Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Estou na berlinda Autor(a): José Aureliano Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 17/04/2014
“Os textos atuais são sem nenhum conteúdo, são textos para o escritor que quer aparecer”. Não frequentei uma faculdade, mas sim, vivi uma parte da minha vida dentro de salas de aula e laboratórios de empresas de Telecom, onde aprendi tudo sobre os equipamentos de transmissão e recepção e equipamentos editores de texto, sendo a maioria deles importados. 
 
Essa foi a minha praia, onde saia para instalá-los, testá-los, consertá-los, enfim, cuidar da vida de cada um deles, onde modéstia parte fui um “expert”. A faculdade e o inglês fizeram muita falta em minha vida, porque tudo ficava mais difícil de aprender, mas tive que superar de alguma forma, e consegui, porque trabalhei na mesma empresa por 43 anos. 
 
Aposentei e mudei para o interior e com mais tempo disponível durante o dia fui à procura dos amigos onde vivi minha infância no querido bairro do Tatuapé. Através do Orkut “Tatuapé o Bairro” fiz muitos amigos, e com pesar tive notícias que alguns deles que eu procurava já tinham falecido precocemente. 
 
Havia um tópico no site que era para postarmos nossas histórias, sendo o local em que eu mais participava. Através do Zé Beira, que era um membro desse site, induziu-me a publicar as minhas histórias aqui no SPMC, que, aliás, a primeira delas ele mesmo foi quem enviou com o meu consentimento. E aqui estou com bastante constrangimento, procurando em cada história escrever da forma como as coisas aconteceram. Tenho sido elogiado, mas com os pés no chão, procurando sempre me justificar a escrita. 
 
Acredito que a Vera Moratta tenha percebido essas minhas justificativas, e de alguma maneira procura sempre me incentivar, sempre elogiando os meus textos, sendo que em um deles ela extrapolou dizendo que eu sou uma pessoa “letrada”. 
 
Olha, meus amigos, quando eu li essa palavra meu “ego” foi às nuvens, ultrapassou todas as camadas da Terra, indo para o espaço sideral, dando voltas em quase todos os planetas da nossa galáxia. Só vindo mesmo de uma professora, onde me lembrei com carinho das nossas professoras quando criança. “Sim professora Vera” é isso mesmo: “Vivendo e aprendendo”. Obrigado. São desses incentivos que todos nós necessitamos na nossa vida. 
 
E mais, citei a Vera e teria que citar uma porção de nomes daqueles que leem meus textos, mas vocês que estão no dia a dia como eu no site já sabem de quem me refiro. Acredito que para todos nós, cada texto produzido é como se fosse um filho gerado por nós, e por pior que seja está saindo de dentro de nós, e mais, estão sendo revisados e aprovados pela equipe do SPMC e publicados, nos dando uma satisfação que não tem preço.
 
Tenho meus pés no chão, como já disse, e sei das minhas limitações, ficando contente com as suas observações e elogios, sendo recíproco para cada filho que vocês produzem aqui no SPMC, onde leio e até releio alguns deles. Dentro das minhas possibilidades faço os meus comentários em alguns textos, inclusive algumas histórias contadas por vocês que lembre algo ocorrido comigo, é onde nasce mais um filho/ texto editado por mim. 
 
Assim que comecei a participar do site SPMC, aposentei o jornal “O Estadão”, que me acompanhou por quase 60 anos, com uma ponderação: aqui nós escrevemos/ lemos sobre a nossa vida, cada um em seu bairro onde nasceu, ou no meu caso, que vim do interior adotando o bairro do Tatuapé, onde meu pai aportou com nossa família na década de 50.
 
Do escritor Paulo Coelho – “Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela”.
 

 

E-mail: joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/04/2014

Meu querido José, em primeiro lugar, peço desculpas pelo atraso dos meus comentários. Eu estava viajando. Realmente foi muito desagradável o que ocorreu nesse site. Foi decepcionante, mas estamos aqui, firmes, fortes, partilhando conhecimentos, amizades, amor pela cidade e respeito pelos amigos - e educação, infelizmente - não é para todos. Vamos continuar vivendo felizes com a nossa produção. Reafirmo: você escreve muito bem e fico muito atenta aos seus relatos, como os dos demais. Agradeço a citação, mas o importante de tudo é saber conviver com os contrários, mesmo no meio do susto da afirmativa que deu início ao seu texto. Escreva sempre, escreva mais. Estamos aqui para contribuir e nunca - jamais - para o desrespeito. Um grande abraço meu amigo.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 22/04/2014

Aureliano, continue escrevendo, fale um pouco de seus bons momentos, de suas habilidades profissionais, de seus amigos, é sempre bom a gente lembrar do passado, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

Aureliano, quem tem dom de escrever, escreve e pronto, é como seu caso e muito bem,com ética e respeito, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

Sobre um texto compreensível, bem ou mal escrito, é uma preocupação que não deve interferir em nossa produção. Vc escreve muito bem, Oliveira e não há necessidade de se desgastar com essa dúvida. Somos todos bons colaboradores de um site que nos acolhe com muito carinho, dedicação e estímulos. Parabéns pelo seu excelente texto, José.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

caro Jose Aureliano, uma das coisas boas que fiz foi convida-lo e voce aceitar escrever pra gente, ja conhecia de outras plagas por isso sabia do "conteúdo"...aqui ninguem é candidato a uma cadeira na ABL, apenas contar as historias do nosso jeito para serem comentadas ou não, sem confundir com fofocas de algum grupo de redes sociais...abraço, Beira

Enviado por José Camargo Beira - josebeira@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

Gostaria de acrescentar que a frase “Os textos atuais são sem nenhum conteúdo, são textos para o escritor que quer aparecer” não é minha, e sim, essa frase é que me deixou na "berlinda" por uma pessoa que quer acabar com nossos sonhos. José Aureliano Oliveira ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 21/04/2014

José, todos que escrevem aqui no site merecem nosso respeito, inclusive você.Para mim seus textos são sempre bem escritos e com assuntos como de todos que vivem em São Paulo.Essa é proposta do site, escrever bem ou mal, mas nunca perder o foco da nossa cidade. Mal entendidos não devem atrapalhar, contatos, historias, amizades e participação neste site. Gosto muito da Vera, sou sua fã e adoro tudo o que escreve. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 21/04/2014

Eu também, e acredito que centenas de nós achamos textos sem conteúdos nenhum e como diz o ditado "sem pé e nem cabeça" As vezes leio algo que escrevem e que me deixa perplexa imagino como alguém tem coragem de falar nada com nada e mandar para o site SPMC no espaço de "CONTE UMA HISTÓRIA" cadê a história??? Mas assim como voce e tantos outros, tem histórias que eu leio e releio várias vezes e depois de algum tempo eu ainda volto a ler.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 20/04/2014

Meus parabéns, trabalhar 43 anos em uma firma não é para qualquer um...

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 18/04/2014

Aureliano, eu disse que quando escrevo, ponho nos meus textos a minha alma, então eu e meus textos nos confundimos e quando alguém menospreza o meu texto, menospreza a mim.Acho que é assim que você pensa, por isso eu o admiro. Você é sim um ser letrado. Não importa o quanto você estudou ou deixou de estudar. Importa que a Escola da Vida, a maior de todas lhe diplomou, o que não aconteceu com quem nos menosprezou. Outra coisa, limitações todos temos, mas o mais limitado é aquele que não as reconhece. Continue firme amigão, sempre em frente.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »