Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Deixa que o filho é meu! Autor(a): Samuel de Leonardo - Conheça esse autor
História publicada em 13/02/2015
Viagens de metrô são menos sacrificantes que as de ônibus e que as de trem do subúrbio. Quando utilizo este meio, sinto-me mais seguro e confortável. Pode ser impressão, mas os usuários parecem ser mais seletivos. As pessoas são mais apresentáveis, mais elegantes.
 
Dada a sua velocidade, o barulho incomoda um pouco, mas nada que comprometa uma boa conversa entre as pessoas. Não que eu goste de ouvir conversas alheias, mas tem assuntos que são impossíveis de não ouvi-los, mesmo dentro do metrô, ainda mais quando alguém fala alto ao celular. 
 
E não é que dia desses estávamos eu e o Amâncio, amigo de trabalho, cara recatado e sério, viajando numa dessas composições sentados lado a lado e, à nossa frente, nós e todos do vagão ouvíamos a jovem elegantemente vestida travando uma conversa ao celular com o volume acima dos decibéis suportáveis ao ouvido humano, pouco se importando com a vizinhança.
 
– Meu querido, agora a coisa está feita, não tem conversa... – Não tem conversa, já lhe disse. Vou atrás de você até no inferno se preciso... – Ouça aqui, eu sei que foi com você. Tenho certeza. Pare de duvidar da minha honestidade.
 
Após uma breve pausa ouvindo, ela volta a falar no mesmo diapasão:
 
– Bem que eu lhe pedi naquela noite, mas apressadinho que é nem quis colocar a camisinha. Agora quer tirar o corpo fora.
 
O meu amigo esboçou uma irritação e virando-se sussurra ao meu ouvido:
 
 – Essa dona já passou dos limites, ninguém aqui é obrigado a ouvir essas coisas.
 
Para ser sincero eu estava até gostando, a curiosidade despertada estava acima de qualquer pudor, por mais que o tenha.
 
O monólogo entre uma pausa e outra segue adiante. As pessoas a olham e disfarçam a indignação. Percebo que gente que desceria na próxima estação continua firme ali, à espera do desfecho.
 
Ela, alheia aos olhares e ouvidos atentos: 
 
– Lógico que eu vou procurar os meus direitos. Pensasse na sua mulherzinha e no seu filhinho antes do bem bom... – Não, isso não. Tirar eu não tiro, de jeito nenhum. 
 
Outra pausa. Após ouvir, nervosamente ela responde aos gritos:
 
– Tenho certeza, não tem vindo nada e eu estou enjoada, enjoada desse assunto, enjoada de você...
 
Subitamente, Amâncio perde a compostura e se levanta, arranca o aparelho da mão da mulher e dedo em riste:
 – Escuta aqui minha senhora, dessa conversa enjoado estou eu. Eu assumo esse filho, mas pelo amor de Deus, pare com esse colóquio agora.
 
E-mail: samuel.leo@hotmail.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/02/2015

Para parar de ouvir abobrinhas, a gente até assume o que não fez

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 20/02/2015

Samuel, posso estar enganado mas o final do episódio eu creio que o amigo deu um toque dramático, será que o Amâncio assumiu mesmo? fica aquí a interrogação, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 16/02/2015

Um heroico e repentino PAI explode em pleno metrô de São Paulo. Formidável essa crônica, Samuel, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 13/02/2015

Ótimo, Samuel. Pensando bem, a falta de limites, nesse caso, virou uma grande barbaridade. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 13/02/2015

Adoooro andar de metrô,o vai e vem das pessoas,a forma de vestir de sentar ou de conversar,faz com que eu me sinta uma telespectadora daqueles momentos durante a viagem...A gente assiste de tudo,e estas conversas altas é o que mais atrai a ate~ção de todos.

Amâncio é o nome do meu ex marido e difícil de se encontrar,mas a atitude deste Amâncio seu amigo,deve ter sido uma brincadeira hilária,pois eu só queria ver se ela aceitasse que ele assumisse o filho, e grudasse nele igual a um carrapato cobrando a paternidade.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »