Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Pipas no Céu do Pacaembu Autor(a): Ricardo Azevedo - Conheça esse autor
História publicada em 25/12/2007
Nasci em 1949, no bairro do Pacaembu, Rua Ferdinando Laboriau, 93. Passei minha infância andando de bicicleta e jogando bola nas ruas do bairro que, naquela época, eram desertas, algumas ainda de terra. Quem desce e descia minha rua e subia a Zequinha de Abreu, ia dar na Rua Cardoso de Almeida que, seguindo reto à direita, terminava lá embaixo, no Largo Padre Péricles. Nesse tempo, dava para descer a Cardoso de bonde. Se não me engano, ele seguia depois rumo ao centro da cidade pela Avenida General Olímpio da Silveira, que logo adiante virava Avenida São João. Nesse tempo, todas as ruas à esquerda da Cardoso de Almeida, como a João Arruda, que ficava a uns quatro quarteirões da minha casa, e as ruas Vanderlei, Caiubi, Bartira, João Ramalho entre outras, iam dar num baita terreno desocupado ocupando o fundo do vale. No meio do matagal, ficava a favela do Buraco Quente. Na parte mais baixa do terreno, havia um córrego. Hoje, por ali, passa a Avenida Sumaré. Minha irmã pertencia a um grupo de jovens católicos, o Graal, com sede na Cardoso de Almeida. Esse pessoal, junto com os padres dominicanos – a igreja São Domingos ficava pertinho, na Rua Caiubi – costumava ajudar os favelados. Assisti minha irmã e seus colegas, junto com os moradores da favela, construírem com as próprias mãos uma capela de madeira na beira de um barranco, na Rua João Arruda antes da descida. Brinquei muitas vezes na favela Buraco Quente e fiz amizade com alguns moleques que moravam lá. Descobri que os caras sabiam fazer pipas muito melhor do que eu. Fizemos um trato. Eu fornecia o material, papel, linha, cola e varetas e eles, em contrapartida, ajudavam a fazer meus papagaios. Até hoje, quando passo pela Avenida Sumaré, lembro de meus amigos e eu sentados no alto de um tremendo barranco, mais ou menos onde hoje é a Rua Ministro Gastão Mesquita, soltando pipa e espiando o sol se por.

e-mail do autor: rjd.azevedo@uol.com.br E-mail: rjd.azevedo@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 30/09/2011 É BEM TUDO ISSO QUE O RICARDO FALOU.ONDE HOJE É O
COMEÇO DA AV,SUMARÉ TINHA UMA VILA,E UM CAMPO DE FUTEBOL ONDE,DIZEM.SURGIRAM O DINO SANI E GINO ORLANDO.ERA O CAMPO DO AIMBERÉ,DE ONDE SAIU TAMBÉM
SEGUNDO CONSTA O ADHEMAR "PANTERA",MUITA HISTORIA-
TEM AQUELE TRECHO NO COMEÇO DA RUA CAYOWAÁ.
Enviado por CARLOS LOPES - CROQUE775@BOL.COM.BR
Publicado em 20/12/2009 o que acontecehoje em dia é que estão
querendo acabar com cortante,claro,o cortante
é um perigo para todos os motociclistas e tudo mais;porem o cortante proporciona um combate entre linha com cortante para uma pipa cortar outra.
Esse é o principal objetivo de soltar pipa,cortar a pipada do outro.
Na minha opnião os motocicistas deveriam se proteger como pode,assim conseguira viver
sem preocupações;e as paipas?As pipas devem
ser até apoiadas,pois desencaminha das drogas...
Enviado por pedro - paz_armonia@hotmail.com
Publicado em 28/08/2008 Esta bela lembrança nos faz acreditar que é possível lutarmos para termos a qualidade de vida que já existiu, não podemos calar nossas vozes e deixar que tudo o que foi vivido fique apenas em páginas de papel. Enviado por Isa Godoy - isa-godoy@bol.com.br
Publicado em 13/08/2008 Trabalhei com o texto, com crianças de 8 anos.A produção foi relacionar com o bairro em que moram, foi muito produtivo. Enviado por Valeria Rilco - val.rilco@itelefonica.com.br
Publicado em 08/05/2008 Sr Azevedo
pertenco a Associação Viva pacaembu Por São Paulo e estou trabalhando no site da associação.
Gostaria de sua autorização para colocar esta sua historia no ítem Moradores. Quero saber se o Sr ainda reside no bairro.
Grata
Iara
Enviado por iara pesciallo - vivapacaembu@terra.com.br
Publicado em 29/12/2007 É Ricardo, o bom é que naquele tempo soltávamos pipa sem o defectivel cortante. Abraços e Feliz Ano Novo, Beira. Enviado por José Camargo Beira - josebeira@hotmail.com
Publicado em 28/12/2007 Ricardo, bons tempos aqueles em que fazia-se o "intercâmbio" com troca de favôres com os garotos das comunidades carentes...hoje, infelizmente a maldita dróga tomou conta das comunidades,que apesar da grande maioria ser de pessôas decentes, têm que obedecer "ordens" vinda dos traficantes...Lembro-me ainda desta comunidade, quando morava em São Paulo e que até tinha uma bôa infra-estrutura, porém tornou-se igual às outras...No Rio de Janeiro também tem a "Buraco Quente", porém muito mais violenta que a paulista...Lembro-me que foi noticiado que nesta de São Paulo, há pouco tempo, uma jovem de classe média de nome Karim ou Karem, subiu para adquirir dróga e foi brutalmente estuprada e quando seu pai a levou para prestar queixa na Delegacia, ela tomou o revolver do delegado e acabou se suicidando...Coisas da "cidade grande"...Bons tempos aqueles que, inocentemente, soltávamos "nossas pipas" pelas suas ruas. Abraços - Flavio Rocha (Desculpe-me por "misturar"
futebol em comentários,porém tive que "atualizar"
o Lopomo, em suas lembranças (dele) rsrsrsrs.
Enviado por Flavio Rocha - flaviojrocha@bol.com.br
Publicado em 28/12/2007 Parabens, Azevedo, bonita descrição de pequenos fragmentos da infancia. Continue a escrever. Um abraço.
Modesto
Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@terra.com.br
Publicado em 26/12/2007 Ricardo também sou de 49! E assim como você aproveitei muito as ruas do bairro em que eu morava. Bicicleta,amarelinha,queimada e também pipas nos céu!
O meu neto de 8 anos veio do interior passar uns dias aqui comigo. Nada de rua! Nada de meninada se reunindo para brincadeiras. A vida mudou.
Para vê-lo mais livre vou até o parque do Ibirapuera, que por sinal é tão lindo!
um abrço, marcia
Enviado por marcia ovando - marcia.ovando@bol.com.br
Publicado em 26/12/2007 Ricardo, eu vou perdoar o Lopomo desta vez, porque "palmeirense", querendo falar do "meu time", só sai "caca" e porque na época êle só tinha "10 aninhos de idade" e "dimenor" não pode ser condenado...o BI-CAMPEONATO do São Paulo F.C.(1948/49)foi efetivado em um jôgo contra o Santos F.C. em novembro de 1949, quando o derrotou por 3x1..o jôgo contra o Nacional A.C. que foi 4x2, deu o título simples de 1948, no qual o Santos F.C. foi o vice-campeão e aquele ano foi marcado pela volta de Vicente Feola, como seu treinador, e a estréia do zagueiro MAURO RAMOS DE OLIVEIRA, já que em 1947,o São Paulo F.C.teve um péssimo campeonato sob a condução do Joréca (que foi demitido)e o "time dêle (Lopomo)", foi o campeão, por méritos, aliás. Porém para conquistar o BI-CAMPEONATO, em 1949, o São Paulo F.C., contratou o ponta-direita FRIAÇA(que aliás foi o artilheiro daquele ano) na época jogando no Vasco da Gama, já que o titular que jogava, (China) não mais interessava ao tricolor... Já, a "historia malandra" sôbre o Leonidas e o zagueiro do Nacional A.C., deve ser "folclore" aliás o que era muito comum naquela época. É isso. Abraços à você e FELIZ E PRÓSPERO ANO NÔVO à toda a Familia - Abraços - Flavio Rocha Enviado por Flavio Rocha - flaviojrocha@bol.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »