Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Da Rua do Lavapés para o Guarujá Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 19/05/2014
Quando criança eu ficava assustada e inquieta quando os meninos da rua se organizavam para ir à Rua do Lavapés em pleno Sábado de Aleluia. Rua do Centenário, bairro do Cambuci. Os garotos procuravam paus e pedras e, com orgulho, se dirigiam ao local marcado para a malhação... E dá-lhe Judas. Rindo, eles iam, aos montes, à tarefa que, mal sabiam, remontava à Idade Média, dos obscuros tempos da Inquisição.
 
O tempo foi passando, a tradição de 80 anos no bairro foi, lentamente, perdendo o seu significado e muitas das crianças, hoje, mal sabem o que isso representa. E aí me dei conta de que a coisa piorou e muito. A malhação se tornou de uma crueza inenarrável, delirante, apavorante a último grau.
 
Nada mais arrasador e deprimente que o caso do linchamento da dona de casa no Guarujá no início desse mês. “Uma Judas” contemporânea, que nem soube o que fez para morrer.
 
Um simples boato e a turba se formou com paus e pedras na mão e a pobre Fabiane ainda teve que sofrer com um “passeio” de bicicleta sobre a cabeça, que diga-se de passagem, tinha duas filhas, sendo a caçula de um ano. Isso mesmo: um ano, de fraldas e profundamente dependente da mãe. O que fazer com o seu olhar choroso e amargurado procurando a mãe por todos os cantos da casa? O que dizer a ela? Como confortá-la e dizer que a vida é assim mesmo?
 
E no dia das mães, o que a mais velha, de doze anos, faria ao querer entregar a lembrancinha feita na escola, especialmente para a data?
 
Mas a turba se formou com uma rapidez estonteante após o grito de uma fulana: “É essa aí, a bruxa”. Bruxa? Isso é coisa de Idade Média. Com certeza, Idade Média seria avançada demais para as atitudes dessa massa insana do Paleolítico Inferior.
 
Até quando? Eu pergunto: até quando nós vamos passar a mão na cabeça dos nossos filhos quando os mesmos forem cruéis com colegas ou com animais? Até quando vamos fingir que não sabemos que ele trouxe para casa algum objeto do outro, dizendo “achado não é roubado” e seremos cúmplices risonhos da atitude supostamente sagaz do rebento.
 
Até quando vamos deixar que quebrem brinquedos ou outros objetos “dos outros”, tirarão o pedaço maior do bolo, passarão a perna nos semelhantes e não falaremos nada?
 
E aquela hora que o filho trapaceia na escola, nas notas, rouba da gráfica uma cópia da prova e sai rindo dizendo “quem não cola não sai da escola” e a gente ri da “banalidade” da ação? E tem uns que ainda vendem uma cópia da prova para os colegas de sala, se achando o tal. E ainda saem reclamando do professor – aquele “babaca, com cara de idiota”.
 
E outros logo virão com a boca aberta: “faltam políticas públicas”. O que falta mesmo é vergonha na cara de todos os cidadãos, políticos ou não. Falta sensibilidade, entendimento, compaixão. Falta discernimento. Um boato desde quando pode virar uma verdade absoluta?
 
Estamos imbecilizados, medíocres e ignorantes. Boçais. Ou a humanidade se repensa com alguma maturidade com urgência absoluta e começa a agir com dignidade e para de abrir a boca para julgar os outros ou não teremos saída a não ser conviver com a barbárie e vendo nela naturalidade. Que tenhamos a coragem de crescer, nos tornar homens e mulheres e não eternos bebês chorões à espera de um Estado tutor, policialesco, que nos imponha leis e só.
 
Somos gente. Pessoas com razões e emoções. E devemos buscar o equilíbrio nas nossas ações. Discernimento, respeito ao próximo e exercitar a vergonha na cara. Tudo não passa de uma questão óbvia: a da sobrevivência da espécie.
 
E-mail: vmoratta@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 22/05/2014

Infelizmente, essa geração está sendo criada sem limites estamos vivendo barbáries da idade média, a educação que deveria ser dada pela família, não existe mais, todo mundo só está preocupado em ver , comentar, curtir e compartilhar só virtualmente, mas na vida real estamos presenciando essa tragégia todo santo dia. Falta de DEUS, de amor, de compreensão, quando falta DEUS falta tudo.

Que DEUS a abençoe.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 20/05/2014

Vera, a impunibilidade está gerando todos esses fatos, as leis são muito benevolentes com esse tipo de gente. a meu ver nao são humanos, dizem que faltam prisões por isso os governantes não mexem na legislação, mas para algumas pessoas não precisa cadeia, tem muita jaula vazia no zoológico e é lá que deveriam estar, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 20/05/2014

Acredito que certos jornais sensacionalistas de Televisão, fomentem muito esse tipo de comportamento de algumas pessoas sem o devido senso critico e com isso nenhuma capacidade para Ver, Julgar, e Agir. e então agem dessa forma, pois já não acreditam mais na justiça.

Parabéns pela narrativa Vera.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 20/05/2014

Vera acompanhei desde aqui pela televisao internacional essa barbaridade acontecida no Guaruja e ainda estou chocado com tamanha barbarie acontecida em nossa terra .Vi a declaracao do primeiro acusado , e ele falava como se aquele crime que ele havia cometido era uma coisa normal , dizendo que , "ja tinha acontecido e que nao podia fazer mais nada" mas nao via nele nenhum sinal de arrependimento . Esses canalhas aqui donde moro iriam pegar cadeia perpetua , infelizmente ai , se pegarem alguma cadeia logo estarao na rua , prontos para praticar outros crimes . Concordo com voce "o que falta mesmo e vergonha na cara de todos os cidadaos , de maneira geral.Otimo texto , otimo desabafo . Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 19/05/2014

O mundo começa dentro das nossas casas, irmã querida. Faço minhas as suas palavras.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 19/05/2014

Vera minha querida, teu texto é um grito exasperante contra as mazelas do dia a dia.

O problema é real e esta rondando toda a família brasileira e as providências para saná-lo são poucas ou quase nenhuma.Faço-me sempre a mesma pergunta: onde está a vergonha na cara?

Aqui para nós, teu texto está, como sempre, maravilhoso. Parabéns!

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 19/05/2014

Não sei como começar a tecer um comentário sobre um assunto tão revoltante, tão selvagem, tão desumano que nem a mente dos melhores roteiristas de cinema de terror iriam criar. Querida Vera, sua narrativa vem de encontro as minhas preocupações a respeito de nosso futuro. Parece que estamos participando de um drama, tratando sobre o próximo do fim do mundo. O roteiro dessa trama catastrófica só pode ter sido bolado pelo próprio: o demônio. Vc soube, pelo noticiário sobre um homem, cujo irmão lhe devia 500 reais, não queria pagar e o que fez o cobrador? amarrou os três filhos, seus sobrinhos, dentro da casa, pôs fogo, matando as três crianças.

O absurdo destes fatos é que eles ocorrem, não entre irracionáis, o que seria um absurdo, também. Eu vi, pela TV o rosto do monstro. Não tinha nada de anormal, quase que surpreendí um sorriso disfarçado, no rosto daquela aberração. Vc está mais do que certa, Vera, falta vergonha, falta respeito, crianças libertas de qualquer senço de responsabilidade, agindo por pura maldade, se vingam de professores que não o aprovam, queixando-se com os pais; eles ameaçam tirar o menino da escola se não passar de ano. Aconteceu com minha filha que manteve sua posição e foi mandada embora da escola pra eles não perderem o aluno. Vera, sempre gostei de absorver de seus textos a beleza de sua escrita; ainda continuam porém, agora servindo a uma revolta justificada em graus bem elevados, entre os quais, se vc permitir, junto minha revolta ao seu esforço em contar com que seja feita uma profunda reviravolta em todos os conceitos. Parabéns, Moratta, vc brilhou, como sempre.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 19/05/2014

Vera, estou com voce, muita verdade em um texto crônica, são muitas as causas que levaram ao status quo em que vivemos, progressão continuada nas escolas, falta da religião, família desunida, pais separados, corrupção política, injustiça social, presidente analfabeto que se orgulha de tal, juízes incapazes , leis retrógadas, qualquer advogada reverte um crime em beneficio do infrator, enfim sem exemplo a bandidagem aproveita, vide a atual situação que a mídia mostra,estão acabando com a cidade e ninguém faz nada, este tema daria um jornal de exemplos ruins, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 19/05/2014

Tive um funcionário muito simples semi analfabeto que morava em uma comunidade(favela),e que cortava a grama e fazia pequenos serviços gerais no escritorio, um dia ele me contou que na esquina do seu barraco,tombou um caminhaõ das lojas Zelo lotado de lençõis jogos de banho endredons etc...e que o povo atacou as mercadorias levando o que podiam pegar.Ele com seus quatro filhos ficaram olhando incrédulos.Eu então perguntei: Fulano voce não pegou nadinha? Ele me disse:Dona se eu pegasse ou permitisse que os meus filho pegassem alguma coisa,como é que eu poderia continuar ensinando-os a nunca pegar nada de ninguém!!! Isto eu nunca mais esqueci e só reforça o que todos nós já sabemos "A EDUCAÇÃO VEM DO BERÇO OU DE DENTRO DE CASA" Este senhor é de uma famíla negra e aposto que ele e seus quatro filhos são exemplos de cidadões embora devam enfrentar muitos preconceitos,desconfianças e injustiças sociais...eu nunca mais os vi mas sempre me lembro deste exemplo de pai e cidadão e torço muito por eles...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »