Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Ano Novo. Novo? Autor(a): Marcos Aurélio Loureiro - Conheça esse autor
História publicada em 30/01/2014
Sabe, eu não me lembro do ano não. Só sei que ainda não era a década de 70. Portanto, eu não tinha nem batido nos vinte, hoje já estou batendo nos 64. Estava eu assistindo ao mais paulistano de todos os programas de televisão, de ontem, hoje e acho que de sempre. Tevê Record, canal 7: A Praça da Alegria. Por ali desfilavam Ronald de Golias, Borges de Barros, Simplício, Moacyr Franco, dentre muitos outros. Todos eles ancorados pelo inesquecível e insubstituível Manoel da Nóbrega.
 
Sei que era o último programa de um ano antes de 1970, e neste dia o Murilo de Amorim Correia (lembram-se dele? O Comendador Vitório), no lugar de representar o seu costumeiro personagem, estava representando um índio, estranho, porque normalmente quem representava o índio era o Luiz Delfino, mas neste dia quem representou foi o Murilo. Depois do esquete normal, o índio estava se despedindo do Manoel da Nóbrega e ele disse:
- Feliz Ano novo índio.
 
O índio recrutou: 
- Ano Novo? Vai ter Ano Novo?
- Vai, a semana que vem já é Ano Novo - respondeu o Manoel da Nóbrega.
 
O índio então retrucou: 
- Quer dizer que na semana que vem não vai ter mais fome, nem crime, nem criança passando frio e sem escola, todo político vai ser honesto, não vai mais ter guerra, brancos e negros vão ser todos iguais, vai ter hospital para todo mundo? - e outras coisa mais que eu não me lembro.
 
O Manoel da Nóbrega, sem jeito, respondeu: 
- Não “né” índio, não!
 
O índio então respondeu: 
- Então não tem Ano Novo nenhum. “Tá” tudo velho.
 
Pois é, por aí a gente vê que a coisa é antiga, bem antiga mesmo. Quem sabe um dia a gente consiga desejar um “Feliz Ano Novo”, mesmo.
 
E-mail: marcoslour_ti@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 31/01/2014

E VERDADE, AS FRASES FELIZ NATAL,E UM FELIZ ANO NOVO, SAO AUTOMATICAS

ELAS NAO VEM DO CORACAO.

E TUDO REPETECO.

ALIAS EU DESEJO A TODOS UM LINDO ANO.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 30/01/2014

Não existe coisa mais velha nesse nosso mundo do que o Ano Novo. Só eu já falo e ouço gente falando dele nele a mais de 68 anos. Boa lembrança Loureiro, parabéns.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 30/01/2014

Marcos, o tempo passa, mas as coisas continuam na mesma. Também estou aguardando um feliz ano novo de fato. Um abraço

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 30/01/2014

Eu nunca tinha pensado o quanto é verdadeiro este modo de analisar esta incansável e repetida frase Feliz Ano Novo!!!Se analisarmos os meios de comunicações jornal,rádio, tv etc...soltam para todos os lados Feliz Ano Novo...Feliz Ano Novo...Mas a realidade é outra,são poucos os que podem ter este previlégio...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 30/01/2014

Os índios são espertos Loureiro. É por isso que eles querem apito. Risos Concordo com ele Marcão . Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 30/01/2014

Pois é, Loureiro, de ano novo é só o calendário, mesmo. Parabéns pelo texto.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 30/01/2014

Pois é, Marcos. Esse ano novo a gente tem que construir a cada dia. E como é difícil! Um abraço carinhoso. É sempre bom te ler.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »