Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias É mole, Chico? Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 07/03/2014
 
Criança ainda, entrei pela primeira vez na Igreja de São Francisco, no largo do mesmo nome, no centro de São Paulo.
 
De mãos dadas com a minha avó eu fitava, de olhos grandes e atentos, as imagens, a organização daquele espaço de fé, para mim novo. Mas tive medo daquele silêncio, das preces sussurradas pelos lábios de tantas fieis contritas.
 
Desde cedo me apaixonei pela figura histórica de São Francisco de Assis. De origem bastada, Francisco abandonou a riqueza para se dedicar aos mais humildes, com uma filosofia profundamente humanista e reformadora dos conceitos até então vigentes.
 
As ordens franciscana e dominicana são mendicantes e os seus fundadores, Francisco e Domingos, mostravam que era possível viver a pobreza, a verdade do Evangelho como tal, sem separar-se da Igreja. Essas ordens nasceram em uma Europa medieval carregada de uma religiosidade severa, obviamente conservadora, em que se valorizava o pecado, a obediência e o medo do castigo eterno. A mesma Europa com as constantes aberrações das grandes fomes, epidemias, peste bubônica, mas, ao mesmo tempo, precursora da Modernidade, da Renascença e Portugal e Espanha se lançando ao pioneirismo na dominação de novos espaços.
 
Com a minha avó aprendi seriamente a respeitar os mais simples. A honradez era uma das primeiras palavras do seu vocabulário não necessariamente pronunciada, mas vivida.
 
A minha avó não falava de São Francisco, mas era notório o seu conhecimento daquela figura extraordinária, serena e alegre, atuante e renovadora. Muitos anos depois de entrar pela primeira vez nessa igreja, de mãos dadas com a dona Noêmia, filha de imigrantes calabreses, tive o privilégio de ser colega de estudos de uma freira franciscana, a Irmã Laurina. Com ela aprendi muito e, principalmente, a ter uma amizade maior com o santo.
 
De tanta amizade, admiração, intimidade nos sentimentos e respeito, virou simplesmente “Chico”. E a gente se entende muito bem assim. Mas, agora, depois de uma encarnação de mais de meio século, me pego preocupada.
 
Sempre achei o máximo a Oração de São Francisco. Já cantei aqueles versos, me arrepiei, divulguei, compilei algumas vezes, mas, confesso, não está fácil. Como é que eu vou levar o amor quando me deparo com “trocentos” bandidos todos os dias por esse Brasil varonil? 
 
Como vou perdoar quando alguém faz algum comentário ofensivo ao filho amado?
 
Como vou conseguir levar alguma verdade quando hoje errar brutalmente é tão corriqueiro e sem consequências? Para alguns é até bonito.
 
Como é que vou conseguir levar alguma luz a quem vive nas trevas e não ser chamada de “velha babaca, sem noção”?
 
E ainda: existem momentos que a gente precisa de consolo.
 
Como é que eu vou compreender aqueles milhares que teimam em usurpar dos outros alguma dignidade, o direito a ser feliz, a ter paz?
 
Mas eu também quero amar. E ser amada.
 
Do jeito que as coisas vão, Chico, tá difícil.
 
Mata-se por quase nada. Por um par de tênis. Pela camisa do time rival. Por uma manifestação de rua. Bate-se na professora. Xinga-se o pai e a mãe. Embebedam-se. Mentem. Agarram-se ao egoísmo supremo do uso abusivo das drogas. Roubam e se riem.
 
Eu me lembro de tudo o que a minha avó, os meus pais e professores ensinaram. Eles se dispuseram a fazer o mundo melhor através de nós. Incansavelmente.
 
Chico, eu te adoro. Já te esculpi até, com uma carinha muito simpática. Já pintei você e coloquei a tela no quarto da minha sogra quando ela lentamente se preparava para partir. Eu queria que você estivesse com ela. Eu te chamo para sair comigo – e você vai – e está sempre no meu coração. Acompanha o meu filho na sua difícil jornada.
 
Mas do jeito que as coisas estão, eu te pergunto: é mole, Chico?
 
E-mail: vmoratta@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/03/2014

Vera querida irmã. Não sei se vou lhe decepcionar, eu não sou católico, não sou nada, e nem acredito muito nisso não, mas concordo consigo, nem o Chico está sentido que é mole, porque não está mole para ninguém, nem para o Santo.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 12/03/2014

Vera, seu desabafo e depoimento me leva a sugerir: busque orientação nos textos bíblicos, AT e NT. Recentemente, para minha decepção escrevi um texto: Lições da liderança de Jesus, e o site não é que rejeitou?

Não faz mal, deve ter se baseado na regra, falar sobre São Paulo. Não vejo hipótese maior do que recorrer a Jesus Cristo e ao querido São Francisco, que meditando em grutas escuras no final de sua vida terrena dizia: "Meu Deus e meu tudo!". E vivia com sua Ordem Franciscana a fazer o bem, aos leprosos, aos pobres, aos oprimidos...cenário que você descreve muito bem nesta oportuna história. Como seguidor de Cristo, fundamento de um vida equilibrada, não concordo com rejeições desse tipo e me faz pensar bastante do porque escrever sobre a cidade de São Paulo, sem pensar no idealismo puro de Jesus, mas ele também foi rejeitado. Não vamos perder sob nenhum argumento o ânimo. Parabéns querida, seu texto veio mesmo a calhar. Não me canso de diariamente buscar luz para o entendimento nas palavras do santo evangelho: que diz em Mateus 5, 13 "Vós sois a luz do mundo, o sal da terra com que iremos salgar se ele se tornar insosso?

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 08/03/2014

Vera, uma cronica que vem muito a calhar em nossos dias, gostei de sua visão da atualidade realista, só com reza mesmo, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 07/03/2014

Vera você tem toda razão ate o nosso Chico talvez se decepcione com o que esta por ai.Nao é mole não.Ontem eu fui separar uma briga de dois alunos e fiquei com a perna roxa porque o chute acertou em mim, hoje eu fui xingada de idiota só por que eu disse que o menino precisava ter mais educação e detalhe eles tem menos de doze anos. Mas tudo bem eu estou fazendo a minha parte

Enviado por Sueli Aparecida A. Lopes - sueliemail@gmail.com
Publicado em 07/03/2014

Vera, com certeza o Chico irá lhe responder que não é nada mole, nem tão pouco fácil, mas também vai lhe encorajar a continuar confiando.

Assim como Jesus perguntou aos seus discípulos em João 6:67

" Não quereis vós também retirar-vos?"

e no versículo 68 Simão Pedro responde: " Senhor, para quem iremos nós?Tu tens a palavra da vida eterna."

Esse é o segredo,nossa fé nunca pode nem deve ser abalada, e devemos seguir confiante fazendo o nosso melhor sempre.

Beijocas.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 07/03/2014

Vera, quem conhece a vida desse maravilhoso Santo, pode entender perfeitamente, esse seu belíssimo texto É mole,Chico? Acho difícil e quase impossível a vida Franciscana nos moldes do seu fundador, nos dias de hoje. Acredito até que se ele resolvesse ser noviço em alguma congregação de Origem Franciscana, e tentar viver o que ele viveu nos anos 1180 a 1250, ele seria talvez proibido de participar da mesma por estar completamente fora de sintonia com o mundo de hoje. Mas sabe-se lá como são as coisas a Madre Tereza de Calcutá e a Irma Dulce conseguiram viver um pouco disso tudo nos dias atuais. Parabéns pelo texto e acho que Quem já comeu queijo duro sabe que não é mole não. (risos).

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 07/03/2014

Realmente aquele silêncio “barroco” da Igreja São Francisco,parece que o tempo por ali parou nos faz meditar e às vezes desacreditar que possa no mundo lá fora haver uma mudança de comportamento e de valores, aonde até nós não sabemos da resposta e perguntamos constantemente ao Criador o que deve ser feito. Parabéns pelo belo texto.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 07/03/2014

Vera Maravilhosooooo - Você conseguiu atualizar a oração de São Francisco, que encaixa muito bem nessa época em que vivemos. Acrescentaria : Francisco nosso confessionário passou a ser a urna em que nós votamos. São eleitos tantos 'Santos do Pau Oco" que; tudo o que fazemos ( de ruim é claro ) somos perdoados .... Abraços ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 07/03/2014

O Chico pode não te responder, querida Vera, de imediato, mas eu posso. Vc tem a responsabilidade de levar a todos as boas novas sempre, não pare, faça sua parte, outros estarão na incumbência de cuidar de outras partes. A oração de São Francisco de Assis é de uma beleza pura tão edificante que sua singelesa nos leva a pensar na vida com muita, dedicação. Concordo com vc, Moratta, não é facil, as vezes somos sobresaltado por desánimo profundo que a descrença chega bater em nossas portas. Não desnime, querida Vera, o Chico sempre dá um jeito. Parabéns e um forte abraço.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 07/03/2014

Vera, com certeza o mundo atual está bem longe dessa dignidade da sua avó, e dos homens santos que a humanidade já teve.

Mas não percamos a esperança de um mundo melhor.

Abraços.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »