Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades A Madonna Doloratta Autor(a): Roque Theophilo Jr. - Conheça esse autor
História publicada em 04/09/2008
A característica marcante das correntes de imigrantes europeus que chegaram nestas Terras de Piratininga era "fazer a América" e, posteriormente, compartilhar o sonho de retornar ao seio de suas terras de origem. Poucos conseguiram tal intento, ou por falta de oportunidade, ou mesmo por falta do interesse; afinal Deus é brasileiro, e esta é uma terra abençoada.

Os velhos italianos que se radicaram na cidade de São Paulo, primeiro na Baixada do Glicério e, logo após, no nosso querido Brás, possuíam certa coesão cultural, mantendo os traços e laços de origem; certamente, a religiosidade foi o grande elemento aglutinador destes fenômenos.

Dificilmente existirá um paulistano que não conheça, ou não tenha ouvido falar, em São Vito, em São Gennaro, na Madonna da Achiropita, na Madonna de Casaluce, em São Cosme e São Damião - os santos irmãos possivelmente de origem armênia -, ou (o "famoso") Santo Expedito, reverenciado pelos paulistanos pela incansável obra do padre e capelão da Polícia Militar Elisio de Oliveira.

Sem puxar a "sardinha para minha brasa", boa parte da perpetuação desta memória foi obra de colônia de italianos nascidos em Polignano a Mare, da qual descendo.

A ABSVM - Associação Beneficiente São Vito Mártir surgiu somente em 1918, e foi responsável pela construção da capelinha demolida (em frente ao "spaca legna", na antiga Rua Álvares de Azevedo), transformada em paróquia em 1940, bem como da atual Igreja.

A primeira imagem, todavia, é bem anterior à organização daquela entidade, pois foi trazida em 1885 pelo polignanese Modesto de Luca, para que São Vito continuasse a proteger os imigrantes de Polignano na terra brasilis. Aliás, grande parte do atual acervo de imagens na Igreja e da antiga Capelinha (São Cosme e São Damião e Santo Expedito) foi obra de doações daqueles trabalhadores - os velhos italianos -, que, possivelmente, importaram as imagens que faziam o ponto alto das procissões pelo bairro.

A propósito, as procissões passariam a ter nova performance depois da chegada dos italianos detidos na época da guerra, que ficaram famosos com a Cantina do Marinheiro (mas esta é outra história, não estória), pela forma de conduzirem o andor.

Ocorre que, em determinada época, resolveu-se introduzir nos altares da Capelinha a imagem da "Madonna Doloratta", ou, Nossa Senhora das Dores. E não existia a possibilidade da importação, os tempos eram difíceis.

Minha avó, a Maestra, tomou a responsabilidade. Primeiro tratou de conseguir um artista, mas quel maledetto teimava que não poderia dar continuidade à obra apenas pelas estampas da santa. A velhinha não teve dúvidas: escolheu uma modelo viva por meio de uma das italianinhas mais bonitas do bairro, a filha da Dona Anita, vendedora de bananas, que morava na Rua da Alfândega, perto do açougue do Seu Praxédes.

O artista ficou maravilhado pela modelo viva e, em pouquíssimo tempo, se desincumbiu da encomenda, que, hoje, se encontra em um dos altares e que "andou" bastante pelas procissões de Jesus Morto, nas páscoas da minha juventude.

"... e assim termina a história (não estória); entrou por uma porta, saiu por outra, quem quiser que conte outra".

(Fragmentos e anotações de Roque Theophilo, apresentados na Igreja de São Vito, em 15 de junho de 1996.)

e-mail do autor: roque@mackenzie.br E-mail: roque@mackenzie.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 14/02/2009 Roque o açougue do Sr. Praxedes éra na Rua da Alfandega com a rua fernandes Silva? Entao voce deter conhecido toda aquela turma que jogava no União do Bra´s F.C. que tinha a sede provisória
no bar da outra esquina da alfandega com Fernandes Silva. Na outra esquina, inclusive existia o clube Guarani do Bras., que tinha uma mesa de sinuca, lembrá-se. Daquela turma tinhamos o Santo Bellini, o Santo Estopa, os Dragone, te
lembra de alguns deles?
Enviado por JOAO JOSE - jjb@ajato.com.br
Publicado em 08/09/2008 Roque, que bom foi ler sobre a imagem da 'Dolorata! Poucos sabem hoje da importância que N. S. das Dores tinha para os imigrantes italianos.É ainda importantíssima para os Calabreses e Napolitanos. Como as nossas procissões antigas do Encontro, lá ainda existe uma carga emocional muito grande. "La Signò col le spade in pietto" simboliza as dores e a esperança. E era uma questão de honra entronizar la Addoloratta no altar lateral, ou mesmo no altar mor de uma igreja. Enviado por Wilson Natale - wilsonnatal@uol.com.br
Publicado em 04/09/2008 Adorei o texto, pois amo a cultura italiana e como costumo dizer, nao eh por ascendencia e sim pela convivencia. Este povo que tem na fala a veemencia e no gestual a sua mais bela caracterisitca: o tal falar com as maos!! Parabens pelo texto. Enviado por Etel - ebussbuss@gmail.com
Publicado em 04/09/2008 Meses atrás, escrevi um texto sobre o São Vito F. C. e citei Roque Teófilo, filho de Nuncio Teofilo, como um dos fundadores. V., num comentário disse que era seu pai. Mandei um
e-mail pra você e nunca tive retorno. Será que falei bobagem?
V. diz que sua avó Maestra, que eu conheci, se é a mesma ela deve ser sua bizavó. Seu pai, Roque e sua tia, Dora, vivem? Achei seu texto encantador e cheio de referêncis que me dizem respeito e bem de perto. Você citou
"spaca legna" (racha madeira) e é verdade, era um descampado que ia direto da rua Alvares de Azevedo até a rua Assumpção, onde o lenhador, "Ritella" trabalhava com madeira. A construção da nova igreja foi na dècada de 40, comandada pelo padre João Beil, alemão, retirado do litoral, Ubatuba, em virtude dos problemas com os "súditos do eixo", na 2ª guerra mundial. Parabens, Roque.
laruccia
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »