Leia as Histórias

Categoria - São Paulo do século XXI Soldado 866 Autor(a): Robson de Oliveira - Conheça esse autor
História publicada em 13/11/2008
Com certeza, me parecem ser os militares os melhores guardiões dos casarões históricos dessa cidade.

Tomo como exemplo o quartel do Parque Dom Pedro. Eu prestei meu serviço militar nesse local e vejo como está agora. Alguns anos atrás pude ver uma reportagem na qual a polícia estava despejando algumas famílias de sem-teto que haviam se refugiado naquelas instalações abandonadas. E agora? Tiraram as pessoas de lá e continua abandonado, pronto para enfrentar novas invasões e conseqüentes depredações, acelerando as que o próprio tempo se encarrega de executar.

Será que não existe uma maneira de aproveitá-lo de forma útil ainda? Eu servi no ano de 1981, bem no ano em que houve uma solenidade referente ao tombamento histórico do edifício. Se não existe realmente algo que se possa fazer a respeito, então que seja totalmente demolido. Que seja raspado do solo, para que nada mais reste dessa triste decadência. Façam então uma praça no local. Um centro esportivo. Dessa forma haverá algum progresso, para que possamos dizer aos filhos e netos que, naquele local, existiu um casarão grande e bonito que abrigou algumas unidades militares, e também, mais no passado, alguns pacientes.

O difícil é ver o abandono e o descaso. Isso é revoltante. Aqui em Campinas, alguns anos atrás também, parte do patrimônio da Cia. Paulista de Estradas de Ferro deixou abandonado muitos vagões apodrecendo no tempo. Quando nada mais prestava, quando nada mais poderia de alguma forma ser aproveitado, alguns cidadãos menos favorecidos começaram a desmanchar os vagões para comercializar os metais velhos e extremamente oxidados. Aí sim! A imprensa atacou defendendo o patrimônio histórico. Aí sim as pessoas não se calaram... Mas já era demasiadamente tarde. Ao menos algumas pessoas se beneficiaram dos restos daquilo.

O que eu espero é que antes que isso aconteça ao prédio do Parque Dom Pedro, antes que seja tarde demais para aproveitá-lo ainda como o edifício imponente e histórico que é, que se tomem providências.

Muitos pontos na cidade encontram-se nas mesmas ou piores condições. Nossos impostos estão sendo pagos, mas o departamento responsável (ou irresponsável) do município parece virar as costas para essa questão.

Vai aqui o meu pedido solitário, mas que, tenho certeza, irá encontrar eco em todos aqueles que conheceram o prédio.

Um pedido de socorro e de assistência a esse e a muitos outros prédios também. Outros que, assim como nós, também fizeram, fazem e, se deixarmos, continuarão fazendo parte dessa grande cidade.

e-mail do autor: nosbornar@ig.com.br E-mail: nosbornar@ig.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 16/11/2009 Olá ! Soldado 866, muito me afilio a sua revolta quanto ao descaso do estado com relação a conservação do prédio onde era o quartel alí no Parque D.Pedro II, onde abrigaria muito bem um Múseo, fico indiguinado cada vez que passo ali e vejo como ficou aquele lugar, que na mão do Exército estava bem conservado, sei algo por cima pois ainda não pesquisei a respeito que o estado ganhou causa na justiça para reemposar o prédio que foi apropriado pelo exercíto na revolução, não sei se é verdade, mas se for acho um absurdo tirar das mãos de quem estava cuidando pra abandonar daquele jeito, me junto a voce em qualquer manifestação que quiser fazer a respeito da reforma e aproveitamento do mesmo...pois aquilo que está se consumindo pelo descaso é prate de nossa história e mesmo que indiretamente é parte de nossa vida de paulistano...grande abraço e parabéns pelo manifesto...
Altair Maciel um paulistano
Enviado por Altair Maciel - altairaguia@hotmail.com
Publicado em 07/03/2009 Olá gente boa...nossa pensei que esse texto nem fosse publicado...já passou tanto tempo.
Pois é...eu estive na ExpoEx em 72 e me lembro de muitos detalhes ainda...
Obrigado por escreverem...estou constantemente participando do BALAIO DO KOTSCHO no portal ig.
Ele deve ter muitas histórias para contar aqui sobre nossa querída São Paulo.
Um abraço à todos e novamente obrigado!
Enviado por Robson de Oliveira - nosbornar@ig.com.br
Publicado em 16/11/2008 Robson, concordo com vc., esse edifício merece ser tombado. Foi construido no século XIX, é uma relíquia, devemos preserva-lo, sempre tem histórias sobre este quartel. Parabens pelo texto, Oliveira.
Laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 16/11/2008 Robson. Me lembro desse qualtel nos anos 1954-55-56, quando estudava no Bras, e por lá passava sempre de bonde.Minha identificação com ele se deu em 1955, quando da crise politico militar quando os golpistas queriam impedir a posse de Juscelino Kibitschek. E o exercito que tinha um militar democratico (Gen. Henrique Dufles Teixeira Lott)entrou em ação, para dar a posse ao presidente eleito.Quando o bonde deu uma parada no ponto, todos nos que voltavamos da escola paramos para ver os praças fazendo trincheiras em circulos. realmente o predio era imponente. Você tem rasão em sua preocupação. E vai uma sugestão: Que tal fazer ali um museu do exercito? Quem não gosta de ver as peças do exercito? tanques, Canhões,fusis e mosquetões e fotos das ações, um livro de historias do exercito, que sempre foi bem quisto pelo povo.Principalmente as crianças gostam de ver essas coisas. Na exposição de 1972 do exercito no Ibirapuera (Expoex) foi uma prova do que estou dizendo. Enviado por Mário Lopomo - mlopomo@uol.com.br
Publicado em 15/11/2008 Robson, uno minha voz a sua, quem sabe fica mais forte, alguém possa ouví-la e nossos desejos sejam atendidos.Um abraço. Enviado por margarida p peramezza - peramezza@ajato.com.br
Publicado em 14/11/2008 Olá Robson, nosso amigo Saidenberg tem razão. Só que em Portugal o Prefeito de Lisboa deu uma ordem para "Tombarem" um prédio histórico onde morou o Rei Manuel, e a turma não teve dúvidas meteu o trator e derrubou tudo. Um abraço. Enviado por asciudeme joubert - asciudeme@ig.combr
Publicado em 13/11/2008 Como diz o Caetano, é a fôrça da grana, que mais destrói que constrói coisas belas...
Que tradição, história , que nada...não dá lucro, vai pra baixo ! Vejam se na Europa acontece isto !
Enviado por Luiz Simões - lssaidenberg@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »