Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Pequena lembrança Autor(a): Roberto Avedissian - Conheça esse autor
História publicada em 10/11/2010
Sou Paulistano, já com 70 anos, lembro-me que, morando próximo ao Mercado Municipal na Rua Cantareira, havia bebedouros para os cavalos, e os passarinhos vinham banhar-se neles, o Rio Tietê era limpo e nele havia peixes.

Lembro dos blecautes, que a noite ouvíamos o ruído dos aviões, devíamos manter as luzes apagadas, lembro que minha mãe pedia para eu ficar na fila para comprar o macarrão da Matarazzo na Rua Cantareira, que ela diluía na água para fazer pão.

Os fogos e a quermesse da Igreja São Vito, ao som dos boleros. As enchentes em que transbordavam os locais de comércio, e boiavam latas de azeite, e outras especiarias. Lembranças do Circo Piolim, Cine Glória, a beleza da Estação da Luz, dos piqueniques do Horto Florestal quando partíamos cedo com o trem Maria Fumaça e o no Parque Sanghai no Glicério.


E no frio cortante, usávamos luvas de lã, sobretudo, boina e cachecol. O Grupo Escolar Prudente de Morais, minha escola, hoje é a Pinacoteca do Estado. Está lá imponente, assim como o Theatro Minicipal.Lembro quando fizeram a galeria da Rua Anhangabaú, hoje Rua Carlos de Souza Nazareth, quando demoliram o Prédio da Policia para construírem o Buraco do Ademar.

Muitas lembranças, onde o povo era educado e cordial, levantavam-se e davam lugar para as Senhoras e Senhoritas, vestiam-se bem, os pais eram responsáveis pelos menores, menor de 18 anos não podia ficar no cinema após 22 horas, somente acompanhado pelo responsável. Que desastre, o que fizeram com nossa cidade querida? Lembranças e saudades.

E-mail: robertoavedissian@uol.com.br E-mail: robertoavedissian@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 14/01/2011 Oi Roberto, 77 anos, lembro de tudo que vc escreveu
eu era de osasco, estudei em SP Liceu coração de Jesus e ginasio Riachuelo, andava muito na cantareira, pagé,barão duprat e 25..quantas lembranças vc me trouxe meu velho...E o povo daquela época, quanto respeito, que vida boa,eu passava horas vendo os passaros no mercadão,Gordo Miram, o bar da viúva, dovlet,etc tudo mudou, infelizmente não foi prá melhor..Abraços,Aiko
Enviado por Aiko Hadykian - aikotq@yahoo.com.br
Publicado em 28/12/2010 caro Roberto;voce esta me fazendo chorar com essas,lembraças pois eu tambem vivi,tudo isso.lembra do gordo MIRAM? comvivi muito essa epôca e, tenho muita saudade do tempo que as pessoas eram puraa e, simples, obrigado por me fazer chorar de saudade,nercina Enviado por nercina de andrade salvador - nercinaandrade@hotmail.com
Publicado em 15/11/2010 Mario, o predio que derrubaram no vale do anhangabaú, não é incógnita não...o predio era a Coletoria da Delegacia Fiscal e antes tinha sido o Cine Central...eu assisti o início da demolição deste predio em 1946 e na epóca eu tinha 12 anos e já trabalhava alí perto, na rua Libero Badaró,no predio da antiga Bolsa de Mercadorias, que ficava ao lado da escadaria que nos leva ao Vale do Anhangabaú, ao lado do antigo predio da Prefeitura Municipal...eu conhecí este predio,quando ía ao Correio Central. Enviado por Flavio Rocha - flaviojrocha@bol.com.br
Publicado em 14/11/2010 Caro Roberto, andamos na mesma época, pelos mesmos lugares. Tenho 65 e morava na AntonioPais.
Flávio já existia os apadrinhamentos, vai ver vc era brother do porteiro rsrsrsr abs mirça
Enviado por mirça bludeni de pinho - by_laser@yahoo.com.br
Publicado em 12/11/2010 Saudades: martírio de todo saudosista... assim como eu. Abraços Enviado por Nelson de Assis - nel.som55@yahoo.com.br
Publicado em 11/11/2010 A diferença nossa e só de 8 anos, (sou mais velho), vc, pelo sobrenome de ser descendente de armênio, conheci muitos armênios, sírios, libaneses, nasci e morei muitos anos por lá e tudo que vc. conta é pura recordação de um tempo que não volta mais. Parabéns, Robero.
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 11/11/2010 É verdade Roberto. O povo antigamente era educado e cordial, levantavam-se e davam lugar para as Senhoras e Senhoritas. Hoje em dia neguinho finge que está dormindo para não dar o lugar, muitas vezes no metrô sentado na cadeira azul para idosos.O circo Piolin era na no final da Avenida São João inicio da Avenida general Olimpio da Silveira. No Horto Florestal fui uma vez jogar futebol no Campo do Silvicultura, que ficava dentro do Horto, quase ao lado da casa de veraneio do governador. No Parque Shanghai fui uma só vês me lembro como se fosse hoje, Era o dia 22 de junho de 1954, dia que o Brasil perdeu da Hungria de 4 a 2 na Copa da Suíça. Na entrada do parque tinha uma velha que ficava numa “gaiola” rindo feito uma doida. O prédio derrubado para a construção do buraco do Adhemar até hoje é uma incógnita, uns Enviado por Mário Lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 11/11/2010 Você já parou para pensar como ser no futuro, próximo? Não quero nem imaginar! Enviado por Carlos A. Bulgarelli - carlos.bulgarelli@yahoo.com.br
Publicado em 10/11/2010 Eu também me lembro e também me emociono saudosa com relatos feito esse seu, nostálgico.Mudaram os tempos, ou mudamos nós? E a gente sabe? Somos sobreviventes de um tempo que nem adianta retornar porque sempre faltará alguém ou alguma coisa. Melhor deixar quieto...Um abraço, Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 10/11/2010 Roberto:
Sou contemporâneo.....
Paga-se pelo chamam de "pogreço".....
Enviado por Luiz - luzcperon@bol.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »