Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Cinqüenta anos atrás Autor(a): Paulo Antonio Feraz Simardi - Conheça esse autor
História publicada em 22/08/2007
Pode parecer muito, mas para uma cidade com mais de 450 não é...
Quanta coisa mudou. Imaginem vocês o Bairro de Pinheiros, onde nasci.
A rua se chamava Borba Gato, hoje se chama Virgílio de Carvalho Pinto.
Era de terra e na década de 50, acreditem, se tomava leite de cabra na porta de casa; era uma festa quando ouvíamos as sinetas do rebanho e saíamos à rua para ver passar. O pastor tirava o leite na hora!
O lixo era retirado com carroças puxadas por burros e era na rua que brincávamos, jogávamos futebol e fazíamos fogueira em Junho. Foi ali que comemorei a vitória do Brasil contra a Suécia, se sagrando Campeão Mundial pela primeira vez em 1958; escutei pelo rádio é lógico. A TV estava apenas começando e satélite só se ouvia dizer na aula de geografia.
Assaltos? Existiam os "batedores de carteira", que uma vez presenciei em ação num ônibus lotado; era o n° 54 - Jardim Paulistano.
Andava-se de bicicleta por toda parte, sem medo de ser atropelado.
Na Avenida Rebouças existia um canteiro central muito grande e ali fazíamos os rachas de futebol.
Usava o bonde diariamente para ir ao Mackenzie; era um transporte muito usado e muito barulhento.
Em alguns finais de semana íamos até o Aeroporto de Congonhas e ficávamos nos terraços vendo os DC-3 e Scandia da Vasp ,os Convair da Real que eram a última novidade. Eram bimotores que faziam todo o interior de São Paulo, que tinha poucas rodovias, por isso o transporte aéreo era fundamental.
Os colégios estaduais eram de 1ª linha; estudar no Caetano de Campos, Escola de Aplicação e outros, era um objetivo a ser perseguido!
A cidade cresceu, se transformou e tornou-se uma megalópole...

e-mail do autor: pf.simardi@uol.com.br E-mail: pf.simardi@uol.com.br
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 25/10/2012 é uma historia linda Enviado por iana beatriz - rogerioczs@hotmail.com
Publicado em 09/08/2010 Ola senhor Simardi, encontrei esta historia pesquisando sobre o lixo em 50 anos atras mas ficou faltando ,que tipo de lixo esistia na quela epoca. Enviado por maria ervania sp - mariaervaniasilvapaz@yahoo.com.br
Publicado em 27/03/2009 Prezado Simardi, também morei nesta rua na mesma época. O que me recordo por volta dos 5 anos em 1959 é que a rua já estava com paralelepípedos. Morei numa casa térrea de nº 632 e anos mais tarde num sobrado em frente nº 633. Ficamos uns 8 anos por lá. Estou submetendo uma história daquela época ao site. Grande abraço. Ernesto. Enviado por Ernesto Bernardi - ernestob1144@gmail.com
Publicado em 10/09/2007 Simardi, porém Pinheiros continuou ter seus encantos por um bom tempo. Onde mais teria uma loja de presentes importados, no meio do nada? Um supermercado japonês que servia yakssoba, antes de se popularizar? Um restaurante de portugueses, com nome de pintor francês? Uma faculdade de medicina, referência nacional e internacional? Parece que esta megalópole, nasceu em Pinheiros. Enviado por Mirça Bludeni de Pinho - by_laser@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »