Leia as Histórias

Categoria - Personagens Disfemia Autor(a): Samuel de Leonardo - Conheça esse autor
História publicada em 27/03/2014
O ônibus da linha que faz o itinerário Praça da Sé à Zona Leste tinha como cobrador um sujeito pitoresco, bom cara, simpático, mas de poucas palavras que mais parecia uma caricatura saída de uma anedota. Conhecido pela maioria dos passageiros, era carinhosamente chamado por Nini, cujo crachá estampava Nicanor da Silva.
 
No início de minhas viagens, pensara até que fosse maluquinho. Das poucas vezes que ouvira sua voz percebera que além da gagueira fazia caretas e contraia os olhos. Quando era necessário comunicar-se com o motorista, batia com uma moeda em um canto qualquer e acionava as mãos fazendo expressões faciais que o deixavam com uma aparência para lá de grotesca.
 
Dado ao cotidiano, quase sempre as mesmas pessoas no coletivo, seus movimentos e suas poucas palavras passavam despercebidos, já estavam banalizados, tanto que ninguém se importava com suas ações.
 
Em uma ocasião, um fato surrealista se desenrolou. Ao passar pela catraca um passageiro, pelo aspecto era novo no trajeto, apresentou uma nota de cinquenta reais, deixando o cobrador exaltado. A partir daí travou-se um diálogo fora do comum. Nini pergunta ao passageiro:
- O se-se-senhor na-ão te-tem tro-tro-troca-ca-ado?
- Nã-não, te-te-tenho na-não. - também fazendo caretas - Só-só só te-te-tenho essa no-no-ta. Responde o outro - Só - só-só.
- Ta-tá- tá que-que-rendo me-me gozar, tá-tá? – retruca Nini.
- Vo-vo-cê é-é que-que tá-tá me-me me imi-imi-tan-tando – responde o passageiro
- Pa-pa-pare de me-me re-repetir. Eu vo-vo-vo dá-dá uma po-po-porrada, So-so gago, mas na-não so-so otário – grita Nini.
 
Aqueles momentos pareciam transformar-se em motivo de chacota para os demais, o que perpetuava a dificuldade e aumentava o constrangimento de ambos. Antes que partissem para as vias de fato, um senhor próximo à catraca com ar de intelectual se levanta e calmamente intervém dirigindo-se ao passageiro:
- Olhe aqui meu rapaz, não seja mal educado. Pare de arremedar. Respeite as condições de um trabalhador. Saiba o senhor que ele é disfêmico. (1)
- Eu nã-não tô-tô arre-arre-me-me-dando - respondeu o passageiro - Eu so-so ga-ga-gago, se ele é-é fê-fê-fê. Da - ddane-. Se-se tem fi-fi-mose, ele que ope-ope-opere.
 
(1) Nota do Autor: Além de gago, o indivíduo que apresenta disfemia recebe o nome de disfêmico, tartamudo, balbo (de balbuciar) ou tardíloquo.
 
 
E-mail: samuel.leo@hotmail.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/03/2014

Ai como ri do texto!

Eu tinha um tio gago, antes dele terminar a frase, o que me dava agonia eu terminava, ele não gostava nem um pouco.

Mas precisamos paciência, isso é amor para com o próximo, aceitar o outro como ele é.Abraço.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 28/03/2014

Muito legal, Samuel. Quer dizer, legal para quem não é disfêmico. ABRAÇOS.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 28/03/2014

Atualmente não conheço nenhum gago, mas no passado tive um amigo que tinha gagueira quando começava a falar, mas depois era tudo de uma vez só, que também acabava dificultando o entendimento. Ele formo-se um médico veterinário. Lembrei do filme: O Discurso do Rei. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 28/03/2014

kkkk Até parece uma piada da época do José Vasconcelos. Muito bom . Abraços ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »