Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O II Salão da Criança de 1962 Autor(a): Ivan Consolmagno - Conheça esse autor
História publicada em 30/08/2013

Fui nesse famigerado Salão da Criança... e foi mesmo em 1962. Meu tio tinha uma Kombi e teve a ideia de levar a criançada. Uma dúzia de primos, todos com a mesma idade. Minha mãe foi de auxiliar. Acho que se arrependimento matasse, meu tio tinha estrebuchado ali mesmo naquela hora.

Lá fui eu, com a garotada fazendo fuzuê na Kombi (uma delícia!). Chegando ao Salão, vem palhaço, vai palhaço, vamos à Galera Vicking, ganhamos pasta de dentes anticárie Xavier, chinelos Arco Flex, caneta BIC, mata borrão, pipoca... e cachorro-quente. Foi aí que o GPS da vaca indicou o brejo! Minha mãe deu-me um hot dog besuntado de maionese e a salsicha insistia em não ficar no pão. Vendo-me atrapalhado, tentou ajudar. Enfia a salsicha para cá, empurra para lá, ajeita aqui... e “pluf”! Lá se foi a salsicha patinando pelo chão e se enchendo de confete!

Botei a boca no mundo! Toda atrapalhada e nervosa, minha mãe tentou me consolar: "Eu compro outro!". "Não quero, quero aquele!", respondi malcriadamente. Minha mãe, sem saber o que fazer, apelou ao meu tio. Este então, com pouca paciência, apanhou a salsicha do chão, limpou os confetes, meteu-a no pão e deu-me. "Toma, peste! Engole essa porcaria!". Mas eu não queria, porque estava sujo. "Então pega outro na carrocinha, sarna!". Bati novamente o pé e disse espichando o beiço: "Não quero outro, quero aquele!". Não queria outro e não queria aquele e, assim, fiquei infernizando as vidas de minha mãe e meu tio.

Fui então, seriamente ameaçado de levar uns tapas, assim, calei-me. Mas amarrei o burro. Em vista disso, antes que eu levasse uma surra, minha mãe resolveu por-me no gelo. Fui dar umas voltinhas, furioso com a salsicha, com minha mãe e com meu tio. Mas vai daí, que aparece um garoto com um ar mais ou menos estúpido, segurando uma bola de gás. Não pensei duas vezes. Descarreguei minha fúria enfiando a mão na cara do coitado e surrupie-lhe a bola, dando o fora dali, deixando o garoto chorando, sem ninguém dar-lhe atenção, para meu alívio. Quando apareci no grupo segurando a bola, todos suspeitaram do pior. Chegando em casa, saí da Kombi e fui correndo abrir o portão para mostrar a bola aos demais, mas... a bola escapou-me das mãos e lá se foi pelos ares. Novo berreiro... e bem... dormi quente, naquela noite...

E-mail: corisco15@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 04/09/2013

Ivan essa parece ate uma historia do Joãozinho que vivia sempre aprontando . Com certeza acredito que voce ia quase sempre dormir quentinho , mesmo nos invernos mais frios como estes que estão castigando nosso territorio este ano , rs rs rs Muito boa a tua lembranca das peraltices infantis daqueles tempos . Parabens pelo texto Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 01/09/2013

Esse salão da criança foi marcante para muitos de nós, eu me lembro que foi lá que experimentei a Grapette um sucesso !!!

E tinha um gingle mais ou menos assim: "Quem bebe grapette, repete, grapette é gostosa demais!"

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 31/08/2013

Ivan, lembro desse salão da criança e senti seu drama, acho que todos nós éramos assim como você, valeu, Estan.

Enviado por Estan - estantec@gmail.com
Publicado em 31/08/2013

Até parece história do Ivan o Terrível. Éramos assim mesmo Ivan. Se fôssemos contas as peraltices da nossa infância daria uma novela. Muito legal - Um forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 30/08/2013

Ivan, teimosia era a marca registrada de algumas criancas, eu mesmo levei alguns petelecos do meu pai quando ficava manhoso, parabenspelo texto.

Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lt.ltesser@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »