Zona Sul

Itaim Bibi

Itaim significa pedregulho, aquele rolado pelo rio. O seixo.
Além do bairro, dos pequenos seixos, do Itaim-mirim e do balanço do Itaim Bibi, os nossos índios habitantes de regiões com muitos rios e córregos cheios de pedregulhos, as denominaram de "onde o rio tem pedras pequenas, rolando, num vai-e-vem constante", ou melhor Ita-I-bibi, sendo Ita (pedra) I (pequena) e Bibi, em tupi significando vai-e-vem;... a água de um tal rio tem "cor verde escura" e no seu leito encontramos, rolando no fundo, as "pedras pequenas", num "vai-e-vem constante"; iguatemi em tupi significa " água ou lagoa de cor verde escura";... o sufixo í ou y, no final de substantivos, designando normalmente o rio de alguma coisa (Helcias B. de Pádua).

Esta é uma das versões para a origem do nome. Outra, mais popular e conhecida de todos, diz que Bibi era o apelido do Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, sobrinho do General José Vieira Couto de Magalhães. Será que ele usava um chapéu "bibi"? Ou buzinava seu carro pelas ruas do bairro? Ou ainda, se tratava de um apelido familiar?

Polêmicas à parte, o Itaim Bibi de ontem e de hoje foi formado por paulistanos de coração: em primeiro lugar veio a família Couto de Magalhães, depois os imigrantes vindos de terras distantes, muitos do além-mar, como os chacareiros portugueses, italianos e espanhóis que se encantaram com o espaço próximo ao Rio Jurubatuba, atual Pinheiros.

Os anos se passaram, e tal qual São Paulo, o Itaim Bibi não parou de crescer, de se transformar e abrigar pessoas de todos os lugares, que aqui vêm em busca de moradia, trabalho ou lazer. Hoje é um típico bairro de São Paulo, uma metrópole dinâmica e vibrante.

Dia do bairro: 4 de outubro, conforme Decreto Estadual nº6731 de 4 de outubro de 1934, criando o Distrito de Paz de Itaim.

Texto: Nereide Schilaro Santa Rosa