Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Conversa mole Autor(a): Nelinho - Conheça esse autor
História publicada em 13/03/2015
Com certeza, dirão que o que ora escrevo é do tempo "Em que se amarrava cachorro com linguiça", mas, como dizia meu avô cada um "Amarra o Burro onde lhe convier". 
 
Nesta época de chuvas intensas é que "Gato escaldado tem medo de água", diante do calor descomunal que atinge nossa São Paulo. 
 
É muito comum no trânsito, ocorrerem discussões "Por da cá aquela palha", por isso é que "Paciência e caldo de galinha não faz mal a ninguém" e "Quem saí na chuva é prá se molhar".
 
No Natal, costumamos receber presentes, muitos deles não são de nosso agrado, mas "Em cavalo dado não se olha os dentes" e se na ceia de Natal ocorrer um atrito entre um casal lembre-se que "Em briga de marido e mulher ninguém deve meter a colher”.
 
Deixar o filho pequeno chorar, esperando que alguém da família venha em seu socorro, pode ser que se ouça "Quem pariu Mateus, que o embale". 
 
E se a discussão continuar, a dona da casa pode dizer que "Isto aqui não é a casa da sogra"...
 
Não censure o tio idoso, viúvo, que está de namoro com uma vizinha pois "Sempre há um sapato velho para um pé cansado". Mas é bom prevenir o velho e dizer a ele que quem "Brinca com fogo pode se queimar", por isso deve por "as barbas de molho". 
 
Se um outro da família quiser aplicar um golpe, é bom dizer que "enquanto ele vai com o milho eu já estou de volta com a farinha". 
 
Procure sempre falar a verdade, pois "a mentira tem perna curta" e nunca diga "dessa água não beberei"...
 
Pois nunca se sabe o dia de amanhã, já que "o futuro a Deus pertence" e pode ser que tenhamos que comer "o pão que o diabo amassou" e, com esse tempo de seca esperamos ansiosamente o tempo em que "muita água há de correr por baixo da ponte". 
 
O alfaiate com certeza dirá que a situação dará "muito pano para manga" ou aquele que "uzeiro e vezeiro" em fazer falcatruas é como o "cesteiro que faz um cesto, faz um cento". 
 
Como todos, eu espero um dia poder gritar bem alto: "sol e chuva, casamento de viúva" ou "chuva e sol, casamento de espanhol", pois está faltando água e como as coisas não andam boas é bom "ficar com um olho no peixe e outro no gato".
 
Mas isso "são outros quinhentos" e não devemos "cutucar a onça com vara curta". Se não tomarmos cuidado o "castigo vem a cavalo"...
 
Acho que por hoje basta de "conversa mole pra boi dormir" mesmo porque na "vida tudo é passageiro, menos o cobrador e o motorneiro". Vamos pois "colocar uma pedra em cima" até a próxima narrativa.
 
E-mail: lt.ltesser@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/03/2015

Nelinho mais uma vez voce provoca mil e umas lembrancas dos nossos velhos tempos. Eu quando fui taxista em Sao Paulo ouvia sempre mais um ditado mais uma nova piada quase que diariamente, pois lidava com o publico . E como era gostoso aquele tempo . Hoje nao e a mesma coisa os jovens de hoje sao diferentes. E de vez em quando pego o smart-phone do meu filho para acompanhar as bobagens que se fala nessas redes sociais.Ainda hoje lembro das velhas piadas que continuam a nos fazer rir.Mas quanto aos velhos ditados tenho alguns para completar a sua fantastica lista: "Nao a mal que sempre dure! Nem bem que nao se acabe" e "Quem dorme no mesmo colchao se torna da mesma opiniao" "E melhor um na mao que dez voando" "Deus sempre da o frio conforme o cobertor" " Nunca deixes para amanha o que podes fazer hoje" "Deus me guarde dos bois mansos , porque dos bravos eu me guardarei" De medico poeta e louco todos nos temos um pouco" Duro com duro nao faz bom muro". E esta ultima vai servir para o nosso Site que anda tao devagar nestes ultimos tempos "Um e pouco dois e bom.... tres... ou quatro... ou dez nunca seria demais"ah...ah...ah..que saudades dos velhos tempos em que abriamos o nosso Site diariamente e encontravamos inumeras cronicas ...uma melhor que a outra para deliciar.Espero que um dia desses a gente volte a ter esse prazer outra vez. Nelinho parabens por mais essa deliciosa cronica nos lembrando do passado. Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 18/03/2015

Nelinho, sei não, mas o meu avô costuma modificar um pouco os prevèrbios. Um dia tomo coragem e conto aqui, assim como você fez.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 18/03/2015

Nelinho: Ótimo texto: tem outra do velho Matheus: "futebol é uma caixinha de fósforo ninguém sabe o que tem dentro". É mole!

Abc.

Enviado por Heitor Iório - hiorio@imjm.com.br
Publicado em 17/03/2015

A gente conversa, e quem bate papo é jacaré!!! - Velho é trapo, tenho 94 anos e sou muito usado!!!

Enviado por TANGERYNUS - tangerynus@gmail.com
Publicado em 17/03/2015

PARABENS NELINHO PELAS FRASES HISTORICAS.

O MEU TIO DIZIA< O CEMITERIO E A CASA DE TODOS. QUEM CHEGAR PRIMEIRO QUE ESPERE.

OU CADA UM DESCE DO BONDE COMO QUER.

OU O PEIXE MORRE PELA BOCA,

AGUA MOLE EM PEDRA DURA,TANTO BATE ATE QUE FURA,

VALEU,,

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 16/03/2015

Aí, Nelinho, vá em frente porém, não esqueça que "se a pedra é dura, tanto bate até que fura" e não adiante fugir, "se correr o bicho pega, se parar o bicho come" e tem ainda, se vc fizer um doce, seja benevolente, pois "o bom bocado é pra quem o come e não pra quem o faz". Não fique triste, meu amigo, que "tristezas não pagam dívidas" pois "pimenta nos olhos dos outros é colírio nos seus" e fique com meu forte abraço, com meus parabéns.

Laru

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 14/03/2015

Texto agradável de ler, nos remete às frases pronunciadas pelos nossos avós, nossos pais que dão um sentido às coisas. Permanecem até aos dias de hoje na boca do povo, enfim precisamos tomar cuidado para não "morrer pela boca", afinal "boca fechada não entra mosquito".

Enviado por Samuel de Leonardo - samuel.leo@hotmail.com.br
Publicado em 13/03/2015

Ótimo, Nelinho. O meu pai, que também era do Ipiranga, usava muito algumas dessas expressões. Já o meu marido, meio esquecido, um dia, chamando a atenção do nosso filho sobre alguns cuidados que o mesmo deveria ter, simplesmente declarou: "filho, paciência e frango não faz mal"... o que fazer? Abraços.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 13/03/2015

Este é meu amigo e companheiro de muitas rodadas de redondas. Meu amigo,é como diz o velho "deitado" Deus ajuda a quem cedo madruga...por isso, mesmo não sendo corinthiano te digo uma máxima do velho Matheus: Quem sai na chuva é prá se molhar...

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 13/03/2015

parabens Nelinho, muito bem colocado os dizeres que fazem parte das nossas vidas, é bom tambem ver que nossos costumes não estão se perdendo atraves dos tempos, tudo isto que voce escreveu na verdade não é "conversa mole" pois é com este tipo de papo, que se resolve muitos casos.Marquezin Abraços.

Enviado por João Marquezin - joaomarquezin@yahoo.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »