Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Bailes de formatura Autor(a): José Aureliano Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 18/03/2014
Na época (graças a Deus – no meu modo de pensar) não existia os bailes funk, imperando nos salões os sons dos boleros, samba e o rock and roll. Deixando do lado o rock, dançávamos juntinho com a garota e dependendo da intimidade bem agarradinhos. Se a música fosse bem lenta, nós nem saíamos do lugar. 
 
No primeiro ano ginasial, formava-se uma comissão para arrecadar fundos para esse tão esperado baile. A principal fonte de renda eram os bailes aos finais de semana feitos na garagem da casa de um aluno. Cobrava-se uma pequena quantia para entrar e vendiam-se bebidas, que na época eram as famosas “Cuba Libre” (Coca-Cola, rum e limão) e Hi-fi (vodka e refrigerante de laranja Crush). Cerveja na época nem pensar. O maestro encarregado do som era um dos alunos que ficava trocando os famosos “LPS” nos toca disco “Pick up” daquele tempo. Tinha-se até um apelido sobre essa orquestra intitulada “Pick Up e seus negrinhos” (negrinho, referia-se a cor dos LPs). 
 
O meu amigo Edson Bras estudava no Colégio Ascendino Reis que fica na Rua Tuiuti no Tatuapé, onde ele fazia parte da comissão e nos finais de semana não perdíamos nenhum baile conhecidos como “baile de fundo de quintal”. Dos colégios Estaduais da Zona Leste, o baile de Formatura mais esperado era o do Ascendino Reis, com convites vendidos até no câmbio negro. O outro colégio famoso por seus bailes era o “Caetano de Campos”, que fica no Centro de Sampa, ao lado da Praça da República. Esses convites além de serem difíceis de se arrumar, tinha peso de dólar, para nós do Colégio de Elite. 
 
Começaram a exigir como traje para os homens o “smoking”, que para mim o custo não era lá para o meu bolso, e teria que aposentar o meu famoso terno preto feito pelo alfaiate Sr. Shimada, lá da Vila Mariana. A mamãe Helena ficou encafifada do porque de eu estar recusando de ir a esses bailes, e justifiquei o traje especial que estavam exigindo. 
 
Conversando com suas amigas no seu trabalho, uma delas levou um smoking do filho para ela ver como era confeccionado. Não deu outra, com sua habilidade de costureira, transformou meu terno preto em um lindo smoking, sendo admirado e até cobiçado pelos meus amigos. Passou a ficar em lugar de destaque lá no meu guarda roupa, só aguardando os primeiros meses do ano em que começavam a surgir esses bailes. 
 
Os clubes da época eram: Clube Pinheiros, Salão do Aeroporto, Primeiro de Maio, Circulo Militar e Clube Homs. As orquestras prediletas que nós mais gostávamos eram: Pocho e sua Orquestra, Zezinho da TV e Simonetti e sua Orquestra. 
 
Os bailes eram maravilhosos, o ruim era que íamos de buzão e os bailes terminavam as 4h da matina e os ônibus só começavam a circular as 5h da manhã. Mas, para mim, todos eles valeram a pena cada minuto sentado na sarjeta aguardando o buzão. 
 
Apenas o Adilson que morava na Rua Vilela lá no Tatu (seu pai tinha uma farmácia na Rua Vilela) dirigia um carro, do pai, e nos levava. O outro era o Moisés (turco) que dirigia o carro de sua irmã. Ela era muito legal e emprestava o carro para ele dirigir. 
 
Bingo! Surgiu o tão esperado! Quatro convites do Caetano de Campos dado pela irmã do Moisés pela primeira vez em nossas vidas. Na medida certa: Eu, o Edson, o Moisés e seu melhor amigo, o Alceu, seu vizinho. O galo nem cantou e eu já estava de pé, indo levar o smoking para tinturaria do Sr. Roberto (japonês com nome de Roberto? Bem que devia ser falsificado vindo do Paraguai - risos). Demorei tanto no banho que a mamãe perguntou se eu havia tirado toda a craca (crosta de sujeira) com caco de telha (risos). Confesso que abusei do “Lancaster” (perfume da época), mas era “nóis” no baile minha gente. As 22h lá estávamos nós em frente ao Clube Pinheiros tomando um Martini doce e estranhando o movimento em frente ao portão principal do clube e o salão todo apagado. 
 
O balconista nos confidenciou que estava tendo um problema com a comissão da formatura. E foram chegando gente e mais gente, e como ninguém podia entrar, virou um verdadeiro desfile de modas em frente ao clube. As moças todas de vestido longo, cada vestido de uma cor e os pais e parentes todos de smoking (parecia festival de garçons), todos muito lindos, podendo se dizer maravilhoso.
 
 Vocês não acreditam, mas o pessoal da comissão sumiu com o dinheiro e não contrataram nada! Chegou até carro de policia para controlar os ânimos dos formandos. E o baile não aconteceu. Um a um foram indo embora, ficando para traz os quatro babões ou pés frios - não sei qual melhor adjetivo para nos qualificar naquele momento. 
 
 
“Adeus amor eu vou partir;
Ouço ao longe um clarim!
Mas onde eu for irei sentir;
Os seus passos junto a mim.”
Com esses acordes a Orquestra Simonetti se despede, agradecendo os senhores formandos e familiares...
 
Todos esses bailes tinham um horário britânico; terminavam impreterivelmente as 4h da manhã. A única noticia boa para nós naquela noite é que estávamos com o Moisés e fomos embora de carro. Já pensaram ter que ficar aguardando o buzão das 1h30min  da manhã até as 5h?
 
Enfim: Ver com os olhos, lamber com a testa...
 
E-mail: joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 26/03/2014

caro amigo Jose

lembro que iamos nos bailes normais de terno escuro e gravata normal, depois alguem arranjava um convite pra baile de formatura, mais para ouvir a orquestra e tomar cuba libre do que pra dançar....as meninas desses bailes raramente sabiam dançar....mas antes tinhamos o cuidado de tirar a gravata comprida, atravessar horizontalmente pelo colarinho, jogar as pontas nas costas colocar o paleto, e pronto....ja estavamos a rigor.....abraço

Enviado por José Camargo Beira - josebeira@hotmail.com
Publicado em 20/03/2014

Só quem passou por estes tempos de ouro da nossa juventude é que pode se derreter de saudades e emoção ao ler sua narrativa...

A gente lê e relê esta história da sua juventude,procurando nela um espaço para nos encaixar naquela época e sentir novamente o gostinho da alegria e o sabor das emoções que apareciam em cada baile...em cada formatura...Valeu muito a pena!!!

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 19/03/2014

Faltou o lenço,era só alegria e muito romantismo,as "mina" era uma mais bonita que a outra,hoje só tem "tribufo",obesas,etc e tal,as "as tiazinhas de hoje ainda são charmosas como sempre,embora estejamos muito gastos com o passar dos anos,mas vale a pena.

Caso tivesse o Procon,a PLIN-PLIN,imprensa para detonar a história seria outra,quer naquela época já tinha os "171","pau neles",põe na tela esses vagabundos" entre outros palavreados.

Foi uma das melhores épocas da Jovem Guarda onde era só amor,hoje Velha Guarda.

Aliás bailes eram todos os sabados ou sexta-feira,imperdidveis.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 19/03/2014

Felizes fomos nós Aureliano...

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 19/03/2014

Lembranças alvissareiras dos famosos bailes de formatura. Uma maravilhosa narrativa daqueles tempos tão alegre, tão cheios de prazeres lúdicos, garotas lindas e as não tanto, aventuras mil com amigos e infinitas emoções com o auxílio materno. É bem verdade que no final da crônica vem a parte amarga, porém não tira o prazer da leitura. Parabéns, José.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 19/03/2014

Ahah!! Aureliano, vc é saudosista. De smoking nunca vesti isso homem, era muita areia pro nosso caminhão. Mas frequentar bailes, e bailões, festinhas americanas, não perdia nenhuma. Parabéns amigo.

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 19/03/2014

José,seu tempo foi tão bom como o meu.Passei por tudo isso que você narra em seu texto. A marca ficou e não vamos esquecer jamais nossa juventude.Só para lembrar, os bailes do Estadual da Penha também eram concorridos, um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 19/03/2014

Belos tempos, belos dias não é?

Parabéns, que bom que curtiu a juventude assim.

abraço

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 19/03/2014

Que sacanagem!

Depois de tanto tempo se produzindo? A comissão apronta essa, é demais.kkk

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 18/03/2014

José, meu querido, que boa juventude você teve! Que felicidade! Deve ter sido muito bom, apesar desse revés. Parabéns pelo texto e pela vida linda que você teve. Receba o meu abraço cordial.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »