Leia as Histórias

Categoria - Personagens As meias do Paul Autor(a): José Espin Neto - Conheça esse autor
História publicada em 02/02/2011
Paul McCartney só usa meias pretas, é o que dizia a reportagem da revista que eu, pacientemente, folheava esperando na fila do cinema. Finalmente era chegado o dia do lançamento do filme "Help". O ano, 1965.

Não me lembro das manias citadas sobre os outros três Beatles. Já acomodado nas poltronas meio à centena de fãs, aplaudi e me emocionei quando eles começaram a cantar a música que deu título ao filme. John no lead vocal confessava: Help, I need somebody! Confesso que preferia sua irreverência bolchevique chegando na primeira turnê americana com um boné ao estilo Lenin (reparem nos filmes da época). Paul era de uma delicada beleza, adorado pelas meninas com "Yesterday" e invejado por nós. Mergulhados naquela mania, meu amigo Mario e eu decidimos fazer as traduções das letras para fins lucrativos, mas essa foi uma idéia que não deu muito certo.

Depois de anos "Rubber Soul" estava nas lojas e foi novamente John que deu voz à dor de cotovelo com "Girl", "Norwegian Wood". Com "Revolver", revelo que não entendi bem o caminho. Paul cantava a triste viagem de Eleanor Rigby que "vivia um sonho enquanto apanhava o arroz que restava no chão da igreja". Busquei no Centro Velho de São Paulo o Sergeant Pepper, que foi ouvido compulsivamente. Eu diria que até mesmo à exaustão. Nesse LP não havia grandes preferências porque a dupla brilhou com igual intensidade.

No "Álbum Branco", além de "Dear Prudence" de John, Paul aparecia com "Blackbird" onde nos dizia que, apesar das asas quebradas, devíamos aprender a voar. Amadureci ouvindo as quatro músicas em sequência de "Abbey Road" e Paul já não era mais um rostinho bonito. Na Faculdade, meu materialismo histórico racional negou a dissolução dos Beatles três vezes. Na primeira, ouvindo Hendrix e sua guitarra rasgando o Hino Nacional Americano em Woodstock; na segunda, mergulhado nos delírios etílicos ouvindo Emerson, Lake & Palmer e na terceira, obviamente, discutindo a influência da música moderna brasileira sobre Pat Matheny. Era nosso triunfo sobre a ascendência estrangeira na nossa música, afinal Ivan Lins já tinha gravado com Quincy Jones. O sonho tinha acabado e minha tristeza era presente com a morte do John.

O tempo foi lentamente cobrando sua passagem e me vi cantando "Hey Jude" para minha filha adormecer. Delicadamente mas de maneira sedutora, fui doutrinando sobre quem eram os Fab Four de Liverpool, comprando tudo o que aparecia no mercado. Expliquei a ela o significado de cada música e até fiz uma tradução livre de "Hey Jude", onde "Dona Judite tinha quase morrido de bronquite, ora Dona Judite". Aos conco anos, ela gargalhava com essas palhaçadas.

Domingo, dia 21 de novembro de 2010: lá estava eu, pacientemente esperando na fila do Estádio do Morumbi, com a mesma ansiedade dos meus 14 anos à espera de "Help". Começa o show e todos desfilaram na minha mente: meus amigos, minhas amigas, meus sonhos e minha realidade. Aquela saudosa adolescência saiu da neblina, e senti que todos que fizeram parte dos meus golden years estavam comigo. Fechei os olhos e abracei-os na minha memória. Senti as lágrimas rolarem ao ouvir "Hey Jude".

Aos meus sobrinhos e futuros netos, um pedido: por favor, neste Natal não me dêem meias marrons, só uso pretas.


Uma nota final, colaborou neste texto Maria Helena Santini, a quem agradeço.


E-mail: espin@sigmanet.com.br E-mail: espin@sigmanet.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/02/2011 José, sir Paul merece essa sua homenagem silenciosa, em só usar meias pretas a partir de agora. Vai que, por acaso, ele jogue no Google a expressão "meias pretas de Paul" e acha você! Não é impossível, né? Parabéns pelo seu belíssimo texto. Enviado por Márcia Sargueiro Calixto - marciascalixto@hotmail.com
Publicado em 06/02/2011 Olá, Espin, tudo bem? crônica bem interessante. Parabéns.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 03/02/2011 Caro José Espin, muito bom o seu texto e eu também fui e até hoje ouço muitos os Beatles, tenho a coleção, conheço todo o repertório e toquei muito no violão e na guitarra. É sempre bom saber que há muitos fãs que ainda admiram a banda mais popular de todos os tempos. Eu, particularmente, sempre gostei mais do John e do George, mas o Ringo e o Paul também são inesquecíveis. Enviado por Carlos Rocha - carlos.rocha88@terra.com.br
Publicado em 02/02/2011 Uma vez Beatles, sempre Beatles. Enviado por Pedro Cardoso - piparoda@gmail.com
Publicado em 02/02/2011 Prezado companheiro beatlemaniaco, como eu, destilei cada acorde das musicas que voce relaciona tão bem no seu texto. Também estive no Morumbi só que no dia 22 de novembro com meu filho e também verti lágrimas quando Sir Paul cantou The Long and Winding Road. Abraços. Enviado por alfred delatti - alfredpd@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »