Leia as Histórias

Categoria - Personagens Outras memórias paternais Autor(a): Miguel S. G. Chammas - Conheça esse autor
História publicada em 30/07/2014
Outro dia, escrevi sobre o Sr. Alfredo, meu pai. Com o coração machucado com acontecimentos presentes, não dei o devido valor a lances memorialistas que me envolveram as ideias.
 
Depois de escrever, já devidamente acomodado no lugar de costume de meu sofá, novos flashes vieram povoar meus pensamentos. Então, registrei alguns deles no bloco de rascunhos e, depois, com mais calma, relatei-os neste texto.
 
Saí do meu confortável sofá... Nada disso, trouxe a mesinha do notebook até a frente do meu confortável sofá, onde eu estava confortavelmente (redundantemente) instalado e me preparei para digitar o texto.
 
Após angustiantes 30 minutos, nada havia sido digitado no Word que, à minha frente, permanecia puramente branco e imaculado.
 
Lembrei que, até meus quatorze anos, via meu pai com a regularidade costumeira, em nossa casa da Rua Augusta. Todos os dias, quando a noite descia lá fora, ele chegava. Então era servido o jantar. Depois da mesa do jantar desfeita, da louça lavada, minha mãe e minha tia também se sentavam à volta da mesa, para uma conversa informal ou para “assistir com os ouvidos” aos programas de Rádio que mais nos agradavam, tais como “Balança mas não cai”, “História das Malocas”, entre outros.
 
Nessas reuniões familiares foram tomadas grandes decisões, entre elas as viagens a Santos, para visitar meu Tio Miguel e minha Tia Maria.
 
Nessa casa, que tinha um único banheiro e residiam 12 pessoas, não aconteciam congestionamentos, tudo caminhava dentro de uma ordem natural, sem maiores problemas.
 
Depois mudamos para a Rua Major Diogo, ao lado do TBC e em cima do Nick Club. Meu pai ainda se fazia presente. Lembro-me dele amassando a pimenta dedo de moça no prato, até fazer um patezinho para, depois, servir-se do feijão e dos demais complementos.
 
Lembro dos seus acessos de tosse, todas as manhãs. Tosse que o levou anos depois à morte.
 
Nessa época, começaram a acontecer os primeiros distúrbios no casamento de meus pais. Foi aí que eu descobri que o grande ideal de meu pai era ter uma filha. Não podendo realizar esse sonho pelas vias naturais, minha mãe foi atrás da adoção de uma menina. Adotou uma que foi o xodó dele e dos irmãos, já crescidos.
 
Ela foi a única presente à sua cabeceira quando ele desencarnou.
 
Na verdade, mesmo sabendo disso, eu nunca senti ciúme da minha irmãzinha. O amor que lhe dedicava foi motivo de grandes desavenças no meu matrimônio. Minha “exposa”, ainda hoje, jura que ela é minha filha, fruto de uma aventura passageira. O que não é verdade.
 
A grande verdade, que só hoje eu descobri, é que nunca pensei que me lembraria de verdade do meu pai, depois de sua passagem para o outro plano.
 
Ledo engano. Lembro-me dele todos os dias quando, embaixo do chuveiro, pego o aparelho para me barbear.
 
Aí a raiva aparece. Por não ter um grande relacionamento com os filhos, meu pai nunca nos ensinou a forma correta de escanhoar a barba. Hoje eu sofro com isso, pois lá na minha juventude, sem saber como, eu pegava seu aparelho Gilette e passava na face de todas as maneiras. Isso fez com que meus pelos da barba tivessem as raízes alteradas. Hoje minha barba cresce para todos os lados e me judiam quando, nas manhãs, me barbeio.
 
Pronto, está aí a pior lembrança que tenho do Sr. Alfredo!
 
E-mail: misagaxa@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/08/2014

Miguel eu estou com a Vera pois as melhores lembrancas devem sempre prevalecer. A quem me dera ter meu pai hoje ao meu lado e dar a ele o amor que dei a minha mae que viveu ate os 90 anos (morreu 20 dias antes de completa-los)meu pai morreu jovem (57 anos)hoje ele teria 111 anos. E como disse a Vera deixe seu coracao se voltar aos melhores momentos que tivestes com ele. Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 01/08/2014

recordar e viver, eu freguentei muito o nick bar,ao lado do tbc.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 31/07/2014

Miguel, fique com as melhores lembranças. Apenas com essas, tá? Eu também tive o hábito de guardar sensações nem tão positivas, mas hoje percebo que eu também fui cruel por esse motivo. Então, meu amigo, viva o que é bom e deixe a história ir se arrumando melhor no coração. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 31/07/2014

Miguel, recordar o pai é sempre cercado de uma emoção diferente de outras recordações pois, tenhamos boas ou não lembranças de nosso pai, leva-se em conta a principal influência exercida, por ele na sua formação. Acredito que tenha sido positiva, conhecendo o Miguel de hoje, tem-se essa certeza de vc ter tido um bom pai. Parabéns pelo texto e um forte abraço.

Laruccia

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 31/07/2014

Como o seu, meu Pai também chamava-se Alfredo e para não ficar assim muito presunçoso em mim tirou o "o" final e fui batizado Alfred mesmo não tendo nem de longe qualquer traço britânico. O perdi muito cedo, aos 16 anos, mas parece que cada dia ele está mais presente e ainda me dá lições de vida. Seu texto me fez lembrar mais ainda do "meu" Alfredo. Grande abraço.

Enviado por Alfred Delatti - apdelatti@ig.com.br
Publicado em 30/07/2014

De um modo ou de outro nosso pai sempre nos marca.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 30/07/2014

Miguel, de qualquer forma é sempre bom lembrar de nosso pai, cada um tem o temperamento diferente e com certeza procuraram educar seus filhos de acordo com a herança que receberam, agora é bom você usar o aparêlho Gilette Tech, lâmina dupla! parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »