Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Copa do Mundo Autor(a): Luiz Carlos da Silva - Conheça esse autor
História publicada em 05/05/2014
E a Copa do Mundo já estava em andamento em 2002 e eu resolvi fazer uma visita a minha irmã no bairro da Vila Maria Alta em São Paulo, Brasil.
 
E lá estava eu sentado confortavelmente no sofá da casa da minha irmã Sônia conversando sobre tudo com o meu cunhado Antelmo e o meu querido sobrinho Evandro fez-me um pedido:
- Tio, que tal a gente fazer alguns desenhos e pintar a Rua Santa Fé do Sul?
 
Aprumei-me e fiquei pensando se poderia ajudá-lo e questionei se já existia infraestrutura para começarmos a pintar a rua e foi quando ele disse:
- Ora tio não há necessidade de nada, queremos apenas que o senhor desenhe a bandeira do Brasil e alguns desenhos na rua e amanhã eu vou de casa em casa solicitando ajuda para comprarmos as tintas necessárias para pintarmos os desenhos.
 
Olhei para relógio e os ponteiros assinalavam 18h30, levantei-me e disse: posso desenhar a rua toda, mas necessito beber algumas cervejas, é possível? O meu sobrinho disse: claro tio, dinheiro para comprar as cervejas nós temos.
 
Imediatamente, subi vagarosamente as escadas da casa da minha irmã com alguns gizes nas mãos e resolvi iniciar o desenho da bandeira do Brasil bem em frente à casa da minha irmã e vários garotos moradores da rua e os meus sobrinhos começaram a ajudar a esticar o barbante que serviria para começar a esboçar os primeiros traços da nossa querida bandeira nacional.
 
Passados alguns minutos, a bandeira já estava totalmente desenhada e foi quando eu disse:
- Mas onde está a cerveja que vocês prometeram? Não existe cerveja, não existe desenho e resolvi abandonar tudo e voltar a sentar no sofá da sala da minha irmã.
 
Meu sobrinho apareceu na porta da sala e pediu para eu ir até a rua e ver a surpresa que eles tinham preparado para mim e foi quando eu cheguei ao portão e avistei uma enorme mesa de madeira colocada bem no meio da rua e ao lado uma imensa caixa de isopor lotada de garrafas de cervejas nadando em gelos e eu disse: os desenhos continuam e, por favor, enche o primeiro copo de cerveja e arrumem uma maneira de interditar a rua para podermos trabalhar com mais segurança.
 
Comecei a desenhar o Piu-piu chutando uma bola de futebol e quando eu estava concentrado no desenho e a rua já estava totalmente interditada com um carro do meu irmão em uma ponta e outro carro na outra ponta apareceu um garoto e questionou-me:
- O senhor é desenhista? Faz grafite? E eu agachado levantei-me e disse:
- Eu não sou nada, apenas aprendi alguns traços rudimentares de desenho e atendendo ao pedido do meu sobrinho resolvi traçar estas pífias linhas no asfalto.
 
O garoto sorriu e disse se eu aceitava uma ajuda para desenhar a rua e eu imediatamente disse que qualquer traço seria bem-vindo. Sentei-me sobre a mesa e enchi meu copo de cerveja e fiquei a apreciar a habilidade daquele pequeno garoto que em apenas alguns minutos desenhou vários desenhos sobre o asfalto.
 
Calmamente aproximei-me do nosso recém-chegado desenhista e disse: rapaz, quanto talento! Onde aprendeu tudo isto? O jovem sorriu e disse: trabalho como desenhista em uma agência de publicidade e vendo toda esta alegria e todo o esforço do senhor resolvi ajudar.
 
A partir daquele momento eu era apenas um mero coadjuvante do desenhista que tinha chegado sorrateiramente e estava colocando todo o talento sobre o asfalto.
 
Terminamos de desenhar já passava das quatro horas da manhã e o mais lindo era observar a felicidade estampada no rosto dos garotos da rua que reunidos agradeceram a nós e foram dormir prometendo que no dia seguinte todos os desenhos seriam pintados.
 
E-mail: lucasi__@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/05/2014

Ensaio de como se desenha no asfalto e como se consegue umas boas garrafas de cerveja. Parabéns, Lucasi.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 05/05/2014

E vamos pintar tudo de novo. Tomara que dê certo como em 2002.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 05/05/2014

Luiz Carlos, vez ou outra somos surpreendidos com o surgimento de talentos especiais, assim como o seu desenhista, uma pergunta: quantas cervejas foram consumidas na tarefa? parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 05/05/2014

Um desenho vale mais que mil palavras e precisa estar em conjunção com o artista sempre fluindo como arte!Parabéns pela iniciativa de todos que mostraram seu talento.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »