Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias A Revolta do Joãozinho com o Papai Noel Autor(a): João Felix - Conheça esse autor
História publicada em 24/03/2015
Querido Papai Noel, acredito que deves estar surpreso com essa cartinha que lhe escrevo hoje dia 26 de Dezembro. Bom, eu gostaria muito de esclarecer algumas coisas que ocorreram no começo deste mês de dezembro, quando cheio de sonhos e ilusões, eu lhe escrevi minha cartinha... Eu lhe pedia uma bicicleta, um trenzinho elétrico, um par de patins, e um uniforme do meu querido Timão com a camisa 9 do Guerreiro. Eu juro por Deus que eu quase destruí meu cérebro, estudando o ano inteiro.
 
Eu não só fui o primeiro em minha classe, como foi o que tirou as melhores notas de toda a minha escola. Eu não vou lhe mentir, ninguém em toda a vizinhança do meu bairro, o Tatuapé, se portou melhor que eu. Fui sempre amável com meus progenitores, meus irmãos, meus amigos, e todos meus vizinhos. Eu cheguei a ser menino de recados para ajudar o próximo, e cheguei a ajudar idosos atravessar as ruas e avenidas. Sinceramente não houve nada ao meu alcance que eu não fiz pelo meu próximo.
 
Que coragem você teve... Seu gorducho vestido de vermelho! De me deixar um apito estropiado de juiz de futebol, um par de meias horríveis, que eu teria vergonha de sair na rua com elas nos meus pés, e um ioiô verde e branco que mesmo que eu quisesse não poderia entrar no Parque São Jorge com ele sem o perigo de ser linchado.
 
Eu não imagino o que você estava pensando quando fez isso comigo, seu gorducho que só anda de charrete, e me fez passar de idiota o ano inteiro estudando como um burro e depois deixar essas coisas inúteis embaixo da minha árvore de Natal.
 
E como se isso não fosse o bastante, você deu tantos presentes para o filho do meu vizinho do andar de baixo que só anda com seu tablete para cima e para baixo e nunca o vejo estudando, foram tantos que eles nem podia se locomover no seu quarto.
 
Espero no ano que vem, poder me vingar de você, e quando você estacionar a sua charrete na porta do meu prédio na madrugada do dia 24, estarei esperando do lado de fora e vou espantar as renas para que elas voltem sem você e assim você terá que caminhar até o Pólo Norte. Como eu que terei agora de andar até a escola, pois não ganhei minha bicicleta como esperava.
 
Sinceramente e muito magoado, Joãozinho.
 
E-mail: jfvilanova@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 31/03/2015

Pois é João,existem alguns comentários de brincadeiras em hora séria...

A tristeza desta realidade,não deveria sobrar espaços para deboches se pensassem o quanto esta realidade é dolorida...Só me resta te dizer: "PAI PERDOAI,ELES NÂO SABEM O QUE FALAM...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 26/03/2015

Pois é, João, a gente se esfola a vida toda querendo ser o melhor, se tornar uma pessoa querida e respeitada pelas boas ações, mas... de repente... a vida tem disso com uma frequência que não é nem bom falar. Um abraço e parabéns pela sua criatividade.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 25/03/2015

Um fator muito importante vc esqueceu de mencionar, Joãozinho, as meias eram de que cor?, pra serem horríveis só poderiam ser brancas com listas pretas (ou vice-versa). O io-iô verde era pra vc se certificar de que tudo que vai, volta, num elegante estojo esmeraldino. Sabe por que o vizinho do andar de baixo ganhou muitos presentes? porque ele era sampaulino, igual ao papai-noel, todo vestido de vermelho. No próximo ano ele vai vir de Masserati ou Ferrari, não tem mais renas. Se vc se comprometer a torcer pro verdão, LitleJonh, prometo te arrumar um jogo novinho da farda olivácea.

Aí, fratelo, Giovanni, que belo retorno as priscas éras de nossa infância, hein? Estimo conversar com vc, Felix, significa que vc está bem melhor de saúde, um abraço forte a vc e toda sua família. Parabéns.

Laru.

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 25/03/2015

É João, nem sempre o danado atende o que a gente pede. Mas pelo menos, no que diz respeito ao seu, ao meu, ao nosso querido Timão, até que ele tem sido bonzinho.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 24/03/2015

Felix, compreendo sua revolta com o Papai Noel, mas nem sempre nossos pedidos são atendidos, eu também sentio mesmo que você na infância, familia pobre, lutando com dificuldade,quando recebíamos um brinquedo era motivo de festa, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 24/03/2015

Esta é para a gente chorar...nada para se dizer depois de uma história de vida tão cruel e que a gente sabe que é tão real para milhares de crianças que não merecem passar por isso...

Ah!!! Papai Noel quanta dor e tristeza de muitas crianças o Sr carrega naquele trenó ofuscado pelo brilho e glamour da felicidade de outras...

Confesso que durante o mês todo do Natal meu coração chora...Tenho um nó na garganta que aperta a cada dia e a cada história...

Não adianta dizer que a culpa é dos pais que tem filhos sem poder cuidar,ou pais omissos e marginais ou mães relaxadas e preguiçosas,não adianta dizer que a família não presta etc...etc... CRIANÇA È CRIANÇA EM QUALQUER LUGAR e nenhuma criança merece este presente de NATAL.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 24/03/2015

Felix, mais uma do terrível Joãozinho, que nessa história personifica a figura de muitos meninos que no Natal passam em branco, sem nenhum presente e você descreveu bem a realidade, parabéns, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 24/03/2015

Joãozinho, tenho certeza que o Papai Noel viu todo o seu empenho. Acredito que ele ficou com receio de dar a bicicleta para você pois depois você criaria asas com elas.

Foi isto que aconteceu com meu irmão, o qual inclusive recebeu o nome NOEL ao nascer.

Bicicleta foi e é o sonho de muita criança, foi inclusive protagonista de campanhas publicitárias famosas, mas esqueceram que as crianças ficariam grandes e necessitariam de pistas seguras para pedalar. Acho que o Papai Noel de sua casa sabia disto.

Enviado por Marina Moreno Leite Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 24/03/2015

Felix: você nem imagina quantos Joãozinho não se desiludem com Papai Noel no mundo todos os anos.

Parabéns pelo conto.

Heitor

Enviado por Heitor Iório - hiorio@imjm.com.br
« Anterior 1 Próxima »