Leia as Histórias

Categoria - Personagens Os barbeiros de São Paulo Autor(a): Roberto Tadeu Klemes Bacco - Conheça esse autor
História publicada em 25/01/2011
Em 1973 comecei a cortar o cabelo na barbearia do Zé e do Elmo, que aliás, não gostam de ser chamados de barbeiros, preferem o título de cirurgião capilar.

Na época trabalhava na Anderson Clayton e todos da minha seção eram seus clientes. Eles começaram na Pompéia, à Rua Doutor Miranda de Azevedo quase esquina com a Coriolano, onde aliás localiza-se o novo salão.

São excelentes profissionais e inovadores, já naquela época faziam o corte a fogo, com navalha. E o resultado era sempre o melhor. Pela qualidade do serviço, tornaram-se famosos em pouco tempo, e dai em diante só agendando, se não sem chance de ser atendido.

Mas além da satisfação com o corte o que valia era o momento de descontração, do encontro com os amigos e muita conversa fiada. Os dois eram muito expansivos e gozadores, principalmente o Zé, e assim nos brindavam com momentos agradáveis. Tanto assim, que chegávamos muitas vezes bem antes do horário, para ouvir as piadas e gozações da semana.

Em 1981 mudei-me para Brasília, mas pelo menos uma vez a cada três meses voltava a São Paulo para compromissos profissionais e aproveitava para fazer o corte. Isso durou mais dez anos.

Hoje moro em Curitiba, mas sempre que posso ainda passo por lá, para pelo menos cumprimentá-los, e esporadicamente aparar alguns fios, já que meus cabelos tornaram-se rebeldes e saíram em debandada.


E-mail: roberto.bacco@gmail.com E-mail: roberto.bacco@gmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 11/04/2012 sou barbeiro desde 1959, qdo deixei de ser office-boy entao com 13 anos . Nao era facil sobreviver na s. paulo de1958, meu tio Alfredo barbeiro mechamou e disse venha para o salao e comece a aprender a cortar cabelo. Que profissao linda,bela uma verdadeira faculdade da vida hoje estou com 66 anos e ainda nao parei nem quero, .Sao paulo do parque edu chaves av ipiranga x sao joao ,pinheiros como cab infantil .Hoje em s. jose dos campos desejo a todos saude e amor dario Enviado por dario silva - CRISSEDARIO@HOTMAIL.COM
Publicado em 25/01/2011 os barbeiros, marcaram muito a nossa juventude. Enviado por joao claudio capasso - jccapasso1@hotmail.com
Publicado em 25/01/2011 LEMBRO QUANDO GURI AO CORTAR O CABELO TINHA UMA MARCA FAMOSA DE CADEIRA DE BARBEIROS , ACHO QUE ÉRA "INDEPENDENCIA" ÉRA LEGAL, EU FICAVA GIRANDO, GIRANDO, ÉRA MOLEQUE-ABRAÇOS Enviado por RUBENS ROSA - RROSA49@YAHOO.COM.BR
Publicado em 25/01/2011 Tenho um barbeiro que diz: Para nascer cabelos é só passar leite de onça.
Fico nervoso qdo. tenho quer ir ao mesmo,além de perder o cabelo ainda pago,qtos. não pagam para te-los?
São belas figuras aind amais amolando navalhas,embora seja proibido hoje em dia aliás não sabia.
Valeu!
Vilton Giglio
Enviado por vilton giglio - viltongiglio@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »