Leia as Histórias

Categoria - São Paulo do século XXI Água - S.O.S Autor(a): Vilton Giglio - Conheça esse autor
História publicada em 25/03/2014
Temos o dia do índio, da árvore, agora recém-criado o do sem carro, do planeta, da sogra, da mãe, do papai, das crianças, dos namorados, semana ambiental, do professor e por ai vai... Temos também uma sigla ANA - Agência Nacional da Água, desde alguns anos penso em algumas "coisas" de como seria ou será? Como diz a Simone em sua música: “pura imaginação” essa estação, verão, em São Paulo. Precisamente a natureza acendeu uma luz amarela ao Brasil: façam algo pela natureza urgente caso contrario consequências graves teremos.
 
Vemos diariamente embates entre prefeituras, governos, vizinhos, entendidos, pesquisadores, professores, inventores, ONGs, todos dando seu pitaco sobre o bem maior a nossa vida que é a água. Faz isso, faz aquilo, racionamento, água contaminada, rios poluídos, nascentes, experiências sobre como tratá-las, isso tudo regado a milhões de reais ou dólares. A água sim é uma fonte de riqueza literalmente para o homem, até no leite colocam água, jorram fortunas nas secas, nas enchentes... Ah! Tem até desvios de rios veja só, tudo onde o homem toca a mão para mexer em relação água, ele tira dinheiro.
 
Em termos de saneamento básico estamos em 112º lugar no mundo. Com relação a tratamento de água e esgoto, nossos rios e represas estão poluídos, ao andarmos em São Paulo vemos diariamente água sendo jogada fora, lavagem de carros, calçadas, muros, portões, mangueiras jorrando esse liquido precioso! Em uma pesquisa recente que a mídia soltou (em alguns programas de TV) vemos que pela ordem o gasto está assim: 1º - Indústria, 2º - agricultura, 3º - residência. Poderíamos ter economia com reuso, energia solar, formas de gastá-la, ao lavar uma louça, no banheiro, em uma lavanderia, não deixar crianças ficar embaixo do chuveiro por muito tempo... Não existe cursos para economia desse bem.
 
As escolas deveriam mostrar aos seus alunos como era o passado sem saneamento básico,assim como fazem com o trânsito onde ensinam como devem se portar. Em São Paulo, no extremo sul, em Parelheiros, temos poços caipiras, esgoto sendo jogado na rua, nos córregos, fossa séptica... Como tratar da água quando se existe o poço caipira, a distância entre ambos.
 
Vemos muitos prédios e shoppings sendo construídos na capital, mas não pensam na água. Os dados estatísticos estão sendo transmitidos on-line, os níveis estão críticos, a água pede S.O.S., na mídia todos aparecem, mas solução até agora só a médio prazo ou a longo, ou então rezar, orar, chamar os índios e começar a pajelança... Tem São Pedro, esse é o último, enquanto isso nossa parte há que se fazer também.
 
S.O.S ÁGUA!
 
E-mail: viltongiglio25@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 10/04/2014

Com certeza, dava muito trabalho puxar água no poço, mas tínhamos a nossa bendita água de todos os dias e quando o poço começava a secar, erá só chamar o poceiro que o problema estava resolvido. "E agora, José?" O que vamos fazer sem água?

Enviado por Sol - sscosta@prefeitura.sp.gov.br
Publicado em 26/03/2014

Vilton, a situação é crítica, mas não podemos desistir então vamos ensinar principalmente as crianças sobre a importância da água. Que Deus mais uma vez nos ajude mandando chuva no lugar certo.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 26/03/2014

Infelismente a água em nossa terra sempre foi abundante, Vilton, a disciplina em economizar em casa, se torna difícil. Abituados a consumir sem limites, por anos e anos, nunca se imaginou economizar com bastante atenção porque, se vier o racionamento, ai é o começo do fim. Vamos rezar pra que a chuva não demore. Estamos há três meses sem aquela chuva gostosa de todo verão. Daqui a pouco vem a musiquinha

"... são as águas de março fechando o verão..." O verão está fechado e a água, niente...nada...

Parabéns, Giglio.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 26/03/2014

Vilton, sabemos que dependemos de chuvas, de infraestrutura para essas ocasiões, e de consciência do povo nas economias de agua, enfim todos tem um pouco de culpa, mas creio que com os projetos em andamento de agua de reuso e cisternas em predios de condominios as coisa melhorem. A Guarapiranga esta cheia, falta melhor interligação ao sistema cantareira, apesar dela esta muito poluida, até dizem que nós paulistanos não bebemos agua e sim bebemos esgoto tratado, Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 25/03/2014

Vilton, a coisa está preta, agora vem as soluções de afogadilho e fica como aquele ditado que diz: "Em casa que não tem pão, todos gritam e ninguém tem razão", pobre Brasil. Parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 25/03/2014

Vilton, não sei se você sabe, mas São Paulo é uma das únicas grandes cidades do mundo em que água potável é usada onde poder-se-ia usar água de reuso.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 25/03/2014

Meu caro Vilton, infelizmente, com muito atraso, estamos começando a entender a necessidade de comprometimento e todos os cidadãos para que a água não falte. Será ainda muito árdua a batalha, certamente. Mas estamos começando, repensando nossas atitudes... mas demooooora. Até porque brasileiro adora reclamar, se queixar do poder público, mas na hora de agir a coisa muda, dá trabalho e lá vem a eterna desculpa: "eu pago imposto, quero isso, quero aquilo". Claro que temos direitos e temos que lutar por eles, mas temos que agir no cotidiano pela preservação da vida, independente de qualquer vontade política. Vamos chegar lá, mas que demora, demora. Abraços.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 25/03/2014

Giglio- Aqui no interior é a mesma coisa. Muito desperdicio. Tem uma senhora aqui na nossa rua que tem até piada sobre ela, mas ela não está nem ai. Todos os dias as 06:00 da manhã lá está ela lavando a calçada. Só não lava nos dias que chove é mole. Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 25/03/2014

Vilton,toda a minha infância e juventude morei só tendo água de poço.Lembro da minha mãe tirando a água do tanque onde havia esfregado a roupa e colocando em um tonél daqueles antigos para jogar no banheiro e lavar o quintal,ela nos dizia:Não podemos desperdiçar água porque o poço pode secar...e era verdade tive muitos vizinhos que buscava um balde d´agua em nosso poço,porque o dele estava no fundo e era só lama...Hoje penso na conciência que minha mãe já tinha da natureza e da água em nosso planeta...está na hora de começarmos com poços artezianos nos locais que os permitam serem instalados,seria um pequeno começo...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »