Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Um cometa chispa no céu azul (e creme) Autor(a): Rubens Cano de Medeiros - Conheça esse autor
História publicada em 11/10/2013
A gente vê na mídia: a Viação Cometa festeja 65 anos! Nas estradas, principalmente as paulistas, a trajetória da empresa tem sido de pioneirismo e vanguarda. Desde os primórdios, que remetem a 1948. Um cometa fulgurante, determinado, no caminho do futuro. É claro que essa epopeia é também memória paulistana. Eu, igualmente paulistano de 65 anos, testemunhei – tal qual testemunhou São Paulo – esse caminho de sucesso.
 
De meu distante tempinho de moleque de Vila Mariana – lembranças que vêm à tona com a mesma rapidez da passagem de um cometa – meus seis, sete anos – eu já gostava de ônibus. É, São Paulo! “Da garoa, São Paulo que terra boa!”... Era o rádio a consagrar aquele inesquecível IV Centenário, de luzes e cores! São Paulo dos bondes vermelhos; chaminés de tijolinhos fumegando trabalho; das chácaras de portugueses; de “arrabaldes” ainda bucólicos...
 
“Ah”, os belos ônibus “coaches”, “azul-e-creme”! Lembro bem. Eu os via, deslizando suave, na (falavam assim) “aristocrática” Av. Ipiranga. Nos letreiros, destinos que despertavam a atenção do moleque (eu nem fazia ideia onde se situavam): Jundiaí, Campinas, Poços de Caldas, Rio de Janeiro! O moleque ouvia dizer, lia no jornal: moderníssimas, Via Anhanguera, Via Dutra! Eu lá conhecia? Mal e mal, outra “maravilha”, rainha da serra: Via Anchieta! Que túneis e viadutos!
 
“Ah”, sim! Vezinha ou outra, a Anchieta! Alcançada a partir daquela pequena agência da Viação Cometa. Uma porta só ou duas, tão pequena, na Clóvis Beviláqua. Logradouro que à época – grandona – verdadeiro terminal de linhas de bondes e ônibus, não? Agência aquela pertinho do (tão diferente de hoje) Corpo de Bombeiros: “Paiê, olha a escada Magirus, que comprida!”... E mais à frente, na esquina da Tabatinguera, outra agência semelhante. Mas do eterno concorrente, também pioneiro, Expresso Brasileiro. Era, à época, um tal de “azul-e-creme versus verde-e-amarelo”! Bom para os passageiros!
 
Pois daquela Clóvis era que partiam os lindos ônibus “Twin-Coach azul-e-creme”, da Viação Cometa, rumo a Santos e São Vicente! Os “Twin” de suave balanço... Eu até recortava os reclames, velhinho! Anúncios da Viação Cometa nas páginas de A Gazeta! Aqueles ônibus americanos belamente desenhados em “preto-e-branco” – para o moleque, a mais colorida das emoções! Lembro bem. “Unforgettable”.
 
Pois àquele tempo, anos 50 – que o relógio da eternidade cronometra como além de meio século, já – meu entusiasmo vibrava ainda mais! Coisa corriqueira porém, para o moleque, agradável surpresa! Foi de quando conheci uma “outra” Cometa (que era, claro, a mesma). Era que eu, lá na “minha” Vila Mariana só de CMTC, eu nem supunha. Que uma empresa “da estrada” – Viação Cometa – tinha ônibus “de rua”, urbanos. Para mim, inusitado! Linhas que saíam do Belém. Perto do grande “Largo do Belém”, de lojinhas, da igrejona, do bonde 24. Rua Cajuru, de grandes fábricas, eu notava. Linhas Vila Diva e Sapopemba; Vila Formosa e adjacências (falavam assim?). Ônibus da Viação Cometa – mas de “duas portas” – “azul-e-creme”. Que virariam “vermelho-e-creme”. Ainda assim, Viação Cometa. A própria.
 
Vim a saber bem depois. Alguns daqueles ônibus do Belém eram até veteranos das ruas de paralelepípedos (ou até de terra). Velhos mas robustos ACLO, de grandes faróis e – falavam – “câmbio semiautomático” (“hã?!?”). Ingleses. Do pós-gerra. Porém a maioria da frota, por outro lado, os que me impressionavam mesmo, eram os então novos “coaches brasileiros”, de motorzão traseiro um rugido de leão! Eram os (eu nem sabia) GMB-ODC. Com os quais a Cometa padronizou até toda a frota. Os sabichões ditavam conhecimento: motor “marítimo”, “dois tempos”, Detroit diesel, “blá-blá-blá”... Eu? Eu só os devorava com os olhos! E as retinas registravam detalhes, como o matraquear de uma máquina de escrever! Tudinho.
 
Memória paulistana? Ora, é o SPMC, sabemos. A Viação Cometa também compõe tal memória de São Paulo. A Cometa é paulistana do passado, do presente – e com passagem já comprada para o futuro. A história seria até um (épico) romance. Eu nunca lhe fui funcionário. Mas a admiro. Como milhares. Só fui eventual passageiro dos confortáveis assentos (poltronas, não é?) viajando o mundão interiorano afora...
 
E assim, pudesse ser eu como que um porta-voz, aí é que eu pediria ao site. Porta-voz de contemporâneos, paulistanos também nostálgicos dos belos coaches importados. Marcaram época na São Paulo que passou. Pediria, pois ao SPMC registrar este quase tributo. À Viação Cometa – de ontem, hoje e amanhã – 65 anos de tradição! Para mim, então moleque, os motoristas de fardamento azul tinham o mesmo charme que outros fardamentos igualmente azuis: os aviadores, do Congonhas!
 
Uma pena, mas a Cometa não guardou um sequer. Dos belos “Twin-Coach”! Eu, “ah”! Eu sim! Um “Twin-Coach” de cromados, luzidio, de luzinhas do freio que acendem “stop”! Tenho-o na garagem do coração, “azul-e-creme”! Que vezinha ou outra... nos sonhos da madrugada... eu, motorista, agora! Quando rodo sob formosa lua cheia imersa em um mar de estrelas brilhantes, o letreiro estampando “saudade”! E então, na larga pista da monumental Bandeirantes, irrompe! De detrás do Pico do Jaraguá! Um “flash brilhante” que chispa, em um piscar de olhos! Um cometa! Célere, no rumo do sempre! “Fsshhh”...
 
E-mail: rcm.rhda.sp@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/10/2013

Srs.

A atual Cometa restaurou um Twin-Coach e o colocou para algumas viagens comemorativas. Maiores detalhes em http://www.viacaocometa.com.br/web/pt/noticias/modelo-restaurado-customizado-onibus-flecha-azul-realiza-viagens-comemorativas-dos-65-anos-viacao-cometa.htm.

É uma viagem ao passado !!!!

Enviado por Sergio Luiz Arduin - arduin@vr.com.br
Publicado em 16/10/2013

Saudosa e tocante recordação dos ônibus da Cometa, prestigiosa empresa paulistana. Rica em detalhes, satisfazendo a todos que se interessam pelos coletivos, sua crônica está em evidência como história de uma grande empresa. Parabéns, Medeiros.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 13/10/2013

Lembro muito da estacão Viacão Cometa la na Av. Ipiranga com a Rio Branco nos comeco dos anos 50 e tambem da garagem que ficava no Braz na Rua Martin Buchart.Naquela estacão da Clovis ao lado do quartel embarquei muitas vezes em viagens para a Baixada Santista como tantos paulistanos .

Rubens boa lembranca que temos da velha Cometa , ainda na minha ultima vizita a nossa terra usei a mesma numa viagem a Aparecida do Norte.Parabens pelo texto .Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 13/10/2013

Rubens, eu adorava os Coach da Cometa em 62 viajei para o Rio. Eram uns ônibus macios, com uma suspensão maravilhosa e cambio hidramáticos. Também viajei muitos anos nos ônibus da Cometa que faziam a linha Belém a Vila Formosa,e Vila Sta. Isabel. Sua narrativa me levou de volta a esse passado gostoso, quando os ônibus interestadual eram confortáveis, pelo menos os da Cometa.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 12/10/2013

Rubens, lembro dos ônibus cometa, fazíamos algumas viagens e ainda faço. Faz pouco tempo fui para Aparecida de cometa. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 11/10/2013

Era um orgulho viajar com a Cometa. Creio que era o ônibus mais confortável de uma época em que não havia tantos buracos e insegurança nas estradas. Parabéns sr. Rubens. Certamente muitas pessoas viajarão em sua crônica, envolvidas em recordações.

Enviado por Marina Moreno Leite Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 11/10/2013

Li o texto e logo fui ver o autor.

Só podia ser você.

Tão bem explicado.

Você falou da Vila Mariana, saudades....

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 11/10/2013

Rubens, também lembro desses ônibus, olhava-os com admiração, também gostava da Viação Pássaro Marrom, viajava nele quando íamos a Aparecida com meus pais, belo tributo em forma de poesia, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
Publicado em 11/10/2013

Rubens, eu me lembro bem dos ônibus da Cometa, viajei muitas vezes por essa empresa, infelizmente não preservaram nenhum veículo daquela época, boas lembranças, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »