Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias A cobiça pela mata atlântica no Parque Burle Marx/SP Autor(a): Carlos Fatorelli - Conheça esse autor
História publicada em 28/03/2014
A cobiça do homem é impressionante, pois tudo que demanda lucro imediato já está automaticamente sobre a condição de ser usado com o objetivo de proporcionar empreendimentos de alto padrão em condomínios fechados na região de Santo Amaro.
 
Cogita-se construir bem em frente ao Parque Burle Marx, em um terreno que ainda preserva vestígios do que foi a exuberante Mata Atlântica, mas que está com os dias contados para edificar-se torres imobiliárias e shoppings centers, em uma faixa que compreende a parte frontal ao parque, ampliado ainda mais para frente abarcando também a entrada da Rua Itapaiúna, na área do “bairro” da Vila Andrade, um verdadeiro paredão frontal ao parque, na antiga várzea do Rio Pinheiros.
 
Esses dois terrenos pretendidos foram adquiridos pelo Fundo Imobiliário Panamby, que faz o gerenciamento do Centro Empresarial de São Paulo, situado na Avenida Maria Coelho de Aguiar, no Jardim São Luiz, São Paulo, tendo suporte financeiro do Banco Brascan. Estes terrenos foram mantidos como reserva de áreas para no futuro serem comercializados, pois não havia autorização de construção do Departamento de Proteção a Áreas Verdes, Depave.
 
Para serem comercializados, foi necessário romper o empecilho de proteção do meio ambiente e no ano de 2004 a Cyrela adquiriu a primeira área, situada em frente ao Parque Burle Marx por um pouco mais de R$ 78 milhões. Em 2006, a outra área do antigo morro do Continental (antigo time de futebol local), já comprometido por um reflorestamento de eucaliptos, foi adquirida pela Camargo Corrêa por pouco mais de R$ 130 milhões, em um montante de quase R$ 210 milhões!
 
Este sistema de coisas só foi concretizado a partir de uma licença concedida pelo Departamento de Proteção a Áreas Verdes, autorização de 2003, sem se importar com cursos de águas locais ou um estudo completo do bioma existente ali e sem um detalhado estudo do tombamento do Parque inaugurado em outubro de 1995 e seu entorno.
 
Com toda a luta da associação de moradores parece que a pretensão destas duas empreiteiras é manter o curso da discussão até a exaustão da população e com o tempo descaracterizar o local com desmatamento paulatino no interior da mata e com incêndios controlados, até se conseguir o intento das construções das torres destes megaempreendimentos.
 
Já foi licitada uma nova ponte cruzando o Rio Pinheiros ligando este local citado ao lado oposto da outra Marginal, atingido a Avenida Alceu Maynard Araújo, em Santo Amaro, através do Consórcio Panamby, abrangendo a ponte de travessia sobre o Rio Pinheiros e ainda o prolongamento da Avenida Chucri Zaidan, perfazendo investimento na ordem aproximada de R$ 325 milhões, orçada no final do ano de 2012.
 
Parece que tudo está consumado na expansão rumo a Santo Amaro, sem malha viária adequada para comportar este crescimento desordenado e tudo é apenas uma questão de tempo para calar a sociedade civil! Tudo parece consumado em transações registradas em escrituras lavradas no Cartório de Santo Amaro!
 
Veja também:
 
O Espólio de Pignatari: Chácara Tangará
http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2012/01/o-espolio-de-pignatari-chacara-tangara.html
 
 
E-mail: cafatorelli@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/03/2014

Carlos, infelizmente isso vem acontecendo, os olhos crescem, a cobiça aumenta e lá se vão as lindas matas e campos verdejantes. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 28/03/2014

Carlos, com sinceridade, existem horas que a gente não tem o que falar. Deu nisso. Depois é correr atrás do prejuízo, como está sendo o caso da água aí em S.P., por exemplo. Infelizmente e la nave và. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 28/03/2014

Nós moradores dos bairros Jd S. Luiz, V. das Belezas, Jd Monte Azul e adjacencias estamos fadados a ser expulsos pelo avanço desses grandes condominios verticais, quanto menos esperamos surge um espigão à nossa frente, em 10 anos aqui será um outro centro de São Paulo, parabéns pelo texto real.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »