Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Edifício Joelma Autor(a): Edivaldo - Conheça esse autor
História publicada em 26/11/2009
No dia 1º de fevereiro de 1974 às 6h00 da manhã meu pai saiu de casa para trabalhar. Eu tinha apenas um ano e sete meses. Mal sabia eu que seria a última vez que eu o via junto de minha mãe e meus dois irmãos.
Desejou-nos bom dia e seguiu o seu caminho que já estava traçado por Deus.

Foi quando minha mãe lavando roupa com o rádio ligado ouviu uma notícia que nunca queria ter ouvido. Às 8h45 da manhã a rádio Capital deu a seguinte notícia, “um incêndio devastador esta consumindo o prédio Joelma”.

Imagino até hoje como ficou minha mãe com três filhos para criar, ao receber uma notícia como aquela. Seu marido também estava lá, sendo consumido pelo fogo. E o pior! No dia do ocorrido era folga dele que para atender a um pedido de seu amigo, trocou o seu plantão. Ele se foi!!!

Hoje ele, “teria”, tem oito netos e três noras. Minha mãe, que também já se “foi” para ficar junto dele, sempre foi e será a minha eterna guerreira. Um dia vamos nos encontrar e então poderei dizer o quanto eu vos amo. Pois não tive tempo para dizer.

-E você que esta lendo este pequeno resumo, olhe para seu companheiro (a) e seus filhos e diga enquanto há tempo o quanto você os ama! Diga eu te amoooooooooo!!! Nunca vos abandonarei.

- ha? O nome dele Antonio Martins Oliveira e o dela, Guerreira.

Se alguém que ler este resumo tiver trabalhado ou conhecido meus pais e puder me dá alguma informação, será muito bem vinda! Obrigado.


E-mail do autor: edyale333@hotmail.com E-mail: edyale333@hotmail.com
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/02/2013 Não sei porque comecei a navegar pela interne e cai neste site e li entre os relatos o nome Sidney Morelli, que era primo da minha mãe. Enviado por rogério - rogeriopepper@gmail.com
Publicado em 06/02/2013 Não sei porque comecei a navegar pela interne e cai neste site e li entre os relatos o nome Sidney Morelli, que era primo da minha mãe. Enviado por rogério - rogeriopepper@gmail.com
Publicado em 31/01/2010 lendo este resumo fiquei muito chocada as vezes dói no peito. Enviado por laura - lauralaurinhadocinho@hotmail.com
Publicado em 23/01/2010 Caro amigo, vi, pela TV, na casa de meu irmão e sua família, o acontecimento. Tinha chegado a São Paulo em 23 de dezembro de 1973. Foi uma imagem terrível! Vi as pessoas, que subiram à cobertura, pulando, para minimizar o calor! Outras, atirando-se, para finalizar o inferno! Na quarta feira, recebi notícia do falecimento de minha mãe, em Caruaru-PE... Perder um ente querido não tem medida! Hoje, sinto, como a você, uma grande perda! Faça seu levantamento, sem lágrimas, mas, com orgulho dele! Enviado por Joás Dias de Lima (Jodil) - jodil2009@gmail.com.br
Publicado em 07/12/2009 Edvaldo:Na época eu trabalhava no Joelma,ali era a Crefisul.Eu trabalhava no penultimo andar.Ficava olhando lá de cima a Praça da Bandeira e me dava um aperto no coração.Tinha 23 anos.Resolvi pedir a conta.Meu chefe concordou mas solicitou que eu cumprisse o aviso prévio.Aquele que pedia aviso prévio poderia optar por entrar 2 horas depois ou sair 2 horas antes.Optei por entrar 2 horas depois.No dia do incêndio ao chegar as 10,00 hs.,para trabalhar já estava em andamento aquela tragédia. Enviado por otacilio ribeiro - otacilioribeiro@ig.com,br
Publicado em 06/12/2009 Prezado Edivaldo.
Imagino a dor que vocÊ sente
Nodia do incêndio eu seguia para o trabalho pela 23 de maio, quando vi o inicio do fogo.
S
Enviado por sergio liblik - liblik@milenio.com.br
Publicado em 30/11/2009 Amigo, no dia seguinte àquele fatídico acontecimento, meu irmão iria trabalhar numa financeira, no local. Como vê, a vida é "usual", casual. Nada tem a ver com religiosidade! Há os que acham que "Deus quis", mas, para mim, como Deus poderia levar seu pai e lhe deixar só?! A vida é isto mesmo! Trabalho, amor, alegrias, tristezas, sucesso, derrotas, vida, morte, ajuda, mistérios... Se isto tudo é Deus, aceite-se! Enviado por Joás Dias de Lima (Jodil) - jodil2009@gmail.com.br
Publicado em 30/11/2009 SR. EDVALDO,ESPERO QUE TENHA AO PASSAR DO TEMPO, MAIS ALGUM CONFORTO EM RELAÇÃO A TRAGÉDIA QUE OCORREU EM SUA VIDA, PERDI TAMBEM NAQUELE INCENDIO UM AMIGO, SEI QUE NEHUMA PALAVRA IRÁ TE CONFORTAR, MAS O DESTINO É IMPARCIAL,TENHA PORTANTO MINHA SOLIDARIEDADE, E DESEJO FELICIDADES JUNTO AO SEU FAMILIARES.
UM ABRAÇO.

FORTUNATO
Enviado por FORTUNATO MONTONE - fortunapule@hotmail.com
Publicado em 29/11/2009 Aquele primeiro de fevereiro de 1974, é um dia que não conseguimos esquecer. Tivemos vários incêndios graves em São Paulo; Do cine Oberdan no Bras. Do Elite 28, Na Florêncio de Abreu, do Andraus, 2 de fevereiro de 1972, e dois anos depois, o do Joelma. Foi talvez a coisa mais triste de toda a minha vida, vendo pessoas desesperadas se atirando ao solo. O edifício Joelma deixou muitas historias. A maioria triste, mas uniu também muitas pessoas que se visitavam, mutuamente para amainar as dores das amizades perdidas. Para tambem unir muitas pessoas que chegaram ao casamento. Enviado por Mário Lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 29/11/2009 O que dizer da tragédia que tanta dor trouxe a tanta gente? e quando tomamos conhecimento de pessoas, como vc., Edivaldo, com parente tão íntimo, o que devemos falar, mesmo depois de tantos anos, pra amenisar a dor que vc. sente...? nada, Oliveira, nada. Fechar os olhos e meditar. Parabéns.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com