Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Gosto não se discute Autor(a): Clesio de Luca - Conheça esse autor
História publicada em 14/03/2014
Tenho escrito algumas histórias que são publicadas no site SPMC, mas também tenho histórias rejeitadas, porque a equipe entende que não se refere à cidade de São Paulo. Escrevemos para o leitor, presumindo que o amigo leitor, tem sentimentos e ideias parecidas com as nossas. Se, por exemplo, falando de música, estou supondo que o leitor apreciará o texto que se refere a um estilo de música, a algum gênero musical bastante difundido e vai lhe trazer alegria e satisfação pelo fato de estar chamando atenção para alguma modalidade de canções.
 
Recentemente escrevi uma crônica que se referia ao fado. O fado, de quem os portugueses de todos os lugares do mundo gostam, claro sem unanimidade, porque unanimidade não existe, igual a uma certa cor, nem todos gostam do azul e do verde. Mas quem gosta precisa ser respeitado. Eu gosto e está resolvido. Eu não gosto dessa cor e está também resolvido. Não há discussão sobre gostos. "Gosto não se discute!".
 
Dizia que o fado sofre restrições da intelectualidade. Os intelectuais não gostam muito do fado por ser considerado um gênero que nasceu na rua, nos becos, na clandestinidade, na prostituição de ambientes frequentados por quem desejar. Pessoas, sentindo-se só, procuram ambientes que desejarem, fugindo da solidão e de lugares onde não são aceitos, não são recebidos com presteza. Há quem pague para ter companhia, porque nem sempre se dispõe de companhia que de deseja, somos “rejeitados”, coisas de humanos. Humanos têm dessas coisas que dificilmente encontramos junto aos animais. Claro os animais também discutem, brigam por seus territórios, demarcam-no, defende, protege...
 
Não estou querendo dizer que os textos que escrevemos são obrigados a publicar. Estou defendendo o direito de escrever sobre determinados temas, pensando no prazer do leitor de ficar conhecendo nossos gostos e assim poderemos influenciá-los em algum tema ou gênero, cativando o leitor para perto de nós.
 
Textos sem discussão são aqueles que falam sobre a cidade de São Paulo. Ora quantos ambientes gostosos existem em São Paulo? Quantos portugueses moram no Brasil e em São Paulo? Quantas colônias de portugueses existem na capital São Paulo? Ora penso que não dá para diferenciar os portugueses descendentes que sejam paulistanos e que não gostam de suas origens. O fado português, pois conheço portugueses aqui em minha rua, é uma música típica por qual eles são apaixonados, não só do fado, mas de cantores portugueses e nacionais. O português, como o italiano, alemão... Gostam de música, são apaixonados por músicas que lembram os “patrícios” de algum modo.
 
Portugueses em São Paulo são normalmente donos de estabelecimentos comerciais, como lojistas de confecção, roupas, armarinhos, linha, tecidos, roupas para confecção e uso pronto. São algumas maiorias donos de padarias e confeitarias, bares e restaurante, comércio de frutas de todos os tipos. São comerciantes natos e é difícil encontrar um português que seja pobre, paupérrimo, bêbado e desprezado. Eu não conheço nenhum. São muito espertos e gostam de dinheiro. Dificilmente um português é logrado, ao contrário, se não se toma os devidos cuidados logram os outros.
 
É a característica portuguesa. São donos de restaurantes que tem no bacalhau, por exemplo, o prato principal de seu estabelecimento. São afeiçoados a sua cozinha, além do bacalhau outros pratos estão na mira dos portugueses e do vinho português um dos mais apreciados ao paladar de todos. Espero que o que esteja escrevendo fique bem claro que estou defendendo o gosto do português, nossos “descobridores” vindos do além-mar.
 
Eram degredados, sentiam saudades de suas terras, de seus cantos e aldeias portuguesas, ruas e vielas, travessas e subúrbios.
 
Citei, não dava para deixar de fora a amada, Amália Rodrigues, cantora e atriz tendo se revelado ao mundo através das canções do fado, “meu fado”, como dizia. O fado em geral é triste, pois provém da alma saudosa, ou de um amor distante, correspondido ou não. O fado é a respiração do português quando se sente só e triste. Por que não dar essa alegria a ele, se ele desejar?
 
Minha pretensão ao escrever um texto no SPMC sobre o fado, juro era para despertar o interesse ao fado, para os brasileiros cá do mar, pois nós, brasileiros, somos adaptáveis aos gostos dos outros, sejam japoneses, chineses, asiáticos, ingleses, americanos... Nosso coração é grande, cabe todo mundo! Por isso é que o Brasil é procurado, buscado, querido... Até pelo nosso samba, nossa ginga, nossa alegria, nosso futebol, que encantou o mundo depois da Suécia em 1958 - primeiro título mundial de futebol.
 
Não fiquei chateado nem aborrecido com a equipe por que rejeitou o meu texto. Sempre que temos rejeição à alguma coisa é uma forma de projetarmos novas ideias e sentimentos de outra maneira e assim sermos aceitos.
 
Minhas primeiras histórias, mostra-me teu rosto, não lembro bem dos títulos, lá em 2007 se referiam aos portugueses e neles destacava a figura portuguesa, em geral bruscos, e indelicados, mas só na aparência e no modo de serem. Coitados, de um lado para outro, de navio ou de avião, até de ônibus percorrem e percorreram o mundo inteiro a procura de alegria e de felicidade, sobretudo sobrevivência.
 
Sinceramente, como os conheço bem, tenho meus amigos portugueses, apreciadores de uma boa conversa e boas piadas, não estão nem ai para aquelas nossas piadas denegridoras de suas imagens. Eles sabem o que são trabalhadores, geralmente honestos e empreendedores. Duvido que ajam pessoas que não conheçam nenhum português. Português é cidadão do mundo, conquistaram seu lugar, admiro-os, respeito-os aprecio-os. Fale do fado para eles? Vão dar boas risadas e boas gargalhadas, está no sangue. Se os portugueses têm suas preferências, como não teriam os paulistanos? Mas falar do gosto dos paulistanos, já é outra história.
 
Era isso.
 
E-mail: clesiodeluca@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/03/2014

Todos me acharam uma doida de carteirinha,eu mandei uma explicação para o Clesio pôr e-mail sôbre meu comentário desta publicação Gosto não se discute, e quiz aproveitar o e-mail para colocar no comentário daqui do SPMC pois bem,além de fazer várias coisas ao mesmo tempo no escritório,as vezes eu escrevo falando ao telefone,não me perguntem o que fiz para tanta repetição nas frases que nem eu sei explicar,mas foi realmemente uma poluição visual das grandes.Penso que estas aberrações não deveriam ser publicadas já que passa por avaliação antes. Peço desculpas ao Clésio e a todos que tentaram ler. Obrigada!!! Walquiria

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 19/03/2014

O que interessa, Clesio, é o texto. Ele sendo atraente e bem escrito, vale muito pra quem escreve e principalmente pra quem o lê. Seu ensaio está ótimo´desenvolva mais, enriqueça com detalhes e então, não vai haver "devolução". Parabéns, de Luca.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 19/03/2014

Meu avô veio na 3 classe de Portugal, aqui virou tropeiro, fundou um arraial, e foi lá que eu nasci.

Essa história é longa mas tb não tem nada a ver com SPMC, mas tem a ver com a minha descendência.

Vamos falar de São Paulo e dos anos lá vividos.

Um abraço.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 18/03/2014

Meu querido Clésio,talvez as palavras foram abreviadas e o comentário ficou sem entendimento...Aproveitei o nome do texto e repeti Gosto não se discute.O Meu querido Clésio,talvez as palavras foram abreviadas e o comentário ficou sem entendimento...Aproveitei o nome do texto e repeti Gosto não se discute.O que seria se todos gostassem do...... é um ditado antigo que voce citou no qual se definia o gosto de cada um,quanto ao gostar apenas do seu povo quiz dizer que agrego todos os povos em meu gosto inclusive o Fado português no qual voce se referiu sendo uma das histórias que não publicaram...Eu não esclareci muito bem o desgostar das coisas que me incomodam,referentes a música,já que este era o assunto,talvez por estar muito desgostosa com estas aberrações musicais que aparecem no dia a dia e eu não quiz citar claramente ,pois tem os que gostam... enfim,não quiz citar paises ou raças ou gostos pessoais para não melindrar ninguém. que seria se todos gostassem do...... é um ditado antigo que voce citou no qual se definia o gosto de cada um,quanto ao gostar apenas do seu povo quiz dizer que agrego todos os povos em meu gosto inclusive o Fado português no qual voce se referiu sendo uma das histórias que não publicaram...Eu não esclareci muito bem o desgostar das coisas que me incomodam,referentes a música,já que este era o assunto,talvez por estar muito desgostosa com estas aberrações musicais que aparecem no dia a dia e eu não quiz citar claramente ,pois tem os que gostam... enfim,não quiz citar paises ou raças ou gostos pessoais para não melindrar ninguém.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 18/03/2014

Realmente gosto não se discute,o que seria do vermelho se todos gostassem do azul,o que seria do mundo se cada um gostasse apenas do seu povo...Eu gosto de coisas que me fazem bem aos ouvidos e aos olhos,e sou muito fácil de gostar das pessoas e das origens na qual pertencem...mas também sou mais fácil ainda em desgostar do que me incomoda...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 17/03/2014

CLESIO, eu tambem tive mais de 50 textos rejeitados, pelo spmc.

inclusive uma historia da av, paulista.cujo titulo foi

A FACE NEGRA DA AV> PAULISTA.

nao entedi porque a rejeiçäo.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 15/03/2014

Clésio, na Penha, bairro em que eu morava, tínhamos amigos portugueses, italianos e japoneses, todos morando na mesma rua e frequentando os mesmos lugares. Aprendemos a gostar do fado e das lindas musicas italianas, já as japonesas não me lembro.O site tem um objetivo e acho que não podemos perdê-lo de vista. Parabéns pelo seu texto e viva o fado.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 14/03/2014

E viva o fado, Clésio. Viva os seus relatos também. Abraços.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 14/03/2014

Clesio - Minha esposa viajou para Sorocaba e fiquei aqui em Vera, e a neta que não desgruda dela ficou aqui comigo. Escrevi esse final de semana com minha neta também acreditando que vocês iriam curtir um avô babão com a neta num final de semana. E o texto foi rejeitado porque aconteceu aqui em Vera Cruz. Vamos mudar algumas regras e alegrar essa maioria que vive diariamente com o SPMC como um jornal diário que é nosso . Abraços ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 14/03/2014

O fado é muito bonito e mexe com o emocional, assim como o tango também nasceu em becos e vielas por onde reina a chamada vida fácil, que de fácil não tem nada, por isso carregam na emoção em suas letras.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »