Zona Oeste

Lapa

Lapa é uma laje de pedra, gruta ou caverna na encosta. E o nome do bairro veio justamente por causa de uma imagem de Nossa Senhora da Lapa que se tornou referência do local. Os primeiros registros da localidade datam de 1590, ainda uma sesmaria de Gaspar Fernandes, onde existia uma fortificação conhecida como “Tranqueira do Emboaçava”, que protegia a Vila de São Paulo do ataque de índios. O nome vem do tupi e significa "lugar por onde se passa". No entroncamento dos rios Pinheiros e Tietê, antes conhecido como Anhembi.

O nome do bairro começa a surgir em 1740, quando o Padre Ângelo de Siqueira Ribeiro do Prado doou à Companhia de Jesus a fazenda que possuía no local e onde havia uma capela com uma imagem de Nossa Senhora da Lapa. A única condição era que, uma vez por ano os jesuítas rezassem uma missa para a santa. O local passou a ser conhecido como “Fazendinha Jesuítica da Lapa” e, logo, simplesmente como “Lapa”. Anos depois, os jesuítas trocaram a Lapa pela área onde hoje é o município de Cubatão, levando para lá a imagem da santa, que se tornou padroeira da cidade.

Outra proprietária ilustre de terras na região foi a Marquesa de Santos, amante de Dom Pedro I, que se casou anos mais tarde com Tobias de Aguiar. Nos primórdios do bairro, no século XVIII, a região era dividida em duas grandes fazendas: a do coronel Anastácio de Freitas Trancoso (hoje, o bairro da Vila Anastácio) e o Sítio do Emboaçava. As duas fazendas eram atravessadas pelo Caminho dos Goiases, rota dos bandeirantes às riquezas de Goiás.

Em 1823, quando o governo anunciou o reparo de uma ponte sobre o Rio Tietê, o Padre Antônio Joaquim organizou procissão e festa em homenagem à santa e o bairro passou a ser conhecido definitivamente como Lapa.

Dia do bairro: 12 de outubro

Fonte: Subprefeitura Lapa