Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Final de Semana Autor(a): José Aureliano Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 09/10/2014
Nesse domingo, 28 de Setembro, com a graça de Deus, cheguei aos 70 anos de idade. Acredito que o sopro divino do criador Deus Pai me privilegiou. Já o meu papai nos deixou com 62 anos, e os meus dois irmãos mais velhos nem chegaram aos 40 anos de idade. A mamãe nos deixou no ano passado chegando aos 94 anos de idade. Tem o irmão caçula vindo ai atrás com seus 68 anos. 
 
Estava aqui pensando com os meus botões como é maravilhosa a nossa mente, ou o nosso “HD”, onde estão armazenadas todas as informações da nossa existência. Acredito que o nosso “HD” bate facilmente qualquer super computador que guarda uma infinidade de informações, nem sabendo direito quantificar os números de bytes que eles podem armazenar. 
 
Consultei o meu “HD” e voltei aos meus 14 anos de idade, ou seja, voltei 56 anos atrás. Estou eu no Bairro do Tatuapé, na Rua Felipe Camarão, 267. Puxa vida, como são ricas as informações detalhe por detalhe. As pensões em frente de casa. Na esquina de um lado, a pensão da Dona Geralda e do outro lado o bar do português, Sr. Ivo. 
 
Hoje, no local que o Colégio Estadual Prof. Oswaldo Catalano está localizado, era um matagal onde tínhamos nosso campo de futebol na época. Entrando em casa da para ver cada detalhe daquele tempo em cada cômodo. Nosso quarto com as camas do Antonio Carlos, a do Plínio e no outro canto o beliche, onde dormíamos eu e Paulo. Eu, claro, dormia em cima. 
 
No quintal, o muro baixo que separava nossa casa com a da Dona Maria. Os dois gatos da mamãe, a gata preta e o gato rajado amarelo. 
 
Nessa idade, com a primeira carteira assinada, estava trabalhando no centro de Sampa, na Rua XV de Novembro em um banco. Para se deslocar até o centro havia duas alternativas: ir até Rua Tuiuti e apanhar o poeirinha em frente ao Colégio Espirito Santo; ou subir dois quarteirões e pegar ele na Rua Cristais, mas já teria que ir em pé. 
 
Descendo a Rua Felipe ficava a Avenida Celso Garcia, onde tinha muitas opções e até o bonde. O chato de trabalhar no banco é que tínhamos que trabalhar de terno e gravata, mas eu sempre deixava o paletó e a gravata lá no setor. 
 
Já pensaram andar de ônibus lotado com aquela camisa “volta ao mundo” (acredito que muito de vocês conheceram)?  Nem imagino que tecido era aquele que não amassava e nem deixava transpirar. A ordem do gerente ao ascensorista era que nenhum dos funcionários poderia subir de elevador sem a gravata, principalmente os motoboys. 
 
Ainda bem que eu trabalhava no segundo andar. Bem me deixem verificar aqui no “HD”, afinal o tema ou o assunto é fim de semana. Ai está “sábado”. Logo cedo, após o café da manhã, seguia para o clube do Corinthians, onde era sócio, para jogar bola com a minha turma de lá. 
 
Após o futebol, uma chuveirada e voltar para casa, para o feijão com arroz da Dona Helena. A tarde ia assistir o futebol no campo do Urca que ficava na Rua Teixeira de Melo, onde hoje é o Senai. 
 
Os amigos eram o Viola, os gêmeos Carlos e Sadala e o Edson Bras. A noite após a reunião do Congregados Marianos da Igreja Cristo Rei, na Rua Maria Eugenia, íamos comer uma pizza na Padaria Vera Cruz e assim que iam chegando os outros colegas, que foram ao cinema ou foram namorar, seguíamos para a casa do Gerson, filho do Sr. Jean, jogar cartas e encerrar o dia de sábado. 
 
Domingo cedo tinha missa das sete horas dos Congregados Marianos e das Filhas de Maria. Entravámos na igreja cantando o hino da mocidade católica:
 
Mocidade brilhante e sadia, sai da inércia em que estás!
Renuncia à inação criminosa! De pé! De pé!
Deu a voz de comando Pio Onze:
Carrilhonam os sinos de bronze
E descem do alto seus brados de fé.
Leva contigo como penhor, o lenho amigo, a cruz do amor!
Sorri fagueiro ao teu Brasil! Olha o cruzeiro no céu de anil.
Luz refulgente, brilhos do céu, que em nossa mente Deus acendeu.
Não esmoreças! Sempre de pé! Não esmoreças da santa fé!
Era de arrepiar, bem para aqueles que têm fé como eu...
 
 
De volta para casa para me deliciar a macarronada da mama. Passando pelo corredor, olhei para dentro do quarto da mamãe, e lá estava estendido sobre a cama o terno azul com o paletó tipo jaquetão, com quatro botões na frente, feito sobre medida no alfaiate do Sr. Chimada da Vila Mariana. A camisa era confeccionada na Galeria Barão da Barão de Itapetininga na loja do Sr. Antonio, também sobre medida. Camisa com gola italiana bico de pato e nos punhos duplos ia aquela abotoadura de madre perola. 
 
O sapato era de salto carrapeta para os pés de valsa da época. Banho de meia hora, brilhantina Glostora no cabelo, e aquele perfume “lancaster”. Os Clubes eram: o Clube 13 de Mario e o Clube Homs, mas, o mais frequentado por nós era o de Guarulhos, que infelizmente não me lembro do nome, mas lembro-me de cada detalhe do salão. 
 
Será que tem vírus ai? Aquele samba saltadinho era o meu fraco, só ficando na coruja espiando. Agora o Rock and Rol nossa turma arrasava, mas o bom mesmo era os boleros. Dançava-se tetê a tetê com os rostos colados e, dependendo da companheira, cantarolávamos as musicas ao pé do ouvido. 
 
Voltávamos para casa contentes e aguardando o que vinha pela frente na próxima semana. Seis da manhã o rádio do meu irmão Antonio Carlos, ligado na Rádio Eldorado com o programa “Jornal de Meia Hora”, informava a hora e tocava a música do anunciante que era da marca de um café da época que também não lembro do nome. A música era do cantor Roberto Luna, “Bom dia Café”:
 
Bom dia, café!
O café que a gente toma,
E que tem o doce aroma,
Desta terra primaveril.
 
Acredito que Deus colocou cada um de nós, escritores aqui do “SPMC”, no seu bairro certo, onde fomos muito felizes. Pensando no bairro do Tatuapé, tenho certeza que teria que estar lá, não podia ter sido outro bairro. Acredito que todos devem ter o mesmo pensamento.
 
Vou desligar o meu “HD” pensando: quantas histórias podem estar armazenadas nesses setenta anos de idade, para contar a vocês nesse espaço? Abraço a todos os meus amigos aqui do site.
 
E-mail: joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 07/11/2014

Caro Jose Aureliano, parabéns, saude e paz pelo seus bem vividos 70 anos...que viagem,amigo, que viagem...meu berço foi na casa 60 da rua felipe camarão e como voce disse...não poderia nascer e viver os melhores anos da minha vida que não fosse o tatuapé...abraço, Beira

Enviado por José Camargo Beira - josebeira@hotmail.com
Publicado em 25/10/2014

SR.AURELIANO acabei de escrever para o nosso S.P.M.C.e o assunto foi o quanto gosto do sábado.E vejo que o sr. também fez comentário sobre o final de semana,parecidas ou não ,a verdade é que somos de uma geração apaixonados por nossos bairros,por nossa gente,PARABÉNS pelos seus 70 anos .PARABÈNS pela narrativa.

Enviado por Luzia Helena Junqueira - luziahelena030746@gmail.com
Publicado em 21/10/2014

Antes de mais nada, Jose, feliz aniversário, saúde e prosperidade pra vc. Estas recordações da Felipe Camarão, são, em parte, minhas, também pois passei boa parte da minha meninice em casa de meu tio, na primeira travessa de quem entra na Felipe, vinda da Celso Garcia, deve ser a Almirante Calheiros, vizinha a Cia Telefônica.

Seu texto está ótimo, bem redigido e bastante saudoso. Parabéns, Luiz.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 18/10/2014

Caro Aureliano, tenho para mim que nossa vida é como um livro que vamos escrevendo dia a dia, quando queremos voltamos algumas páginas e reler o que escrevemos, parabéns pelo seus 70 anos e pelo saudoso texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 15/10/2014

Aureliano.primeiro parabéns pelos 70, segundo, feliz por lhe ver bem e terceiro: você não pode fazer isso com a gente.eu sou um pouco mais novo, tenho só 64 kkkkkkk, só!!!!?????, mas suahistória me fez sentir como se tivésse mil anos...

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 14/10/2014

Prezado José, parabéns pela memória e pela história, só uma coisa me intrigou, em 1958, e eu tambem já estava por aqui saindo do Bairro da Moóca, eu nunca ouvi falar de motoboy isso não existia.....office boy sim, aos montes, e mais tarde eu seria um deles...

Enviado por Fernando - fernando.ota@gmail.com
Publicado em 13/10/2014

Meu querido Aureliano, eu estava com muitas saudades de você. Meus parabéns pelo aniversário. Felicidades, saúde, muita luz na sua estrada, Com muito carinho lhe desejo alegrias nessa vida. E o seu texto: brilhante. Digo: emocionante. Nesses tempos em que os valores são tão voláteis, essas suas memórias são excelentes para serem partilhadas: esperança de vida, de doçura, de conquistas. Um grande abraço, meu amigo.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 10/10/2014

Saudades das suas histórias...Voce comemorou seus 70 anos,nos brindando com uma saudosa e magnífica história da sua juventude...Este filme que passou em sua cabeça e que voce nos relata é uma parte muito linda das nossas vidas e que nossos corações guardam para sempre...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 10/10/2014

Um dos benefícios da "melhor idade" é ter o privilégio de recordar as diversas fases da vida. Sobretudo poder compartilhar com quem gosta. O pessoal daqui por exemplo. Viajei no seu texto, me transportei para aquele tempo. Lindo. Rs.

Enviado por Marina Moreno Leite Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 09/10/2014

Aureliano, gostei da comparação de nosso cerebro com um HD, uns ainda são mais potente que o outro uns tem muita memória RAM outros uma leve lembrança, quando nenhum virus ataca escrevemos muito, mas quando a taca não sai nada e suas lembranças são de todsos nós, párabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »