Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Alforria dos Vira Latas Autor(a): junior - Conheça esse autor
História publicada em 15/01/2015
Este fato ocorreu em 1968, no bairro de Santana, no Clube Bochófilo São Pedro, situado na Rua Alfredo Pujol, 905.
 
Nesta época, este clube de bocha era frequentado pela maioria dos jogadores da zona norte, mas também encerrava em seus bastidores, lá na surdina, um belo clube de carteado.
 
Um de seus maiores e mais assíduos frequentadores e manda chuva mór era o General Landi, veterinário do CPOR reformado (daqueles de 4 estrelas), que mandava no pedaço e não tinha pra ninguém. Era a maior autoridade do pedaço.
 
Seu visual era muito marcante e descontraído, zarolho, tinha deficiência visual em um dos olhos, sempre com uma boina de feltro, pois era careca, seu cigarrinho de palha no canto da boca, mesmo que apagado e seu inseparável mascote, um vira lata.
 
Sempre usando um camisão fora da calça, pois por baixo escondia na cintura seu famoso "45", que não poderia estar chamando a atenção.
 
Pois bem, em uma tarde de sábado estávamos nós reunidos, tomando umas brejas geladas no boteco do Píxinin, dentro do clube, quando percebemos uma movimentação lá fora. Muito falatório e gritos. Corremos para lá pra ver o que poderia estar acontecendo e nos deparamos com uma cena bucólica.
 
Era uma carrocinha da prefeitura (daquelas que pegavam cachorros de rua) que havia apreendido o mascote do general (o vira lata que não entrava no clube e ficava dormindo na porta enquanto seu dono jogava seu carteado). Pronto a confusão estava formada...
 
Os laçadores da prefeitura já tinham pego o vira lata e colocado dentro do caminhão, e o povo do pedaço interferindo com o famoso "solta, solta" e os incautos funcionários da prefeitura não podiam imaginar o que estavam arrumando pra suas cabeças.
 
De repente alguém falou: “Chama o general”. Pronto, pra que?! 
 
Lá veio o general e com toda sua autoridade bradou: “Soltem meu cachorro!!!” 
 
E os bravos servidores insistiam em não liberar o pobre animal, já enjaulado, alegando que ele não tinha a famosa licença.
 
Começou o bate boca. Em um determinado momento, o general Landi perdeu sua paciência, sacou da sua "45" e bradou: “Solta meu cachorro ou vai virar merda”. 
 
Os catadores arregalaram os olhos e não tiveram outra alternativa. Abriram a portinhola do caminhão para soltar o dito vira-lata, só que, diante do nervosismo, descuidaram-se e a porta abriu demasiadamente. 
 
Os cachorros que estavam presos, mais ou menos uns 8 vira latas, escapuliram. Saíram todos e ai foi uma festa total... gritos de “urra” e muita risada. Os bichos sairão correndo pela rua afora.
 
Os laçadores ficaram boquiabertos sem ação e foram embora com sua carrocinha vazia.
 
Mais uma vez o general virou herói no pedaço e voltou pro seu carteado das tardes de sábado.
 
Esta é uma das muitas historias do meu pedaço de Santana. Muitas saudades.
 
E-mail: lourencocamargo@bol.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/01/2015

Meu avô, Julio loureiro, que também era militar do exercito e também já aposentado nesta época, era assíduo frequentador deste carteado e grande amigo do general.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 16/01/2015

Junior, como é bom lembrarmos dos momentos marcantes que ocorreram em nossos bairros, com certeza o "argumento" que o general tirou da cintura foi bem convincente, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 16/01/2015

Lourenço, sobre o "heroísmo" do "general", armado, há, evidentemente, controvérsias. Valentões desse naipe existiam (ou ainda existem)em quase todos os bairros. Mas, não deixam de fazer parte do folclore popular, enriquecendo as memórias dos vários bairros da nossa querida cidade. Sua crônica está muito boa, Camargo. Parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 16/01/2015

Todos nós desta época lembramos da carrocinha... e olha que nem existia tantos cães abandonados assim, será que agora isto funcionaria???precisaria de milhares de carrocinhas para recolher milhares de cães e depois de recolhidos colocariam aonde???

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 15/01/2015

Feliz para toda a cahorrada que se livraram de serem executados e virar sabão como diziam antigamente.

Abraços.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »