Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Lembranças do Jardim Paulista Autor(a): Roberval Rodrigues Barioni - Conheça esse autor
História publicada em 17/02/2011
Nasci no Jardim Paulista, na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, no antigo (não existe mais), Hospital São Paulo. Minha mãe morava no Bixiga, na Rua Abolição, mas meu pai já havia comprado uma casa na Rua Manoel da Nóbrega, nº 1450 (está lá até hoje) e minha mãe estava brigando para tirar o antigo inquilino, mas assim que eu nasci, ela conseguiu e com menos de um ano, mudamos para a casa nova, bem em frente ao (hoje) QG do II Exército, ao lado do (atual) Estádio do Ibirapuera, aliás, nem o parque havia naquela época.

Logo depois, construíram o Parque do Ibirapuera, para comemorar o 4º Centenário de São Paulo. No lago (que hoje tem luzes e dança das águas no Natal), tinha barquinhos a motor e a remo. Tinha um restaurante e de um deck que dava pro lago, no restaurante, apanhávamos os barquinhos e fazíamos passeios (eu, minha mãe e meu pai) pelo lago. Também ia lá com o tio Natalino, aquele tio, herói, sem filhos, que fazia a alegria da sobrinhada!

Passei toda a infância por lá, a princípio somente em casa, depois brincando com os vizinhos Alfredinho e Beatriz (Tize) e, mais tarde, pelas ruas do bairro com outros amigos, como Fernando Bueno Rocha (Nando - Padre), Renato Glass (que roubava o DKW Vemag da irmã pra gente passear e que depois comprou uma Romi Iseta pra gente bagunçar), Renatinho (cujo pai tocava violino na Filarmônica de SP, tinha um Citroën preto que bateu num bonde e amassou o bonde!), os irmãos portugueses, Paulo, Jorge e Maria do Céu (uma gatinha), a Izaura (com z mesmo, primo amore platônico) e a prima Leia; mais tarde o Cristiano (que morava numa casa com sótão... Que emocionante!).

Depois se mudou o Enéias e a Vera Lúcia (Verinha, magrinha, mas muito legal), a vizinha (que era apaixonada no meu primo) e a prima dela, caipira, que veio passar as férias na capital e que foi minha primeira paquera de verdade (toda noite no Aero Willis do meu pai)...

E finalmente a Tupe, turma da pesada, terror da vizinhança e da mulherada, com Nando, Mosquito (Sérgio, que tinha uma irmã -Loredana-muito linda, mas maluquinha de pedra e apaixonada pelo Bethoven), Bethoven (Tavares de Lima, que morreu no trem dos estudantes de Mogi), Zé (o maluco, com a irmã Vera e sua amiga bailarina Eliete, linda demais, mas que nunca deu bola pra nenhum de nós) e Vetta (eu!).

Quando garoto, as brincadeiras eram (além de tocar campainha na casa das velhas chatas, claro), soltar bombinha, esconde-esconde, amarelinha, queimada, futebol... E a que mais a gente gostava era uma de atravessar a rua num pé só, tendo um pra "pegar". Quem fosse pego ficava no lugar do pegador. O legal é que nunca teve briga ou discussão. Sempre de boa!

Depois, veio a "era das bicicletas". O Alfredinho tinha uma Monark e eu ganhei a minha primeira Caloi. Uma maravilha. Toda a garotada de bicicleta o dia todo andando pra lá e pra cá.

Um dia, tomei o maior tombo! Ralei-me todo, mas continuei firme. Andava o dia todo. Não sei como minha bunda aguentava... Hoje ando um pouquinho e já não aguento de dor na bunda. Naquele tempo, andávamos o dia todo!

Lembro que num programa de TV Record chamado “Esta noite se improvisa”, aonde iam Chico Buarque, Veloso, etc., o Blota Jr. (apresentador) dava uma palavra e os concorrentes tinham que cantar um música que continha aquela palavra. Cantava e marcava ponto quem batia numa campainha. As pessoas do auditório "apostavam" numa urna em cada um dos concorrentes. Aquele que ganhasse, sorteava um apostador e este ganhava uma bicicleta Caloi dobrável, que patrocinava o programa. O Chico sempre ganhava e a minha mãe, que ia ao programa, sempre apostava no Chico e sempre era sorteada! Daí, ela ganhou umas quatro ou cinco dessas bikes, além de passagens aéreas pra Foz do Iguaçu (foi minha primeira viagem pra lá).

Um dia, eu e o Nando, resolvemos ir até a casa da minha prima, na Rua Jorge Rizzo (Pinheiros). Pra ir, até que foi legal, mas nunca esqueci a volta daquele maldito passeio!

Por falar em passeios, tive uma infância privilegiada e inesquecível no Jardim Paulista. Meu pai tinha restaurante (Giratório, que ficava no Largo Paissandu) e em casa não se bebia água. Minha mãe me levou pra conhecer quase meio Brasil pela Vasp (empresa aérea paulista que não existe mais), além de me levar pra Argentina de navio (Eugênio C, na época o maior navio de passageiros do mundo). Ainda criança, conheci Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Minas, Espírito Santo, Rio, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande Sul, além de Uruguai, Paraguai e Argentina, pra onde voltei na lua de mel.

Com o Enéias, já maior, o "barato" era ser super-herói. Botávamos um capuz com furo nos olhos e andávamos pelos telhados e muros das casas dos vizinhos (que nem gatos), tentando flagrar alguma empregada descuidada se trocando. Algumas faziam de propósito. Viam a gente e fingiam que não viam. A gente esperava todo mundo dormir e depois tínhamos um assobio "senha". Daí a gente saia pelas varandas dos nossos quartos, que davam para os fundos e para os telhados dos quartos das empregadas da Rua Rodolfo Troppmayer. Então começavam nossas aventuras...

Com a Tupe, andávamos os cinco pelas ruas Rodolfo Troppmayer, Manoel, Brigadeiro, Salto, Madre Teodora, Pamplona, Tutóia, batatais, Sarutaiá, etc. fazendo sempre a maior farra. Toda volta de festa (normalmente às 3/4h da manhã, porque, naquela época, era possível andar a esta hora na rua sem problemas), a gente passava pra comer um sanduba no Lareira´s da Pamplona.

Na Brigadeiro, abriu uma pista (enorme) de autorama. Virou nosso "ponto de encontro". Passávamos todas as tardes (e as tardes todas), correndo de autorama. Claro que pagávamos uma hora e andávamos seis horas, porque éramos amigos do cara que tomava conta.

Com a maioridade, ganhei um fuscão azul pavão, novinho. Época da Rua Augusta. Bethoven morreu, Mosquito e Zé sumiram e ficamos Nando e eu. Todo santo dia, chegando da escola, pegávamos o fusca e íamos pra Augusta paquerar. Quase toda noite dava algo e acabávamos numa boate, barzinho ou cinema, porque, naquela époc,a ainda não tinha os Drive-in (precursores dos motéis), nem tampouco os motéis. Só mais tarde apareceram os Drive-in (que eram um terreno fechado, com baias onde a gente parava o carro; era só a garagem de um motel), então, alguém vinha servir alguma bebida e depois era só alegria, mas muito desconfortável. Entretanto, era melhor que ficar no carro parado no Ibira, porque os guardas estavam sempre atrapalhando. Aliás, os Drive-in foram uma consequência dos cinemas ao ar livre. Muito em moda nos US, apareceram nos filmes e alguém aqui teve a ideia de copiar (pra variar). Montaram um perto da Cidade Adhemar, mas ninguém ia lá pra ver filme. Só pra "ficar". Daí, acho que resolveram tirar a tela...

Passado algum tempo, o Nando comprou um corcel usado, branco, e passamos a sair um dia no carro dele e outro no meu. Uma vez "ganhamos" duas garotas, saímos e depois fomos levar elas pra casa. Moravam do outro lado da Marginal Tietê, num bairro bem afastado. Não marcamos o caminho de volta e depois ficamos rodando umas duas horas tentando achar a saída, sem sucesso e com medo de parar para perguntar. Aquela noite foi punk!

Um dia, de repente, aparece o Nando e me diz que vai casar! Do nada! Fiquei passado. Perdi meu amigo de farra. Nesse meio tempo, fazendo Técnico em Química no Liceu Eduardo Prado (já não existe mais), conheci o Rossini, a Selma e a Sandra. Formamos um quarteto inseparável. Ao sair da escola, muitas vezes com aulas também à tarde, íamos pros bares da Clodomiro Amazonas tomar chopp. Iam também o Mauro Capocci, o Rafaelle Dolif e mais alguns colegas que variavam, mas o quarteto estava sempre junto.

Nessa época, abriu na Clodomiro um barzinho chamado Villa. Tocava MPB (da velha, da boa, Chico, Vinícius, Tom Jobin...) ao vivo e, assim, começamos a ir pra lá. Toda quinta, sexta, sábado, o quarteto ia pra lá. Tinha música ao vivo, mas não tinha pista de dança. Um dia, a maluca da Selma me disse:
- Estou com vontade de dançar.
Mas não tinha onde! Daí, eu brincando disse:
- Sobe na mesa.
E não é que ela subiu! Resultado: fomos expulsos do bar, claro, depois de muita confusão, mas quando voltamos na próxima semana, tinham tirado umas mesas e feito uma pistinha de dança. Acho que lançamos a moda!

Logo abriram mais “trocentos” barzinhos de MPB e música ao vivo, com pista de dança. Virou moda. Urso Branco, Villa II, todos na nova Avenida Ibirapuera que passamos a frequentar.

Quando não tinha o Belini (irmão do Rossini) tocando na casa de um de nós, tinham as "casas de samba". Nesta época, também apareceram as boates (que não eram inferninhos) badaladas. Ton Ton, Mau Mau, Caleche, Papagaios, etc.

Nossos programas eram: boates, casas de samba, Rua Augusta, casas de batidas (também na Clodomiro - Mestre das batidas, Titulares das batidas - e mais tarde Batidas Coco Verde, que era da turma - uma próxima turma), café no aeroporto, para arrematar a noite ou sopa de cebola no Ceasa (que eu detestava). Tinha também um lanche no Deck!

Acabando o curso técnico, sempre na Manoel, o quarteto se espalhou (Selma e Rossini pra Mogi, fazer faculdade de Biomédicas e Medicina) e Sandra para psicologia. Somente eu continuei na química, indo pra faculdade Oswaldo Cruz, onde reencontrei os ex-colegas de técnico, Gelson, Carioca, etc., que vieram a formar a "nova turma".

Velhos tempos, lindas lembranças, dos Beatles, Led Zeppelin, Chico Buarque, Vinícius de Moraes, etc.

Belo Jardim, o nosso Jardim Paulista.

E-mail: robervalbarioni@hotmail.com E-mail: robervalbarioni@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 18/06/2011 Muito legal tua história, vi muitas coisas que voce viu também, achei teu site porque me lembrava de andar num barquinho a motor no Ibirapuera e hoje ninguém acredita em mim! Grande abraço de outro...dinossauro paulistano! Enviado por dalmo mariano - dalmo@image.com.br
Publicado em 18/06/2011 Muito legal tua história, vi muitas coisas que voce viu também, achei teu site porque me lembrava de andar num barquinho a motor no Ibirapuera e hoje ninguém acredita em mim! Grande abraço de outro...dinossauro paulista Enviado por dalmo mariano - dalmo@image.com.br
Publicado em 18/06/2011 Oi, Roberval,voltei...é que somos da mesma idade, sou de 1 abril de 54, até hoje pensava que o Ibirapuera era de 50... Enviado por Dalmo Mariano - dalmo@image.com.br
Publicado em 12/05/2011 Obrigado por todos os comentários.
É ótimo saber que gente viveu aqueles tempos felizes,que curte boa música e principalmente que tem gente que se lembra do Giratório!
Enviado por Roberval - robervalbarioni@hotmail.com
Publicado em 23/02/2011 Roberval, gostei muito da sua história, conte mais, eu trabalhei de julho/74 a janeiro/75 na Alameda Lorena, 349, parece que o sobrado ainda existe, próximo da Al. Campinas, gostava de ver as meninas do Colégio de esquina com a Pamplona, trabalhei também na esquina da Al. Jaú com a Augusta em 1980 e 1981, depois trabalhei na Paulista entre a Augusta e a Haddock Lobo, ficaram grandes lembranças, que qualquer hora conto aqui. Enviado por Carlos Rocha - carlos.rocha88@terra.com.br
Publicado em 22/02/2011 Com certeza não foi uma história lida aqui e sim um filme em preto e branco da minha juventude. Provavelmente cruzamos em diversas ocasiões sem nos conhecermos, começando do restaurante Giratório, onde eu ia almoçar quase que todo dia, porque meu pai tinha uma livraria na Av São João quase esquina com o Lgo do Paissandu, e todos os outros lugares que você citou, eu frequentava ou passava regularmente. Enviado por Uri Behar - iub@uol.com.br
Publicado em 21/02/2011 Depois de ler sua crônica e suas peripécias ( achei isso de andar nos telhados coisa de louco) eu só posso dizer-lhe: toda noite agradeça de joelhos pela infância e juventude porque você foi um privilegiado. Que Deus o abençoe, conserve e não se esqueça de nós outros que tão duramente atravessamos anos dourados, e de chumbo grosso e hoje estamos aqui, inteiraços fazendo o que convencionamos chamar de nossos tempos...Hoje, subindo em telhados o mínimo que receberíamos seria uma rajada de balas, Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 21/02/2011 Trini bem se vê que você não foi moleque. Eu vivia no telhado, aprontando todas. Enviado por Pedro Cardoso - piparoda@gmail.com
Publicado em 20/02/2011 Mazelas de garotos e jovens bem armada por vc, Roberval, e é sempre uma delícia relembralas. Uma narrativa repleta de informações, pra quem viveu nos arredores ou era da turma do Roberval, é um prato cheio. Parabéns, Barioni.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 17/02/2011 Beatles, Led Zeppelin, Deck, Lareira, trem dos estudantes, Rua Augusta, Brigadeiro, Sarutaiá... boa Roberval, grandes recordações. Faltou falar da alvorada que eu ouvia de vez em quando... A corneta da alvorada tocada pelo exército que acordava o bairro inteiro. Enviado por Pedro Cardoso - piparoda@gmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »