Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Passo-bandeira Autor(a): Rubens Cano de Medeiros - Conheça esse autor
História publicada em 20/12/2010

É um destes dias de sol, de junho, outono quase inverno. Sim, faz frio, porém, os dias são bonitos, ensolarados. Céu azul, "céu de brigadeiro", poderiam dizer aeroviários ou aeronautas - uma coisa ou outra que, lamentavelmente, nunca fui. Eu, que gostaria ao menos de ter voado num "Paulistinha". Aqueles lindos aviõezinhos teco-tecos de aeroclubes dos anos 50. Eu, que nunca voei! Que sonhei em ingressar no mundo aeronáutico, mas - por falta de garra - permiti que o sonho se desmanchasse, como as asas do Ícaro...

Hoje, então, estou vindo a pé, da Rua Sumidouro - onde trabalham meus dois filhos: um no DSV, outro na CET - em direção à Faria Lima, apanhar condução. Caminhando por prazer. Faria Lima que, no começo dos anos 60 - lembro bem - era ainda a estreita Rua Iguatemi. Creio que antes da implantação do shopping pioneiro. Rua pela qual passava, às vezes, a trabalho, a bordo do ônibus "Fábrica-Pinheiros", da Viação Taboão. Linha que hoje vai até o CEASA, com outro nome.

Nesta caminhada de agora, passando pelo Largo de Pinheiros, o som forte de turbina de jato. Por sobre a igreja, mais ao alto dela, um Boeing da Gol. Trem de pouso já baixado, rota de pouso (dentro de minutos) no chão de Congonhas: através da cabeceira do "xadrez", ao lado da Washington Luís. Até eu chegar ao ponto do ônibus, na Faria Lima, jatos outros terão passado: Boeing e Airbus, quase todos...

Meus olhos vêem o Boeing, porém, a mente como que "revê" - cinquenta anos passados - um Douglas DC-3! Ou um Curtiss C-46, talvez um Convair (240, 340, 440), para não dizer um Scandia. Bimotores a pistão, reis dos ares do meu tempo de criança, anos 50. De quando eu morava na Vila Mariana.

Àquele tempo, as "aeronaves" (como referem os aviadores) - para aterrissar no Congonhas, pelo "xadrez" - passavam literalmente por sobre o quintal de minha casa. Em frente à Rua Caravelas. Quintal enorme, adjacente à também enorme chácara, onde hoje passa a Avenida 23 de Maio. Pois o trem baixado deste Boeing da Gol remete a lembranças daqueles bem menores aviões - que eu identificava direitinho - também de rodas à mostra, buscando - tal qual o Boeing - o mesmo pouso seguro, no lindíssimo Aeroporto de São Paulo.

Por volta de seis ou sete anos, eu adorava os aviões. Assim como bondes, ônibus, trens. Inclusive gostava de máquinas como tratores e, por exemplo, aquelas máquinas de comprimir o asfalto que a Prefeitura possuía. Eram máquinas robustas, cheias de engrenagens: pareciam marias-fumaça! Tinham fornalha, vomitando fogo, e chaminé! Deviam queimar "óleo-cru", não? E as motoniveladoras Caterpillar, então? Havia muitas ruas de terra, ainda...

Meados dos anos 50. Eu era daqueles moleques aficionados por aviões. Apesar de absolutamente não entender nada a respeito deles. Nem precisava! Bastava os olhos devorarem tudo quanto era detalhe. Identificar aeronaves, cores de empresas, prefixos, barulhões de motores! PP-SPQ? Vasp! PP-VRI? Varig! PP-LDA? Loide Aéreo! Coisas assim.

Jatos? Não, ainda não. Só a pistão. Jato, à época, só mesmo os caças, ingleses, Gloster Meteor, da FAB. Que vieram em 1953. Duas turbinas, inconfundíveis!

Certa ocasião, no Ibirapuera, uma exposição da FAB. Botaram, então, uma dessas turbinas do Meteor para funcionar. Demonstração. Numa espécie de cavalete. Um estrugido! Da minha casa, um quilômetro dali, dava para ouvir o bichão! Muitos lembram: o Brasil entra na "era do jato", na aviação civil em 1958. Com o belíssimo Vickers Viscount, inglês, da Vasp. Turboélice, quadrimotor, inesquecível.

Minha memória ainda registra uma cena de "passo-bandeira". A situação em que, num motor a hélice, esse motor para de funcionar em pleno vôo (emocionante, hein?)! Na verdade, quem fica no tal de "passo-bandeira" é a hélice: quando corta o ar com menor resistência. Mas o pessoal que voa referia uma expressão: "motor embandeirado". Que seja! Toca o bonde! Melhor: pilota o avião!

Assim foi: era um Curtiss C-46 da Real. Cauda listada de verde, lembro direitinho. Voando bem mais baixo que o padrão, trem de pouso ainda recolhido. Eu estava, por acaso, no quintal. Acho até que era uma tarde de domingo. Num curto espaço de tempo, a retina fotografou o que foi possível. Um motor - dos dois - paradão! "Passo-bandeira", o próprio! Deu para ver bem: nas janelas, pilotos e passageiros - com certeza - apreensivos. A aeronave - até onde pude ver (não havia prédios altos) passou por sobre a grande chácara e - de longe - contornou o obelisco de 32. Os pulmões do motor remanescente aguentaram a chegada à Congonhas - pois cair, felizmente, o avião não caiu! Fiquei impressionado com a baixa altitude de vôo daquele bimotor veterano...

Vez por outra, num domingo pela manhã, meu pai me levava ao Aeroporto. Quando de lá se podiam apreciar os pássaros de prata! Estar naquele logradouro já valia a pena o passeio! Panair do Brasil, Real, Varig, Vasp. Cruzeiro do Sul - os aviões "batizados" com nomes de constelações! Sadia, Paraense, Catarinense, Savag. Loide Aéreo. Era quase tudo DC-3, Curtiss e Convair. Scandia! Exclusivos, no Mundo, da Vasp! Até aeronaves militares, da FAB: o anfíbio Catalina, de asa alta; bombardeiros B-25 e - raríssimo - B-17!

Época em que, de Congonhas, avistava-se a cidade quase que em 360 graus! Ah! Sem esquecer dos quadrimotores internacionais: Braniff, Pan Am, Alitalia, Iberia, Air France, KLM, Scandinavian, Lufthansa, Japan Air Lines, Aerolineas... Era o universo dos Constellation e Super! Douglas DC-4, DC-6 e DC-7... Dá saudade!

Entretanto, o passeio não ia longe: à hora do almoço, era retornar. Não de DC-3, mas de ônibus! Helicópteros? Só mesmo os bojudos Sikorsky da FAB. De busca e salvamento: S. A. R. Que chegaram a se exibir sobre o Anhangabaú, lembra alguém? Veteranos, a pistão, da Guerra da Coréia.

Bem, para casa, no velho ACLO, inglês, da CMTC. Linha 113-Anhangabaú/Aeroporto, via Ascendino Reis, estreitinha. Onde hoje é a Rubem Berta, mato. Tais ônibus ACLO, ingleses (chassi) como os caminhões amarelos, da SHELL. Que freneticamente rodavam pela pista do Aeroporto para abastecer as aeronaves. Só que tais caminhões da SHELL - fiéis à originalidade de ingleses - tinham o volante do lado direito. Os ACLO da CMTC, não. Uma vez "chassi for export" - tinham o volante do "nosso" lado, of course!

Por derradeiro: o Boeing da Gol, de hoje, me reconduziu - num lampejo - aos aviões da minha infância. Voando baixo e de trem arriado, prestes a pousar. E no lugar onde meu quintal e a chácara, hoje prédios altos. Com os quais, por certo, se o Curtiss do "passo-bandeira" topasse, não teria chegado a Congonhas!

Da janela do ônibus, que se afasta do Aeroporto, uma última decolagem. É um monomotor, um Bonanza de cauda em "V", provável táxi-aéreo. Cujas pás da hélice resplandecem à luz do sol.

Uma concessão. Como as lembranças são pessoais e intransferíveis, quero garantir - àquele Curtiss e aos demais aviões de minha infância - eterno "céu de brigadeiro". Num horizonte sem fim. Para que voem, romanticamente, com destino a um Congonhas de cinquenta anos atrás: majestoso, encantador. Cinquenta vezes mais bonito!

Voa, São Paulo!

E-mail: helena.moitinho@terra.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 10/07/2011 Eu tambem me recordo dessas feras do ar , pois morava na rua Tucuman (jardim europa ) que era a reta final de aterrissagem .
Da minha casa dava para ver a cabeçeira da pista de Congonhas com o seu inconfundivel ¨xadrez vermelho¨
Para quem gosta de aviação como eu , estes foram anos dourados que , infelizmente não voltam mais .
Enviado por Joel Cascaldi Filho - joelcascaldi@ig.com.br
Publicado em 29/06/2011 Belissimas lembranças. Eu trabalhei no balcão da extinta Cruzeiro do Sul Abril de 63 a Outubro de 65.Belas aeronaves.Convair 240-340-440 eCaravelle.
Meu local era o aroporto Salgado filho -Poa.
Enviado por gilberto güttler - g.guttler@hotmail.com
Publicado em 26/12/2010 Sr.Medeiros, grandes recordações do passeio mais popular do paulistano; muito interessante os vários tipos de aeronaves citados. Sinto saber que não seguiu suas aspirações. Abraço. Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 20/12/2010 No inicio dos anos 1950, eu morava no Brooklin e nosso despertador eram os motores dos aviões que eram ligados para esquentar o motor. Quando começava o barulho podia ver o relógio que eram seis horas. Tinha também os aviões teco-teco que soltavam fumaça escreviam coisas no céu. Nas campanhas políticas escreviam Pizza, que era o candidato Wladimir de Toledo Pizza. Teve também em 1958 aquele teco-teco que perseguiu um balão por alguns minutos até furar ele. São Paulo inteiro estava de olho naquela aventura, pois na hora que ele atingiu o balão foi uma gritaria geral. Era um dos Fontoura, dono de um laboratório,, que gostava de fazer essas coisas. Um dia (1967) num helicóptero ele caiu nos fundos de sua casa, o piloto o sobreviveu morreu. Estava sem o cinto de segurança. Enviado por Mario lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 20/12/2010 Rubens , linda sua narrativa. Adorei o termo "oleo cru". Meu avô assim chamava os motores Diesel. Também sou um aficionado da aviação e nessa época que vc narrou, meu pai trabalhava em Congonhas como mecânico da Real. Trabalhou muito naqueles antigos DC3 e quando eu nasci, pediu demissão da Real indo trabalhar como mecânico industrial. tivesse ele ficado na aviação, eu também poderia ter entrado nesse mundo. Meu pai morava no Bosque da Saude e dali ia de bicicleta trabalhar em Congonhas nos anos 50. Enviado por Luiz Carlos Pereira - lcarlospereira@gmail.com
Publicado em 20/12/2010 corrigir: ...o piloto o sobreviveu, mas ele morreu. Estava sem o cinto de segurança. Enviado por Pedro Cardoso - piparoda@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »