Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O prédio Autor(a): Suely Aparecida Schraner - Conheça esse autor
História publicada em 02/03/2015
A tarde trazia consigo melancolia de pôr-do-sol.
 
Andara o dia o dia todo. As têmperas latejando. Britadeira batucando do outro lado da rua. Demolira planos. Rompera ilusões. Nadara em águas revoltas. Nebulosas da memória. Mistura de vinho com Rivotril, as suas sinapses poéticas.
 
Ávidos edifícios o espreitam.
 
Pele de vidro e frita aves. Caleidoscópio lancinante. Lugarzinho inabitável. Áreas descomunais. A planta letal. A vida por um fio é que dá força para amar. Certificar o nada.
 
O desespero a um passo da felicidade.
 
Deu por si e estava diante dela.
 
“Não esperava te encontrar aqui”.
 
 “Ah, bem sabe que minha vida é nos cascos”. 
 
“Sei, nos sapatos e na cama”. 
 
“Andou chorando?”
 
Abaixa os olhos. 
 
“Cisco”.
 
Sinto que gostaria de me beijar. 
 
“Diga-me, será que desta vez conseguiremos? “
 
“O não, nós já temos. Agora, é tentar o sim”.
 
Passam despercebidos.
 
No andar, começara a sentir-se mal. 
 
“Você está doente?”
 
 “Cisco”. 
 
Tá brincando! 
 
“Sinta o cheiro”.
 
“ De morte?”
 
 “Não amole, é cheiro de felicidade”.
 
Embolados. 
 
“Sabia que o corpo fala? Ás vezes faz bem ficar doente”.
 
 “É a vida chamando a atenção da gente”.
 
“Tem o dinheiro?”
 
“Daqui dez dias”.
 
 “Dez dias não é possível. Até lá...”
 
Saem.
 
O sol se escondera detrás do prédio. Espelhado e colorido.
 
Caleidoscópio onírico. Na planta ou próprio para morar. A vida alucinada. Certificação AQUA- alta qualidade ambiental. Áreas comuns generosas.
 
A felicidade a um passo do desespero.
 
E-mail: suelyas.13@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/04/2015

Nelinho: grata pela visita e comentário. Essa tal felicidade está nos astros distraídos. É preciso pisar com cautela.

Modesto: Agradecida e lisonjeada deixo aqui o meu abraço.

Miguel: Obrigada pela generosidade desmesurada e carinho.

Vera querida: Um beijo pra você também e muito obrigada enternecida.

Enviado por Suely Aparecida Schraner - suelyas.13@gmail.com
Publicado em 09/03/2015

Suely, seu relato em forma de poesia me leva à reflexão, onde está a felicidade? parabéns pelo lindo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 06/03/2015

Uma poesia concreta, demolidora, abstrata, incomum, cada paragrafo... não... não... não existe parágrafo, existem palavras, somente isso. Encanto e (des...)armonia, é onda está a verdadeira harmonia! Parabéns, Schraner.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 04/03/2015

Suely cheguei a uma inevitável constatação; você não escreve, você derrama a poesia das palavras.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 02/03/2015

Excelente texto para boas reflexões. Parabéns. Um beijo, querida.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »