Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias São Paulo de todas as cores, amores e dores Autor(a): Suely Aparecida Schraner - Conheça esse autor
História publicada em 20/08/2014
Era um maio cinzento e frio de 1960.
 
Entardecia e os prédios, naquele tempo chamados de arranha-céus, me espiavam do alto do seu concreto e de suas esquinas. Meu coração acelerava e mal conseguia entregar o endereço para o chofer do táxi. Nó na garganta, estonteada. Sozinha e com nove anos.
 
Acabara de chegar do colégio Arquidiocesano de Cuiabá, Mato Grosso. Paguei o táxi e me vi na calçada em frente ao convento da Avenida Nazaré, em São Paulo. Fazia um frio que eu nunca tinha visto. A garoa fina mais o vento levantavam minha saia, refrigerando meus temores.
 
Tinha um saquinho com meus pertences. Nas mãos trêmulas, uma recomendação para a madre superiora. Meu vestido era de linho branco entremeado de rendas. O queixo batia e quase não conseguia falar com a freira que me atendeu pela portinhola. Brandi meu envelope com a recomendação e fui autorizada a entrar.
 
Fui ficando, estudando e trabalhando. Venci alguns obstáculos, outros apenas contornei.
 
Cheguei com um saquinho de roupas na mão. Hoje, se fosse me mudar daqui, seria necessário um caminhão bi-trem para transportar os meus pertences.
 
Diziam que São Paulo era ilusão. Fábrica de loucos. Enlouqueci por oportunidades nunca sonhadas. Perdi-me nos becos dos saberes. Embarafustei-me nas oportunidades de trabalho. Apaixonei-me por suas gentes, oriundas de toda parte.
 
Encontrei meus amores. Fiz daquele rascunho minha arte final.
 
São Paulo de todas as cores, amores e dores.
 
E-mail: suelyas.13@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 25/08/2014

Suely, no ano que me casei você chegava ao meu querido bairro do Ipiranga com apenas 9 anos mas com sua fé inabalável você venceu, isso é o que importa, parabéns pelo lindo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 25/08/2014

Suely,por acaso esse convento nao seria o das Irmazinhas da Imaculada?Porque se for estivemos no mesmo espaco,embora nao no mesmo tempo.Gostei muito.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 25/08/2014

Em uma das minhas histórias escrevi que esta cidade, é minha amante, minha mulher, minha dominadora, mas antes de tudo minha mãe. Ela é mãe sim.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 21/08/2014

Não sei e nem quero saber a razão de uma criança de 9 anos chegar num convento, sozinha. Esse pequeno episódio de sua infância deve ser encarado como foi apresentado: Um sóbrio e inteligente determinismo em matéria de saber enfrentar situações pouco comuns na vida de qualquer pessoa. Vc soube, como poucos, vencer conceitos declarando-se e tornando-se independente. Parabéns, Schraner.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 21/08/2014

É assim que se vence na vida e se dá o valor a tudo,e forma o caracter, parabéns pela luta e vitória, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 21/08/2014

Suely do céu, que dificuldade, menina!!! Chegar na cidade, sozinha e com só 9 anos!!! Mas quero te dar os parabéns pela superação; antes, pela vitória do enfrentar uma situação assim, tão difícil e dura para uma garotinha. Parabéns em maiúsculo. Lindo demais o seu relato e a sua vida. Um abraço ,com muito carinho.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 21/08/2014

Ainda completando meu comentário,lembrei que a nossa querida Benê (Benedita Alves dos Anjos)também passou maus e bons momentos no Madre Cabrine da Av.Nazaré no ano de 1962 e também é uma vencedora!!!

Será que voces se conheceram???

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 21/08/2014

Lendo esta triste e solitária passagem desta sua infância,da qual eu não consigo compreender o porque de uma menina com apenas nove anos estar aqui e sózinha para enfrentar a vida...Em 1960 eu também tinha nove anos e nem imaginava que existia taxi,e nunca saí do Bairro sem a companhia de alguém mais velho fiquei estarrecida com sua coragem...

O gratificante desta história,é o quanto voce cresceu e venceu!!!

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 20/08/2014

Suely, outro texto excelente. Estava saudoso de ler teu trabalho. )Obrigado por mais esta oportunidade.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 20/08/2014

Nossa Suely, será que você foi amiga da Benedita dos Anjos, ela também foi para um convento na Av. Narareth. E Também é escritora deste site.

Abraços.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »