Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Minha cidade de São Paulo Autor(a): Domingos Ricardo Chiappetta - Conheça esse autor
História publicada em 18/03/2010

São Paulo, minha cidade, ou nossa cidade como alguns assim a denominaram. São Paulo dos jesuítas, dos indígenas, dos brasileiros de longa data, ou imigrantes que aqui ajudaram a construir esta cidade. Deixando de ser uma capital de província para tornar-se megalópole. Através dessas reminiscências, a nossa memória nos mostra desde a infância até a presente data.

São fatos já relatados por diversos internautas. O jardim de infância, grupos escolares, ginásios, colégios, cursos técnicos, faculdades, universidades, e os que não tiveram estas oportunidades em suas vidas, foram para o comércio contemporâneo. Pequenos negócios, como a pequena loja, o ambulante, o masqueteiro e outros modos de vida representativo dos valores que criaram a identidade cultural de São Paulo minha cidade.

Para sustentar o comércio, você precisa ter condições de oferecer facilidades para o freguês/cliente, afinal é prestação de serviços. Mas a saudade veio à tona, e nas pesquisas neste tempo de frear e descansar da correria que é esta cidade, encontrei temas diversos. São Paulo e suas funções se concentravam num triângulo cujos vértices eram balizados pelos conventos de São Francisco, São Bento e Carmo, aliás, no Colégio do Carmo, esquina da Rangel Pestana nos anos de 50 e 60, tive a honra do ensino pelos maristas.

As ruas que formavam o triângulo tiveram seus nomes alterados. A Rua Direita se chamava Rua Direita de Santo Antonio. A Rua do Rosário saiu do império reverenciando a imperatriz e entrou na República comemorando o 15 de novembro. A Rua Direita de São Bento ficou São Bento. Cavalheiros de fraque compravam o diário popular e inteiravam-se das novidades literárias e políticas, aguardando o bonde a burro que os conduzia ao lar.

Antes da Segunda Guerra Mundial, os escritórios, consultórios, bancos, hotéis, restaurantes, cinemas e comércios praticamente não saíram do triângulo, para o Arouche e Brás, Av. Rangel Pestana, Rua do gasômetro, Rua Jairo Goés, Rua Piratininga, e a zona cerealista do mercado, enfim o triângulo foi a cidade de São Paulo.


E-mail do autor: d.chiappetta@ig.com.br

Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/03/2010 Dpmingos, parabens pela cronica de nossso São Paulo, Como antigo morador da rua Professor Batista e frequentador da Adega do Brás é sempre interessante saber dos nossos contemporaneos,Abraços Enviado por Ricardo Ferrero - ricardoferrero@uol.com.br
Publicado em 18/03/2010 Caro Chiappetta, tratando-se de um relato de nosso braz, eu não poderia deixar em branco este espaço, fosse quem fosse o seu autor.Mas tratando-se de você é muito mais especial.Sempre é bom recordar os momentos porque passamos.As emoções sempre se renovam.Abraços Enviado por jose guirado - jotage1929@gmail.com
Publicado em 18/03/2010 Chiappetta, retratastes um pequeno descuido de tempos vividos e vívidos da empolgação que nossa querida SP atravessava. Como é saudável relembrar estes instantâneos que teimam em não nos deixar. Muito obrigado, Domingos, o Modesto e o Braz agradecem suas palavras. Parabéns.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 18/03/2010 Chiappeta, ouvi muito meus pais e tios falarem deste triângulo e acabei construindo imagens no meu pensamento de criança e descobri que já amava nossa cidade. Adoro ler sobre Sampa e seu texto é muito bem vindo.Um abraço. Enviado por margarida p peramezza - éramezza@ajato.com.br
Publicado em 17/03/2010 Domingos!!! que bom ter voce de volta ao site e com um belo texto sobre a nossa cidade, a turma das "redondas" está ansiosa por sua presença, no dia 20 de abril vamos ter uma nova rodada, esperamos que voce compareça, abraços, Leonello Tesser (Nelinho). Enviado por Leonello Tesser (Nelinho) - lr.ltesser@hotmail.com
Publicado em 17/03/2010 Sr. Domingos, que relato bom de se ler! As pessoas nas suas mais diversas profissões e possibilidades inseridas nos nomes da ruas da nossa sempre querida São Paulo. Meus parabéns e um grande abraço. Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 17/03/2010 Domingos, que bom ve-lo por aqui e,m acredito, totalmente restabelecido.
Amigo as Redondas estão reclamando tua presença.
Dia 20 teremos nova rodada.
Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 17/03/2010 Gostei muito do seu texto. Erudito, centrado, bem articulado, enxuto. Uma verdadeira aula dos nossos primórdios. Sou de descendência dos primeiros imigrantes, primeira leva do início do século e estes, de fato, instalaram-se na Piratininga ( Fábrica de Móveis) e oficinas e ferros velho. E giraram nesse triângulo que você mencionou com a propriedade de quem sabe do que está falando. Na década de cinquenta veio uma nova leva de italianos mas estes ficam para os próximos textos. Enviado por Trini Pantiga - trinesp@ig.com.br
Publicado em 17/03/2010 Sr.Chiappetta, interessante relato encaixando o movimento central da cidade num triângulo. Um abraço desde o Triângulo Mineiro do Bernardi. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 17/03/2010 Quisera poder ter vivido naquela época, acho que por isso aprecio tanto quando tenho que passar pelo centro de São Paulo e quando vejo fotos da época, ouço ou leio relatos como este. Enviado por Consolata Panhozzi - tpanhozzi@ig.com.br
« Anterior 1 Próxima »