Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Travessura de São Pedro e São Jorge Autor(a): Hilton Takahashi - Conheça esse autor
História publicada em 26/05/2014
O carrancudo domingo, 17 de maio, foi realmente um dia atípico. Conversei pela manhã com um amigo residente ao lado da Rua Pedra Azul que corta o Parque da Aclimação e onde sempre sonhei residir. Era o pequeno Central Park de nossa infância. Mais precisamente após a metade da década de 60 em um tempo mais feliz. Na época não existiam grades e caminhávamos tranquilos e despreocupados contornando o lago. Nossa maior travessura consistia em pegar peixinhos e refrescar os pés cansados de tanto andar.
 
Retornando ao mundo real, enquanto os corintianos e os "não coringuentos" viam pela televisão o imponente estádio "Invejão" em sua segunda inauguração, agora em partida oficial do Brasileirão, o céu escurecia e ventava forte. Ameaçadoras nuvens, os tais cumulus-nimbus (que sempre levam a culpa por alguma ocorrência anormal), anunciavam uma providencial e benfazeja tempestade. Mas São Pedro se equivocou ao abrir o registro fora dos locais mais carentes de água e aplicou um "pedala Robinho" no INPE e demais institutos de previsão metereológica.
 
E o granizo despencou como se fosse inocentes bolas de gude ou pingue-pongue. Divertiram crianças e amassaram veículos (para alegria das funilarias, os habilidosos martelinhos de ouro). De forma inclemente, as pedras de gelo fustigaram principalmente a região desta aprazível ruazinha citada no início. À primeira vista, pareciam cenas do inverno rigoroso no hemisfério norte. Danificaram a vegetação e literalmente expulsaram muitos peixes do lago.
 
Enquanto isto, São Jorge deve ter ido auxiliar São Pedro nas travessuras, relaxando a vigilância sobre o simpático time do Figueirense, lanterna do campeonato que fez chover no chope dos torcedores do timão. Estas mudanças climáticas que estão virando tudo pelo avesso deveriam nos fazer refletir mais seriamente. Anos passados, a dupla Sá & Guarabyra entoava que "o sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão". Estamos irreversivelmente próximos desta apocalíptica profecia.
 
No entanto, prosseguimos apáticos e insensíveis diante da nua e crua realidade. As lições já sabemos de cor, só nos resta aprendê-las; vã esperança, não mudamos uma vírgula sequer em nosso predatório e egoísta comportamento. Quando digo "nós", me refiro às autoridades e instituições que têm a caneta e o poder nas mãos.
 
Por alguma razão, me lembrei de um singelo texto que li e decorei e que constava no material didático do Centro de Formação Profissional "José Gomes". Tratava de uma hipotética carta que o planeta Terra (na condição de locador) enviava aos seus habitantes inquilinos. O conteúdo é bem ilustrativo e nos obriga a meditar:
 
Carta ao inquilino:
 
Gostaríamos de informar que o contrato de aluguel que acordamos há bilhões de anos está vencendo. Precisamos renová-lo, porém temos que acertar alguns pontos fundamentais.
 
1. Você precisa pagar a conta de energia. Está muito alta! Como você gasta tanto?
 
2. Antes eu fornecia água em abundância e hoje não disponho mais desta quantidade. Precisamos renegociar o uso.
 
3. Por que alguns na casa comem além do suficiente e os outros estão morrendo de fome se o quintal é tão grande? Se cuidar da terra vai ter alimentos para todos.
 
4. Você cortou as árvores que forneciam sombra, ar e equilíbrio. O sol está quente e o calor aumentou. Você precisa replantá-las urgentemente.
 
5. Todos os bichos e as plantas do imenso jardim deveriam ser cuidados e preservados. Procurei alguns animais e não os encontrei. Sei que quando aluguei a casa eles existiam.
 
6. Precisam verificar que cores estranhas estão no céu! Não vejo o azul!
 
7. Por falar em lixo, que sujeira “hein”!? Encontrei objetos estranhos pelo caminho! Isopor, pneus, plásticos...
 
8. Não vi os peixes que moravam nos rios e lagos. Vocês pescaram todos? Onde estão?
 
Bom, é hora de conversarmos. Preciso saber se você ainda quer morar aqui. Caso afirmativo, o que você pode fazer para cumprir o contrato? Gostaria de ter você sempre comigo, mas tudo tem um limite. Você pode mudar? Aguardo respostas e atitudes.
 
Sua casa - a Terra.
 
E-mail: almasementes@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 28/05/2014

Hilton, bem oportuno este seu texto, realmente nós "inquilinos" desta imensa morada não estamos sabendo cuidar da casa, é bem provável que o "Proprietário" nos despeje um dia, parabéns, seja benvindo.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 27/05/2014

ótima crônica, Sr. Hilton. Parabéns

Enviado por Abilio Macêdo - abilio.macedo@bol.com.br
Publicado em 27/05/2014

Meu Caro Hilton,na legenda "conheça este autor",diz que esta é a sua primeira história publicada. Fiquei maravilhada com o conteúdo e a espirituosidade da "Carta ao Inquilino" que com poucas palavras abrange o caus que os moradores transformaram este planêta terra

e o quanto é vergonhoso sabermos desta desordem e descaso e muito pouco se fazer para melhorar.Estou aguardando mais histórias escritas por voce, na qual tenho a certeza que só engrandecerá este site.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 27/05/2014

Inquilinos desse tipo, é melhor vender a propriedade. Ve se eles querem comprar. Peçam ao fiador, devolução nas mesmas condições que lhes foi dada. Alem de não pagarem aluguel ainda depedram tudo, usam e gastam de forma arbitraria. É assim mesmo, e entre os "familiares" desse inquilino, são ruins, malvados, assassinos, ladróes de seus próprios irmãos. Não merecem continuar morando lá. Põe pra fora. Parabéns, Takahashi.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 26/05/2014

Tem razão Hilton. Somos péssimos inquilinos

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 26/05/2014

Realmente somos péssimos inquilinos e usamos ao esgotamento todos os recursos disponíveis na Terra e parece que estamos indo ao encontro do suicídio coletivo, pois os interesses financeiros são mais importantes que mantermos a vida no planeta, do qual necessitamos para nossa existência humana. Que mundo vamos deixar para as próximas gerações? Parabéns pelo texto.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 26/05/2014

Hilton, muito legal o seu texto. Os locais que você citou me ajudou muito a matar as saudades. Um abraço e parabéns pelo relato.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 26/05/2014

Belo texto. Os inquilinos poderiam "catar" o que mandou São Pedro 17.de maio.2014,o tal granizo,colocar num caminhão seja lá qtas.to. fossem e leva-los a "Cantareira",veja que ficou lá até derreter por uns dias,ex: fizeram isso ao remover toneladas de terra para construir rodovias,tuneis,metro,RODOANEL,o inquilino remove tudo,talvez até seja uma advertencia ao inquilino,pare de depredar seu bem locado a terra,caso contrario vc. pagara muito caro por isso,temos granizo local,tsunami,vendaval local,ressaca maritima local,ventania local,então isso não é um alerta?

E.T. O manguezal, o ultimo de São Paulo esta sendo destruido,local as margens do Rio Pinheiros,proximo do Parque Burle Max,árvores cortadas,e por ai vai........

Portanto o dia que cortarem mais cabeças dos homens,principalmente dos predadores a humanidade ficara trannquila.

Amém.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »