Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas O futebol no Cangaíba Autor(a): Almir . - Conheça esse autor
História publicada em 29/08/2014
Quando garoto nos anos 60, e adolescente nos anos 70, com dinheiro curtíssimo, a única diversão possível era jogar bola. No Cangaíba, espaço para isso era o que não faltava.
 
Na Avenida Cangaíba, esquina com Rua Antônio de Arzão, onde hoje estão construídos dezenas de sobrados germinados, havia um campo. Não me recordo a qual time pertencia, o importante é que ele existia e ficava a disposição dos garotos que, como eu, passavam tardes inteiras jogando futebol. A bola era emprestada pelo time. Ela ficava num bar, debaixo da mesa de sinuca e era de capotão. Quando estava molhada pesava mais ou menos cinqüenta quilos. Como era costurada, sempre havia um gomo rasgado, o que deixava a câmara de ar totalmente vulnerável. Toda vez alguém chutava de bico, acertava em cheio a câmara e estourava nosso brinquedo.
 
Um dia resolvemos fazer uniformes para jogar contra a turma da rua de baixo. Dinheiro não havia. A solução foi conseguir vários sacos de farinha de trigo, junto ao armazém do bairro (na época chamávamos de “venda” e não armazém) e cada mãe fazia a camisa para o seu filho craque. A minha e a de meu irmão eram as mais bem feitas, pois minha saudosa mãe era costureira.
 
Quando os sobrados começaram a ser construídos e tomaram nossa área de lazer migramos para a rua, mais precisamente para a Rua Arnaldo de Moraes. Dois tijolos de cada lado da rua e estava montado nosso campo em pleno asfalto. Quando vinha algum carro alguém sempre avisava, “Olha o carro”, e a partida era interrompida até o carro passar.
 
A bola não era mais de capotão, mas de plástico. Qualquer modelo ou tamanho servia. Não éramos exigentes. Nessa rua morava um senhor, sempre mal humorado, o Sr. Aristides.
 
Toda vez que a bola caía em seu quintal ele furava, rasgava ou simplesmente não devolvia. Ficou com tantas bolas que poderia abrir uma loja.
 
Nossa vingança contra ele era comprar bombinhas, fazer um furo dentro de batatas que pegávamos na “venda”, colocar as bombinhas dentro das batatas e jogar em seu quintal. E correr pra casa. No outro dia estávamos lá novamente.
 
Onde hoje existe o Parque Ecológico do Tietê, havia o campo do Marítimo, o do “Corinthinha”, o do Bangu e o do Piratininga, mais conhecido como Pira. Por coincidência, o Centro de Treinamento do Corinthians, fica perto de onde antes ficava o “Corinthinha”, só que do outro lado da linha férrea. Antes de chegar ao parque havia o campo do Janiópolis e era lá que costumávamos brincar nas tardes de domingo, já no início da adolescência. A caminhada até o campo era grande mas a volta compensava. Alguns colegas já trabalhavam e pagavam uma rodada de tubaína e laranjada em algum bar do caminho.
 
Na Rua Londrina, onde hoje existe um edifício residencial, havia o campo do Cruzeirinho, e era conhecido como “Beira Barranco”.
 
Era lá que tínhamos as aulas de educação física, no ginásio estadual Nelo Lorenzon, hoje Caetano Mieli. A particularidade desse campo, além de ficar num grande buraco rodeado de barrancos, era que atrás de uma das traves, onde o buraco era ainda maior, havia uma mina onde bebíamos água depois das aulas ou dos jogos. Anos atrás, na última vez que estive no Cangaíba, dei a volta pela rua atrás do prédio e fiquei surpreso ao ver que o buraco onde fica a mina ainda está lá. Senti-me adolescente novamente. Lá por perto tinha também, o campo do Tricolor do Bairro, que ficou invicto por vários domingos no famoso ”Desafio ao Galo” na TV Record.
 
Hoje no Cangaíba restou apenas o campo do C.A. Jaú, na Avenida Tiquatira, talvez o mais antigo de todos eles.
 
De tanto jogar bola na rua e nos campos de várzea, eu cismei que era craque e fui tentar a sorte no Corinthians por duas vezes. O responsável pela peneira era o Cabeção, goleiro dos anos 50. Reprovou-me e o Corinthians perdeu aquele que poderia ter sido o maior craque de sua história.
 
E-mail: almir1960@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 31/10/2014

Olá Almir,parabens pelo poster fomos vizinhos muito tempo sem nos conhecer-mos, mas, graças a net podemos nos comunicar-mos hoje joguei muito tempo no tricolor do bairro, inclusive no desafio ao galo com narração do saudoso "Luciano do Vale, no campo do União Operário,morava na rua Mercedes Lopes n° 444 perto da padaria, fui por muito tempo "Bucheiro" como eram chamados os feirantes em barraca de miudos de boi porco e frangos joguei tbm no vila Perina campo de terra abaixo da av. Cangaiba. obrigaduuuuu por fazer-me recordar dos maravilhosos tempo.

Enviado por marotofree - marotofre2012@gmail.com
Publicado em 06/09/2014

Bom Almir, pelo menos nome de craque você tem. Havia um Almir que jogou no Flamengo e no Santos, que se tivesse tido cabeça, teria sido um dos maiores craques que o mundo já conheceu. Era o Almir Pernambuquinho. Como não tinha cabeça, perdeu a chance e a vida, morreu assassinado.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 03/09/2014

Uma resenha esportiva, de várzea, é verdade mas exposta numa crônica de real valor. Parabéns, Almir, ainda bem que o Cabeção te reprovou, senão o que seria do coringão na terceira divisão. Um abraço.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 01/09/2014

você desistiu muito fácil,

o cafu, capitão da seleção de 2002 campeão do mundo.

foi reprovado mais de 20 vezes, nos clubes em que treinou,

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 01/09/2014

Pessoas rabugentas que não toleram barulho de adolecentes existem aos montes até hoje.Acho muito triste adultos que esquecem que foram jovens um dia e que são uns verdadeiros caçadores de barulhos apenas para poder reclamarem...Acho esta atitude,uma grande pobreza de espírito de gente infeliz com a vida...Mas quanto a reprovação da sua entrada no time do Corinthians,talvez o Cabeção sabia que você era de uma família estritamente Palmeirense!!!

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 30/08/2014

Almir, infelizmente o futebol varzeano está escasseando am nossa cidade, os tentáculos do "polvo" imobiliário vai engolindo os poucos espaços das antigas "peladas", parabéns pelo saudoso texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »