Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Vide Bula Autor(a): Samuel de Leonardo - Conheça esse autor
História publicada em 06/04/2015
Desde criança, assim que fui apresentado às primeiras letras, tenho muito apreço pela leitura. Uma das primeiras coisas que li, bem antes da Cartilha Sodré, aquela concorrente da Caminho Suave, foi o Almanaque do Biotônico Fontoura que trazia as aventuras do Jeca Tatu, se bem que ainda só via as figuras. De lá para esses tempos atuais não parei mais.
 
Passei a ler de tudo, até para saber o que presta e o que não presta, contando os jornais e as revistas, literatura de banheiro, aquelas frases que escrevem nas portas dos sanitários públicos, receitas de culinária, regulamento de promoções, manuais de montagens, listas telefônicas, embalagens de produtos, anúncios fúnebres, até Bruna Surfistinha.
 
Na minha infância li muitos gibis, às escondidas, já que naqueles tempos os quadrinhos eram mal vistos pela escola e pelos pais. Em compensação li O Pequeno Príncipe, Reinações de Narizinho, A Ilha do Tesouro, Robson Crusoé, entre tantas obras para a petizada, todos os livros eram emprestados ou retirados na biblioteca.
 
Ai chegou a adolescência e ficar apenas em Dom Casmurro, A Moreninha, Meu Pé de Laranja Lima era pouco, então, além dos famosos Catecismos do Carlos Zefiro, tive a curiosidade em acessar as obras de duas escritoras consideradas malditas nos anos de chumbo da ditadura militar instaurada no Brasil, Cassandra Rios e Adelaide Carraro, que de certa maneira à época aguçavam o imaginário da meninada.
 
Fui crescendo e vieram então O Cortiço, O Crime do Padre Amaro, o Primo Basílio, 1984, Admirável Mundo Novo, Triste Fim de Policarpo Quaresma, Crime e Castigo, Amor de Perdição, Os Lusíadas, A Divina Comédia e uma infinidade de outras obras menos famosas. O que não gosto mesmo é de ler textos de auto ajuda, tenho aversão, porque literatura não é obra de caridade e se algum autor quer ajudar que faça um trabalho voluntário, distribua seus livros de graça.
 
 
Confesso li muito, mas deveria ter lido muito mais e, de todas as leituras, eu pensava que a Bíblia fosse a obra mais difícil de interpretar, tanto que por vezes encontro dificuldades e pouco ouso botar os olhos, é confuso.
 
Agora, com o avanço da idade, o que mais tenho lido é a famosa obra Vide Bula, aqueles encartes que vem nas embalagens dos medicamentos com umas letrinhas dignas de usar lupa. Trata-se de uma leitura chata, carregada de palavras estrangeiras e altamente técnicas. Não tem emoção, apresenta um enredo incompreensível e afirmo categoricamente que o texto é de difícil interpretação, tanto que leio várias vezes e continuo sem entender nada.
 
Que vida difícil tem o leitor paulistano!
 
E-mail: samuel.leo@hotmail.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 05/05/2015

ISSO mesmo,eu tb sou viciada em ler bulas de remedio.

E preciso ter cuidado para nao tomar remedio por conta propria rs

Ler e muito bom, livro e um amigo de todas as horas.Parabens

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 08/04/2015

Samuel, como você hoje leio mais o Vide Bula, tem um capítulo sôbre o efeito do produto e duzentos capítulos de contra-indicação, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 07/04/2015

Samuel, realmente as bulas são difíceis de entender, tem um capítulo que trata do efeito do remédio e duzentos capítulos que tratam da contra-indicação, parabéns pelo didático texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 07/04/2015

Podemos participar dos mesmos rigores nas escolhas de leituras, Samuel, sendo que as bulas, a mim tem um mistério que sempre encontro no final das leituras: o medicamento não deve ser ingerido se tiver algum impedimento para os diversos itens que compõe o produto final. Se não sei o que vem a ser a droga empregada, como posso avaliar sua ação em meu físico? o melhor mesmo é não ler bula nenhuma.

Gostei de seu percurso pra alcançar seu gosto pelas leituras. Parabéns, de Leonardo.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 07/04/2015

Samuel, me idendifiquei com você. Também sou um devorador de livros e odeio livros de auto ajuda, que ajudar não ajudam nada. Tenho em minha casa cerca de 800 a mil livros. Nossa, como minha mulher reclama...Mas, ainda bem, que não estou na fase do Vide Bulakkkkk. Abraços.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 06/04/2015

Samuel, por coincidência pura, trilhamos os mesmos caminhos nas letras, inclusive nas bulas de hoje, e para atenuar., por sorte, conseguimos ler textos neste site e descobrir talentos entre seus autores. Parabéns!

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 06/04/2015

Samuel, muito boa sua retrospectiva de leitura e livros e concordo com você e praticamente segui o mesmo caminho, mas um livro que tenho e não consigo acabar de ler é Os Lusíadas, parabéns, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »