Doce lembrança de uma época onde éramos felizes e não sabíamos. Que saudades!
 
E-mail: wolneybsantana@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/04/2015

Muito boa pergunta Modesto,voce levanta uma tese muito importante quanto a identidade de quem escreve e não se dá conta de que a pessoa que lê precisa estar sabendo o sexo, se o nome dele ou dela tiver sentido duplo ou for unisex .

Eu optei por não citar ele ou ela, mas as vezes não dá para se espressar sem saber a quem está sendo feito o comentário.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 24/04/2015

Boas lembranças tem o papel de alimento, para vivermos o presente. Tem pessoas próximas que não gostam quando repetimos coisas do passado, que pena! Será que a gente repete demais? Rs. Mas um dia poderão fazer o mesmo. É bom lembrar de coisas boas, como estas que você mencionou por exemplo. A voz de Rita Pavone ficou para sempre, nas pessoas daquela época. Eu não lembro de nome de meus professores, que pena. Sinto inveja (no bom sentido) quando observo alguém mencionando os nomes e matérias.

Enviado por Marina Moreno Leite Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 23/04/2015

Carioca, com certeza é uma mulher, você deve ter se saído bem na imitação, deu até autógrafos! parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 22/04/2015

Em primeiro lugar, Carioca é codinome feminino ou masculino? Deve ser feminino pois, imitando Rita Pavone só pode ser "mulher". Na mensagem da SPMC vem: "Conheça esse autor". Eu queria saber como o colega Marquezin chama a autora (ou autor) de "VERINHA" se esse nome não consta na narrativa? O nome do e-mail começa com "wolney", nome de homem. Afinal, qual é seu nome e seu sexo?

Puxa, é tão simples colocar seu nome... Em todo caso, parabéns, incognita.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 17/04/2015

Saudades, palavra doce e amarga ao mesmo tempo,doce porque nos traz a imagem da pessoa querida, amarga porque talvez ela já não nos pertence mais, mas sempre é saudade, esta palavra está errada não deveria existir, quem tem saudade tem alma tem coração, infeliz é aquele que nunca sentiu saudade, obrigado Verinha por me fazer sentir saudade novamente, beijos

Marquezin.

Enviado por João Marquezin - joaomarquezin@yahoo.com.br
Publicado em 17/04/2015

Rita Pavone marcou minha pré adolescência e tem músicas inesquecíveis "Mio Cuore"e "Da-te-me um Martelo" são folclóricas no começo dos anos 60.

Mas Millie Small teve seu estrondoso e rápido sucesso e eu adorava...

Escreva mais e mate as saudades daquele tempo.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »