Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Meu XV querido Autor(a): Joabe Elias Barboza - Conheça esse autor
História publicada em 08/03/2012
No dia nove de abril de 1961, nasci e desde então (50 anos) vivo na Parada XV de Novembro. Cresci vendo o padeiro entregar os pães todas as manhãs no armazém do seu Rogério, que ficava na Rua Damásio Pinto, onde hoje existe os restos da Padaria do Chico - Português, irmão do Abel. Seu Rogério era filho da D. Adelaide - Portuguesa, o padeiro entregava o pão em um Ford tipo Van, é claro que nos idos de 66 e 67 não existia, mas era parecido com a v na de hoje.

Também vi o asfalto chegar na Av. Damásio Pinto, no final de 69 para os anos 70. Foi uma loucura para a meninada! Ficávamos até altas horas brincando no asfalto porque o movimento mesmo era muito pouco. Existia a viação Mogi das Cruzes e a Ferraz, com sua fama de veloz, porque até então asfalto na Parada XV, só na estrada Itaquera - Guaianazes, que ficava lá em cima na parte menos habitada da Parada XV. Uma coisa que nunca entendi foi porque fizeram o traçado da estrada em um local menos habitado do bairro.Hoje isso se inverteu...

O local próximo a Rua Damásio Pinto se degradou a ponto de ficar praticamente abandonado. Antes havia a estação de trem da Parada XV. Convivi muito com o barulho do trem que passava na estrada de ferro que ficava nos fundos de casa. Morei na Rua Damásio Pinto, próximo a fábrica de ferro, assim que chamávamos.

Lembro-me de ter feito muitas compras com minha mãe na Cohap (era escrito assim mesmo), um grande armazém que havia lá na rua. Ali quem atendia os fregueses era o Toshio e o Eduardo.

Joguei muito futebol no terreno onde hoje existe o Colégio Galileu hoje; aprendi a nadar nas lagoas próximas a Fábrica de Papel Primavera. Eram inúmeras e mataram muita gente afogada. Eu mesmo escapei por pouco! Eram grandes poços que as olarias abriam para retirar argila para fazer tijolo; minava muita água na região então formavam-se lagoas com buracos traiçoeiros... Mas tudo faz parte.

Amo a Parada XV, é meu bairro querido! A escola que me alfabetizei foi a Escola Estadual Comendador Mario Reys. Existia a pracinha próxima a Estação Ferroviária (desativada), o armazém do Sr. Pércio perto da porteira. Hoje existe uma sapataria no local juntamente com outras lojas. A porteira sumiu há muito tempo atrás... Até a linha do trem mudou seu traçado, já não passa mais pelo XV, da a volta pela COHAB.

Tinha também o depósito do Zeca (já falecido), o Mercadinho Stuchi, a lojinha da D. Esmeralda, a Loja da Loira - eu achava aquela mulher linda, a Loja dos Japoneses ao lado da loja de Calçados Wilson... Todos estes estabelecimentos ficavam lá no ponto mais agitado da Parada XV, na Estação de trem na Rua Damásio Pinto. “Ah”, tinha também o Japa Dentista, na época era tudo muito estranho... Seu consultório ficava em cima do açougue, ao lado da Loja de Sapatos do Wilson. O dentista era um bom profissional. Confesso que nunca entrei naquele consultório.

Lembro-me também dos times: Acadêmicos PG, Atlântico (do Celcinho, que brigou com o Tibi e fundou o time) e tantos outros... Bem, na minha lembrança tudo permanece como foi há muito, muito tempo atrás.

Quem tiver fotos da região, por favor, compartilhe comigo; ficarei muito grato.


E-mail: jo.abril@globo.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 10/01/2013 naci tamben na parada xv de novembro na rua xavantes numero 52 q saudades da fabrica de papel primavera q apitava um dia ainda quero voltar na minha qrida vila a grtanja do japones seu jorge e da maria seu dito q pasava de carroça para ir trabalhar na olaria do outro lado da linha ferrea nos morava no quintal do seu julio pai do carlao e da julia claldete carmen ali pérto tinha o ferro velho do seu tiao dona dinora deficiente visual a familia do betao tipau tatu lembro do comercio o bar do jonas o mercado tocha o bar do natalino e barsinho do biao na av damasio pinto que bom se auguen tivesse auguma fotos da quela epoca para postar um abraço a todos que ainada moram neste bairro querdo meu apelido nome vado sou filho de celestino e izabel morei na rua xavantes Enviado por nivaldo danini xavier - guinho.anjoamoroso@hotmail.com
Publicado em 24/07/2012 lembro também da sapataria do Pedro perto do mercado Tosha, eu também estudei no Mario Reys.Saudades Enviado por Marli - marliearilton@hotmail.com
Publicado em 16/07/2012 nossa eu ñ vivi nessa época pq eu sou de 77 mas eu vivi a minha vida inteira no xv na leopoldo delisle e sinto saudades da turma estudei também no mario reys e vc com o seu relato me fez chora pq eu tenho saudades dai hoje eu moro no litoral mas sempre que eu posso eu volto para a minha casa que esta la ainda minha familia ainda mora la e obrigado pala sua historia pq eu lembro de muito desses lugares que vc sitou bjusss Enviado por valeria - valeria_oliveira06@hotmail.com
Publicado em 04/04/2012 MEU NOME E AYUMI E MINHA AMIGA CHAMA EVILYN GOSTAMOS Enviado por AYUMI - AYUMIFRANNAKAGAWA@HOTMAIL.COM
Publicado em 12/03/2012 Joabe,vc.não imagina a alegria que senti ao ler sua história,mudei-me de XV de Novembro em 1968,eu era da Vila Brasil,time que meu pai montou pra desenvolver meu futebol,fui muito famoso como jogador em Xv.joguei no Vila Brasil FC.time do meu coração,XV de Novembro,Sete de Setembro da vila progresso,Santa Cruz de Guaianases,Elite e Montepino de itaquera,Zarzurbanco tri campeão bancario melhor time de varzea que joguei,Corinthians Paulista,até no time de cima joguei uma unica partida.Abração Enviado por jose carlos passos - passos45@bol.com.br
Publicado em 08/03/2012 SORTE a sua de ainda viver no bairro que nasceu.EU nasci em ARTHUR ALVIM e se vc ler neste siteSPMC vai saber do meu carinho com toda zona leste ,minha primeira participaçãofoi por saudades do meu bairro.ESTOU morando no interior há 32 anos,mas não posso deixar de lembrar do meu povo,abraços,LUZIA. Enviado por luziahelenajunqueiradasilva - luziahelenajunqueira@ig.com.br
Publicado em 08/03/2012 Joabe, em 76 estreei no Ensino Público e fui lecionar em Itaquera; tomei muitas vezes o Ferrazão, esse que você diz ser veloz. E como era...
Bem, seguindo, gostei de seu texto cheio de saudade e amor ao seu bairro em Sampa.
Parabéns
Enviado por Cida Micossi - cida.micossi@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »