Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O quarto vazio Autor(a): Johannes W Luyten - Conheça esse autor
História publicada em 17/11/2014
Nesta madrugada, dominado pela insônia,
Levantei-me da cama e caminhei solitário pela casa.
O silêncio como uma espessa manta, cobria a escuridão.
 
 
Passei pelo quarto, que outrora era o dela,
Abri a porta, acendi a luz e mais uma vez constatei
Que tudo continuava perfeitamente arrumado e em ordem.
 
 
Os anos passaram tão rápidos e impiedosos
Desde que ela se foi para encontrar seu destino,
Numa Faculdade de Medicina distante...
 
 
O riso da minha queridinha não mais será ouvido.
Como sinto a falta do abraço apertado e o beijo de boa noite...
As lágrimas encheram os meus olhos e apertaram a garganta.
Gentilmente sentei aos pés da cama,
Não havia sapatos, roupas, livros e cadernos
Espalhados pelo chão.
Estavam guardados em ordem ou nas prateleiras:
Física, química, biologia e matemática.
 
 
Como eram animadas as nossas discussões na resolução de problemas...
O olhar desafiador estampado, quando eu não sabia a solução.
Aqueles beijos de despedida, das minhas recomendações mil.
O encontro na saída da escola: “papai estou com fome!”
Somente me resta a lembrança de datas e etapas vencidas.
 
 
Esta pequena que amo tanto,
E que sinto imensamente falta.
Oh Deus! É tão cedo ainda para ela
Resgatar vida das garras da morte.
Por favor, coloque um anjo para guardá-la dia após dia,
E a guie sempre no bom caminho, eu suplico.
 
E-mail: jwluyten@yahoo.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/11/2014

Johannes. Você não perdeu uma filha, foi o mundo que ganhou um anjo para curar e amenizar a dor. Mas eu sei o que é isto que você está sentindo porque tive um filho que aos 18 para 19 anos foi estudar longe, fora do Brasil e sei o que é sentir a angustia que você sente agora.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 18/11/2014

Amem, amem, hosanas nas alturas, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 18/11/2014

Lindo texto, Johannes, e bela oração feita com muito carinho por sua filha querida.

Acredite, tenha fé, anjos existem e sempre nos surpreendem.

Saiba que nesta vida nada é eterno e tudo passsa, logo, logo ela estará lhe dando boas novas e muitas alegrias.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 17/11/2014

Johannes, fique tranquilo, sua querida filha em breve voltará mais experiente e com mais sabedoria e você poderá, contente com o sucesso dela, matar a saudade que a ausência de um filho nos causa, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 17/11/2014

Sou fã do que você escreve! Parabéns por mais este texto.

Enviado por Ana Regina Carnevalli Parra - arcparra@ig.com.br
Publicado em 17/11/2014

Johannes,a dôr destas palavras são tão grandes que são capazes de sufocar até quem as lê. Quando os filhos crescem e batem as asas para seguir seu rumo,a gente tem uma vontade imensa de cortar as pontas destas asas como se faziam com os pássaros de estimação antigamente para não sairem pelo mundo... Tenho cinco filhos, que foram se casando um a um e quando chegou a vez da caçula(minha companheira)eu fiquei sózinha...o quarto dela virou uma vitrine arrumadinha, para que eu apenas parasse na porta e contemplasse aquilo tudo que ficou mudo e sem vida e tentasse sentir apenas o seu cheiro...

Lembro sempre da Benê(Benedita dos Anjos) nossa companheira de site

Sua única filha Mariana,bateu as asas e foi para outro País construir sua vida e ela ficou com os pedaços destas mesmas lembranças que você nos relata e que a acalenta nos dias mais vazios...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 17/11/2014

Saudades é como doença sem gravidade, maltrata muito e por muito tempo, mas não mata.

Não vai acontecer nada de mal com ela, Johannes. Tenha sempre fé e pense sempre no positivo, afaste pensamentos perturbadores. A trova está bem caracterizada, quando o amor é sincero e forte, não há barreiras intransponíveis. Parabéns, Luyten.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »